Bitcoin em suas horas escuras ainda mais popular do que Beyonce


As buscas do Google por Bitcoin declinaram 75% até 2018, mas a criptografia mais importante ainda está superando a famosa popstar Beyonce no Google Trends, informou a CNBC terça-feira, 12 de junho O analista da Bitcoin, Brian Kelly, disse à CNBC 'Futures Now' que somente durante seu desempenho no festival de música Coachella em abril, a megastar eclipsou brevemente Bitcoin (BTC) em termos de popularidade na busca na Internet este ano.

 termos de pesquisa "Beyonce" e "Bitcoin". "src =" https://cointelegraph.com/storage/uploads/view/7ca9192214e94aef8bd847851f619fd1.png "title =" Popularidade dos termos de pesquisa "Beyonce" e "Bitcoin". "/> </p>
<p dir= Popularidade dos termos de busca "Beyoncé" e "Bitcoin". Fonte: Google Trends

Kelly mais amplamente pesou nos inegáveis ​​mercados de criptografia de [ bearish de junho, destacando alguns níveis-chave para assistir no desempenho de preço do Bitcoin a curto prazo:

"O que eu realmente estou procurando é algum tipo de movimento, um desconto de US $ 6.500. Nós realmente não temos o volume [and] não há muitos catalisadores que eu possa ver chegando no curto prazo … se eu tivesse que procurar outro nível como um trader de curto prazo, eu olharia no nível de US $ 6.800, que atuou como resistência no fim de semana. Nós vimos um pulo acima disso e agora nós rompemos. ”

De acordo com os cálculos de Kelly, o nível de US $ 6.500 atua como um nível fundamental de suporte à lucratividade da mineração. Isso pressupõe que os mineradores de Bitcoin precisem atualizar seu hardware quase a cada 18 meses, elevando os custos da mineração para algo entre US $ 5.900 e US $ 6.000.

“Em um prazo muito curto”, acrescentou Kelly, “US $ 6.800 parecem um pivô para mim "Neste mercado, como um operador de curto prazo", disse ele, "eu prefiro estar comprando esse impulso em uma ruptura de US $ 6.800."

Mesmo antes da recente queda dos mercados, Nick Colas, analista da BTC Wall St levantou preocupações sobre sinais de interesse em diminuir a criptocorrência em uma entrevista à CNBC no início de maio. Ele apontou indicadores fracos de interesse público, incluindo menos buscas Bitcoin no Google e baixo crescimento de cripto-carteira. Colas não comentou sobre uma comparação cruzada com Beyoncé

Também em maio, um novo relatório sobre o estado atual da adoção global de criptografias de baixo para cima sugeriu que “a maioria dos primeiros [crypto] os adotantes já estão a bordo. ”A pesquisa indicou que, em média, apenas 4% das pessoas que não possuíam criptografia já pretendiam investir nos próximos 6 meses.

No momento desta publicação, o Bitcoin está negociando $ 6.557 trazendo suas perdas mensais para perto de 25%. Os volumes negociados em 24 horas do BTC estão em US $ 4,5 bilhões contra cerca de US $ 7,4 bilhões há um mês.

Petroleiros incluem preço dos combustíveis em pauta da greve por apoio popular – 28/05/2018 – Mercado


Os petroleiros acreditam que a pauta do preço dos combustíveis ajudará a trazer apoio da população à greve de 72 horas marcada para a próxima quarta (30) e prometem paralisação por tempo indeterminado caso não haja negociações.

Nas últimas greves, os petroleiros têm conseguido reduzir a produção de petróleo, principalmente na Bacia de Campos, mas costuma haver poucos efeitos na produção de combustíveis, que é mantida por equipes de contingência.

“Agora o que está em jogo é a privatização das refinarias. As pessoas sabem muito bem que não terão o emprego. Há uma consciência maior da categoria e da sociedade também. Então essa greve vai ser diferente”, diz o diretor da FUP (Federação Única dos Petroleiros) Deyvid Bacelar.

 

 

Os sindicatos pedem mudanças na política de preços da Petrobras e a substituição de Pedro Parente no comando da companhia. Alegam que a política atual prejudica a empresa, ao permitir que importações tomem mercado do combustível brasileiro.

“A empresa está sendo prejudicada, pois as refinarias estão operando com cargas muito reduzidas, e a BR Distribuidora está perdendo participação no mercado”, argumenta Bacellar, que já participou do conselho de administração da companhia.

De fato, no primeiro trimestre, as refinarias operaram com 77% de sua capacidade. A perda de mercado foi uma das justificativas apresentadas pela estatal para autorizar reajustes diários em julho de 2017.

Bacelar defende a política adotada durante a gestão José Sergio Gabrielli, no governo Lula, que previa o acompanhamento do mercado internacional no longo prazo: os combustíveis passavam alguns períodos acima das cotações externas e outros abaixo.

“Tudo bem houve um período de controle excessivo talvez. Mas também, não precisa ser nem 8 nem 80”, disse o sindicalista, referindo-se ao governo Dilma, quando o represamento de preços trouxe perdas à estatal.

“Essa é uma greve de advertência. Uma greve por tempo indeterminado ainda será marcada”, afirmou. “A pauta é viável, só depende do governo federal.”

APOIO

A FUP só incluiu os preços da gasolina e do diesel na pauta da greve marcada para essa semana após o início da paralisação dos caminhoneiros. Antes, a greve estava sendo convocada para protestar contra o plano de venda de ativos da Petrobras.

“A greve por tempo indeterminada foi aprovada por mais de 90% dos petroleiros, em resposta ao maior desmonte da história da Petrobras, que avança sobre as refinarias, fábricas de fertilizantes, terminais e dutos de transporte”, disse a entidade em comunicado divulgado no dia 17 de maio.

Após o início da paralisação dos caminhoneiros, a questão dos preços dos combustíveis passou a fazer parte da lista de justificativas para a greve. Em comunicado do dia 22, a FUP passa a dizer que “a redução dos preços dos combustíveis é um dos eixos da greve”.

“O aumento diário dos preços da gasolina e do diesel faz parte do pacote de desmonte que a empresa vem sofrendo nesses dois anos do golpe”.

No dia 26, a entidade anunciou a paralisação de 72 horas dizendo que os petroleiros “vão à grave para baixar preços da gasolina e do diesel”. Os sindicatos dizem que a gestão da empresa pratica preços altos para permitir a importação de diesel dos Estados Unidos.

A greve começou a ser votada na segunda semana de maio, em assembleias nos 13 sindicatos filiados à FUP. Outros cinco são filiados à FNP (Federação Nacional dos Petroleiros), que decidiu aderir à greve na semana passada, mas por tempo indeterminado.

No mercado, porém, há grande apreensão com relação à greve anunciada, já que o tema combustíveis está mais próximo da população em geral do que pautas anteriores sobre reajustes salariais e benefícios da categoria.

OUTRAS CATEGORIAS

A Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais) afirmou em nota que o protesto dos caminhoneiros contra “a absurda política de aumento de combustíveis” representa a vontade de todos os brasileiros e, por isso, as entidades sindicais dos policiais apoiam o movimento. “A luta da categoria é a nossa luta”, escreveram.

Os motoboys de São Paulo também demonstraram apoio aos caminhoneiros. “Já praticamente aderimos à greve desde quarta, pela indignação com os preços e porque não temos gasolina para abastecer as motos”, diz Gilberto Almeida dos Santos, presidente do SindimotoSP (sindicato dos motociclistas do estado), que conversa com outras categorias para organizar um ato na próxima sexta (1º) em frente ao prédio da Petrobras, na avenida Paulista.

 

Temer pede no Ratinho apoio popular à reforma da Previdência – Notícias


O presidente Michel Temer pediu aos telespectadores do programa do Ratinho, do SBT, que exibiu entrevista com ele na noite desta segunda-feira, que escrevam aos deputados e senadores falando sobre a importância da reforma da Previdência.

“Assim, os parlamentares, sentindo o clamor popular, vão se sentir confortáveis em votar a proposta”, afirmou Temer ao final da entrevista, que foi gravada em 18 de janeiro e exibida um dia depois de o presidente ir ao programa Silvio Santos com o mesmo propósito: alcançar apoio popular à reforma.

No programa, Temer voltou a frisar que, se a reforma não for aprovada agora – ele estipulou o mês de fevereiro, no máximo março, para a aprovação no Congresso -, a Previdência quebra, e citou novamente o exemplo da Grécia – como fez durante a apresentação no programa de domingo.

O programa teve algumas perguntas feitas pela população, oportunidade que Temer aproveitou para explicar que a intenção da reforma é acabar com os privilégios e equiparar as aposentadorias do setor público e do privado. O presidente disse que quem hoje recebe o teto do setor público (em torno de R$ 33 mil) ou acima dele não terá redução, em função do direito adquirido, mas talvez tenha que dar uma contribuição para a aposentadoria dos que recebem menos.

Ao responder a uma pergunta de um ouvinte sobre ele mudar as regras durante o jogo, Temer concordou com a analogia, mas disse ser necessária essa mudança para que o cidadão possa no futuro ter a sua aposentadoria.

O presidente, ajudado pelo apelo de Ratinho para que a população entenda a necessidade e importância da reforma, afirmou que, com ela, a economia terá mais um impulso, e até a nota de crédito que as agências de classificação de risco rebaixaram vai voltar a subir. “O rebaixamento não foi devido ao risco Brasil, mas à dúvida sobre a aprovação das reformas”, explicou.

Temer ainda alegou que já negociou com o Congresso tudo que podia ser negociado mas que, como é sempre aberto ao diálogo, não estará fechado à negociação após o fim do recesso parlamentar, em 5 de fevereiro.

O presidente ao final disse que, passada a previdenciária, vai se focar na reforma tributária, propondo uma simplificação tributária, à qual, disse, sua equipe já está se debruçando.

Perguntado se, com o “sucesso” de suas reformas, cogitaria tentar novo mandato presidencial, Temer fez graça, dizendo que lançaria Ratinho à Presidência, mas que gostaria de passar à História como o presidente que recuperou o país.