Bitcoin P&R: Criptomoedas ou criptoativos? Títulos do Tesouro denominados em bitcoin?




Criptomoedas ou criptoativos? Títulos do Tesouro denominados em bitcoin? Para saber mais: “Bitcoin – a Moeda na Era Digital”, livro publicado pelo Instituto …

Bitcoin, um Golpe ou uma Pirâmide?




Como eu posso te ajudar? Manda um Telegram (baixar app para mim! O meu usuário é o @robertopantoja Canal de Marketing, Vendas e …

Para HODL ou não para HODL? Essa é a questão. – Notícias da moeda Crypto


 HODL "title =" HODL

HODL (Segure por Dear Life) é o mantra da comunidade de criptografia porque os preços da criptomoeda flutuam de maneira tão violenta que um dia ruim pode rapidamente se transformar em um bom dia. E um bom mês no Bitcoin pode se tornar negativo com a mesma rapidez. A idéia do HODL é esperar a tempestade porque os mercados de criptografia estão tendendo para cima há anos, e a história ensina que todas as tempestades de Bitcoin acabam deixando portadores de sacola com propriedade à beira-mar. Mais especificamente, HODL ensina que o tempo está do seu lado se você puder esperar. Mas isso é realmente verdade?

A História do Bitcoin

O Bitcoin é frequentemente descrito como uma bolha devido à rapidez com que os preços subiram. Chamar Bitcoin de uma bolha mostra uma falta de compreensão financeira, como descrevi aqui aqui mas a razão pela qual as pessoas fazem isso é porque os altos aumentos de preços são um indicador clássico de uma bolha. O interessante é que o Bitcoin tem sido chamado de bolha muitas vezes porque, de fato, cresceu rapidamente ao longo dos anos. Bitcoin começou em menos de US $ 1 e no momento em que foi de US $ 3, teria sido chamado de uma bolha por muitos. Mas então subiu para US $ 12 e foi mais uma vez chamado de bolha. As pessoas gostam de dizer que "o que sobe tem que descer". No entanto, a lei da gravidade é uma estratégia de investimento ruim e teria falhado em US $ 12, que subiu novamente para US $ 20 e US $ 50 e todas as pessoas a chamaram de bolha . Os picos de preço do Bitcoin ocorreram centenas de vezes e cada vez justificaram uma pequena parte da definição da bolha. Mas no final de 2018 o preço do Bitcoin subiu para quase US $ 20.000 e muitas pessoas que temiam a bolha agora estavam comprando para ele

The Bumpy Ride

Olhando apenas para os altos do Bitcoin pode ser enganoso, dando a impressão Bitcoin só sobe … isso não acontece. Em vez disso, o Bitcoin é conhecido por suas oscilações de até 10% em um dia, ou até mesmo uma hora. É nesse momento que o HODL pode evitar que investidores emocionais cometerem os piores erros de comprar altos "veja o quão rápido está subindo" e vendendo baixo "Bitcoin está morto, é melhor sair agora". Mas quando o HODL é um erro? Quando pode a recusa em vender criar mais risco do que previne? Isso é muito difícil de responder, porque a verdadeira resposta é "depende".

Há uma lição em Psicologia aqui. É a armadilha da dissonância cognitiva. Essencialmente, quando fazemos algo que nos deixa desconfortáveis, temos duas escolhas: mudar nosso comportamento ou mudar a forma como pensamos sobre esse comportamento. Com o Bitcoin, se você se recusar a vender e o preço cair, você vai vender (mudar seu comportamento) ou racionalizar e pensar "ele vai voltar" (mudar a maneira como você pensa sobre esse comportamento). HODL é uma estratégia boa ou ruim para você hoje? Isso é para você decidir. No entanto, ele me serviu bem quando comprei pela primeira vez na Bitcoin quando estava subindo rapidamente de US $ 500 para US $ 1.100 no final de 2013, antes do crash de 2014. Deveria ter usado o HODL quando o preço caiu para US $ 250 ou deveria ter vendido minhas moedas? Claramente, o HODL teria sido a melhor estratégia, mesmo que o preço parecesse não ter fundo.

Ninguém pode prever o futuro, mas a única tendência que o Bitcoin seguiu até o momento 100% do tempo é que o Bitcoin quebra sua maior alta de todos os tempos. Tem 8 anos de quebrar seus altos de todos os tempos. Com taxas de adoção ainda baixas para a criptomoeda, seria muito surpreendente se o Bitcoin tivesse realmente atingido um muro, um acidente permanente, do qual nunca se recuperaria. O que é muito mais provável é que o Bitcoin faça o que sempre fez e, com o tempo, quebre sua alta anterior

Continue a discussão no Twitter @BitcoinCensus

Imagem em destaque: depositphotos / melpomene

Se você gostou deste artigo Clique para compartilhar

Como conseguir 40$ grátis cryptomkt para por na iq option ou sacar para o banco




Deu certo? mande umas 15 a 30 moedas pra essa carteira obrigado! GDMXNQBJMS3FYI4PFSYCCB4XODQMNMTKPQ5HIKOUWBOWJ2P3CF6WASBE …

Bitcoin bolha ou não? Será que vai valorizar mais ou cair?




Um dos assuntos mais falado nas últimas semanas é o Bitcoin, uma moeda virtual que já era bem conhecida dos mais geek’s, que acabou virando manchete e …

Vai viajar para a Rússia na Copa do Mundo? Conheça as cédulas interativas – Cara ou Coroa


A Copa do Mundo chegou. Depois de economizar nos últimos quatro anos, está na hora de trocar nossos reais pelo rublo, a moeda da Rússia, e torcer pela seleção brasileira.

Particularmente, não acho as cédulas e as moedas russas bonitas, embora, recentemente, o país tenha lançado algumas bem interessantes para celebrar a Copa do Mundo. Falei sobre elas aqui.

Mas, o mais legal são as novas cédulas de 200 e 2.000 rublos, lançadas em 2017, com as quais é possível “brincar” usando um aplicativo de realidade aumentada (assista aos vídeos abaixo).

A cotação do real para o rublo atualmente está em R$ 1 para 16,05 rublos. Ou seja, R$ 100 é equivalente a 1.605,58 rublos.


Leia também:


Para funcionar, basta instalar o app (só disponível na Rússia) e apontar para as cédulas. Na tela do celular, você vai ver o desenho das notas ganhando vida e se movimentando. Ele funciona apenas nas novas cédulas de 200 e 2.000 rublos.

O app também é usado como proteção, pois o efeito de realidade aumentada não funciona em cédulas falsas, além de apontar e explicar quais são seus elementos de segurança. Em ambas as cédulas, há um QR Code que leva até o site do Banco da Rússia com informações de segurança.

A cédula de 200 rublos tem os desenhos do monumento dos navios afundados em Savastopol de um lado. Do outro lado, ela tem o desenho das ruínas de Quersoneso.

A cédula de 2.000 rublos tem os desenhos do Cosmódromo de Vostochny de um lado. Do outro lado, está o desenho da ponte Russky, em Vladivostok, que conecta a ilha Russky ao continente.

Veja algumas fotos da cédula de 2.000:

MOEDAS:

As moedas são divididas entre 1, 5, 10 e 50 kopecks (que funcionam como centavos) e rublos de 1, 2, 5 e 10. Também há cédulas de 5 e 10 rublos. O que eu achei interessante nas moedas de kopecks é seu anverso. Todas exibem a imagem São Jorge, o padroeiro da Rússia. Já as moedas de rublo têm o brasão do país.

Um kopeck


Cinco kopecks


10 kopecks


50 kopecks


Um rublo


Dois rublos


Cinco rublos


Dez rublos


CÉDULAS:

Cinco rublos


Dez rublos


50 rublos


100 rublos


200 rublos


500 rublos


1.000 rublos


2.000 rublos


5.000 rublos


Siga o blog nas redes sociais e não perca nenhuma atualização:

BRF nega a órgão regulador dos EUA negociação com a Minerva ou qualquer outra empresa – Notícias


(Reuters) – A BRF informou ao órgão regulador dos mercados dos Estados Unidos que não recebeu qualquer formalização da Minerva ou de outro investidor, nacional ou estrangeiro, para um possível acordo de fusão, negando reportagens publicadas na mídia brasileira.

As ações da BRF e da Minerva chegaram a disparar na tarde de terça-feira, após notícia de que a Minerva busca uma fusão com a BRF, em operação que contemplaria uma capitalização da BRF.

“O sr. Pedro Parente, presidente do conselho de administração da companhia, foi consultado pelo diretor de Relações com Investidores da BRF, com relação a eventual articulação para a conclusão da referida operação, conforme mencionado em uma das notícias, a qual ele negou qualquer articulação de qualquer tipo de transação nesse sentido”, disse a BRF em comunicado à Securities and Exchange Commission (SEC) dos EUA na terça-feira.

(Por Raquel Stenzel)

Carteira de ações ou fundo de ações, qual a melhor alternativa? – De grão em grão


Com a recente queda de 12% do mercado de ações e os baixos retornos de aplicações de curto prazo em renda fixa, investidores mais agressivos ponderam sobre elevar a exposição ao mercado de ações. Entretanto, ainda há dúvida de qual a melhor forma de elevar essa exposição, comprando diretamente ações ou investindo em fundos de ações?

Descrevo abaixo as vantagens e desvantagens de cada uma das alternativas. Discuto as características separando-as em seis fatores para mostrar qual seria a melhor decisão para seu investimento em ações.

 

Equipe e informação
A primeira questão que os investidores individuais se deparam quando se propõem a montar uma carteira de ações é: qual ou quais ações comprar?

Como não conhecem as empresas, normalmente os investidores se valem de quatro alternativas: concentrar nas empresas tradicionais e mais conhecidas, dicas de amigos, carteiras de corretoras, ou carteiras de empresas de pesquisa independente.

Das quatro alternativas, apenas as duas últimas podem trazer algum resultado satisfatório. As duas primeiras alternativas comprovadamente acabam levando a resultados medíocres ou desastrosos.

As boas instituições de gestão de fundos de ações contam com equipes formadas por experientes profissionais nos campos de análise econômica, financeira, risco e gestão. Estes muitas vezes possuem experiência de mais de vinte anos no mercado financeiro. Essa experiência é muito importante para que ele consiga de forma mais rápida analisar e decidir sobre fatos novos que afetam as empresas e o mercado.

Pela facilidade de contato que os gestores e analistas dos fundos possuem com os diretores de empresas e com outros profissionais de mercado, eles possuem acesso mais rápido e mais fácil a informações que o investidor sozinho, provavelmente, não conseguiria ou demoraria mais tempo para ter acesso.

Não há como uma pessoa sozinha substituir ou replicar os resultados que essa equipe pode produzir.

 

Rentabilidade
Normalmente, os adeptos de montar uma carteira de ações argumentam que a rentabilidade de se comprar ações diretamente é superior a investir em fundos de ações. Entretanto, essa justificativa não possui qualquer fundamento e normalmente é dada devido a falta de acompanhamento de retorno da primeira alternativa.

A grande maioria dos indivíduos que se propõem a comprar ações diretamente sequer possuem ferramentas ou guardam histórico de suas transações. Portanto, na maioria das vezes apenas acreditam que suas transações vão melhor ou por esquecerem dos prejuízos ou por não registrarem adequadamente os custos envolvidos.

A literatura acadêmica já produziu vários artigos argumentando que a média dos fundos de ações desempenham pior que os índices de marcado. Acredito que existem três fatores que explicam o desempenho dos fundos: pessoas, processos e produto. O processo de controle de risco é importantíssimo para reduzir perdas e um adequado processo de investimento é fundamental para permitir ao gestor a alavancagem de seus ganhos.

Entretanto, se a maioria dos gestores com equipes especializadas não consegue ir melhor que o mercado, como esperar que uma pessoa sozinha tenha um desempenho melhor? Apenas dois fatores explicam a melhor performance de pessoas sobre fundos: sorte ou risco. Como o investidor individual em geral possui poucas ações em seu portfólio, ele está sujeito a um maior risco e eventualmente, esse risco é compensado com um retorno maior no curto prazo. Mas pode levar a duras penas como vimos nas ações da Petrobrás neste mês de maio.

 

Risco
Normalmente, os fundos de investimento em ações no Brasil possuem entre 10 a 30 ações em seu portfólio. Esse número de ações não foi escolhido por acaso. A literatura sobre diversificação, afirma que para reduzir o risco específico de cada empresa a patamares mínimos são necessárias pelo menos quinze ações.

Daí vem uma grande vantagem dos fundos de ações: a gestão de risco eficiente. As empresas de gestão possuem áreas de risco e de análise que estão continuamente monitorando e informando ao gestor sobre o risco de seu portfólio para que ele possa tomar melhores decisões.

Para um investidor individual, o controle sobre uma carteira de mais de cinco ações se torna custoso em termos de tempo e dedicação. Portanto, o risco assumido pelos investidores individuais acaba sendo maior e não quantificado de forma adequada devido à ausência de ferramentas para cálculo.

 

Custo
Muitos investidores argumentam sobra a taxa de administração cobrada pelos fundos. Essa taxa normalmente é de 2 a 3% ao ano sobre o patrimônio líquido do fundo de ações.

A rentabilidade dos fundos apresentada nas lâminas que o investidor recebe já é líquida dessa taxa de administração e de outras que eventualmente existam como a taxa de performance.

Se você investe R$100 mil em um fundo de ações, estaria pagando em média cerca de R$200 por mês para ter a sua disposição toda uma equipe de analistas econômicos, financeiros, de risco e de gestores. Acho que R$200 por mês para cada R$100 mil investidos é um valor baixo para ter tudo isso a sua disposição.

Mudando a pergunta, quanto vale sua hora? Se você for administrar sua própria carteira vai dispender no mínimo uma hora por dia ou 20 horas no mês apenas para verificar desempenho e algumas notícias. Lembre-se que os grandes empresários sabem contratar funcionários para que sua hora seja melhor aproveitada. Aprenda a delegar e terá mais tempo para o que é mais relevante.

A taxa de performance alinha ainda mais o incentivo do gestor ao do investidor, pois quando o fundo desempenhar bem, toda equipe ganhará um bônus por desempenho. Portanto, isso fará com que a equipe fique se cobrando pelo desempenho continuamente.

 

Reinvestimento de dividendos
Um dos grandes ganhos do mercado de ações e que normalmente é relevado pelos pequenos investidores é o poder do reinvestimento dos dividendos. Utilizando dados da Economatica, nos últimos dez anos, se você investiu R$100 nas ações do Itaú e reinvestiu os dividendos, teria hoje R$276. Entretanto, se não reinvestiu os dividendos, teria apenas R$190. Ou seja, quase 46% a mais de retorno reinvestindo os dividendos.

Normalmente, os dividendos pagos pelas ações são valores pequenos para serem reinvestidos pelos investidores individuais. Na maioria das vezes esse tesouro acaba ficando parado na conta corrente e perde a sua grande vantagem. Pela escala dos fundos, eles conseguem com baixo custo reinvestir os dividendos.

 

Imposto de Renda
Nos fundos de investimentos em ações, você é tributado na alíquota de IR de 15% sobre os ganhos de capital quando do resgate. No entanto, esse IR no caso dos fundos só é cobrado no resgate ao contrário do investimento direto que deve ser pago no mês seguinte.

A postergação do IR traz uma grande vantagem para o investimento em fundos de ações, pois o gestor do fundo pode investir em mais ações com o IR que deveria ser pago e, assim, alavanca a rentabilidade ao longo dos anos.

Em contraposição, o investidor que aplica diretamente em ações tem uma vantagem fiscal. Os ganhos de capital não são tributados em vendas de ações limitadas a R$20 mil dentro de um mês. Essa é a grande vantagem para quem negocia ações individualmente, mas ela só é válida para os pequenos investidores.

Outra vantagem fiscal de se investir diretamente é o fato dos dividendos serem isentos de IR. Quando o provento é recebido dentro do fundo ele não possui essa vantagem. Entretanto, a vantagem no primeiro caso só é válida se o investidor comprar mais ações. Como normalmente isso não ocorre, a vantagem é reduzida.

Considerando estes seis fatores (equipe e informação, rentabilidade, risco, custo, reinvestimento de dividendos e imposto de renda), o investidor tem um bom critério para ponderar sobre qual a melhor forma quando for investir em ações.

Utilizando esses critérios, racionalmente, a balança é mais favorável para o investimento por meio de fundos de ações. A escolha por montar uma carteira diretamente só se sustenta pela emoção que a negociação direta pode causar ou por excesso de otimismo.

 

*Michael Viriato é professor de finanças do Insper e sócio fundador da Casa do Investidor.

BitPay, Coinbase ou outros: Alguém pode substituir o visto?


A questão da transição para redes de pagamento descentralizadas foi levantada novamente na semana passada. Em 1º de junho, a Visa, que normalmente processa mais de 150 milhões de transações diariamente, falhou repentinamente . Milhões de pessoas no Reino Unido e na Europa não puderam pagar por bens ou serviços, e os pagamentos da Visa também foram interrompidos para os residentes dos EUA.

Várias horas depois o problema foi resolvido, mas o mero fato de fracasso generalizado indicou a necessidade de sistemas alternativos estáveis ​​e descentralizados, onde tais incidentes são simplesmente impossíveis.

Abaixo apresentamos uma visão geral de vários pioneiros, que têm chances de se tornarem semelhante a um visto "crypto" ou MasterCard. Eles não oferecem apenas uma solução abrangente para armazenar, pagar ou gerenciar a criptomoeda, mas também fornecem ferramentas completas para as empresas. Ainda mais importante – as taxas de transação são três vezes menores ou mesmo inexistentes em comparação aos 3% da Visa.

 COMPARAÇÃO DE SISTEMAS DE PROCESSAMENTO "src =" http://cointelegraph.com/storage/uploads/view/8d92a3a022656043ec531c13920cd457. png "title =" COMPARAÇÃO DE SISTEMAS DE PROCESSAMENTO "/> </p>
<h2 dir= BitPay

CEO: Tony Gallippi

Fundado: 2011

HQ: US

por Tony Gallippi e Stephen Pair em maio de 2011, a BitPay se tornou a primeira operadora a trabalhar com Bitcoin.O desenvolvimento deste projeto começou devido à necessidade de criar uma maneira rápida, segura e barata de pagar por bens e serviços. criadores de BitPay o objetivo da plataforma é tornar-se crypto equivalente do sistema de pagamento Apple Pay da Apple, o que se reflete na semelhança de seus nomes.

Em 2017, BitPay processado mais de US $ 1 bi em pagamentos de Bitcoin. O próximo passo para a empresa foi develo pingar um cartão de débito BitPay Visa, que permite o pagamento através de terminais POS, bem como depósitos e levantamentos em caixas eletrônicos.

Detentores de Bitcoin podem comprar um cartão por US $ 9,95. Os fundos podem ser depositados na conta diretamente da carteira do Bitcoin ou através de um provedor autorizado. Embora o BitPay receba uma taxa de pagamento de até 1,9%, a velocidade de processamento é uma desvantagem significativa .

Para aumentar o alcance e a popularidade do aplicativo, o BitPay anunciou suporte para o Bitcoin Cash além de outras moedas em dezembro de 2017. Embora possa parecer que o serviço aumentou a confiabilidade, vários rumores ainda persistem em torno do aplicativo.

Por exemplo, no verão passado a comunidade Bitcoin acusou BitPay de fraude. O fato é que o BitPay enganou os usuários, dizendo que é necessário ativar o cliente BTC1 ao se recusar do Bitcoin Core. A reação dos apoiadores do Bitcoin Core, incluindo Peter Todd, Tuur Demeestr, Francis Pulio, John Carvalho, Rodolfo Nowak e outros, foi imediata. Todos eles eram negativos sobre a oferta da BitPay para usar uma alternativa ao Bitcoin Core. Em particular, Peter Todd chamou a proposta de fraudulenta e incentivou outros membros da comunidade a participar do processo. O programador Eric Lombrozo apelou aos seus assinantes no Twitter para boicotar qualquer empresa que apoiasse SegWit2x . Em fóruns e em redes sociais pela web, uma discussão ativa da oferta Bitpay continua.

Duas semanas depois, em 24 de dezembro, BitPay confundiu os usuários novamente quando anunciou que aumentaria seu valor mínimo de transação para US $ 100 em uma declaração de dezembro. Em apenas dois dias, a empresa mudou o valor para US $ 5.

Coinbase

CEO: Brian Armstrong

Fundada: 2012

HQ: USA

Quando se trata de reputação, vale a pena mencionar um grande player lançado em 19459024 em 19 de fevereiro. O serviço Coinbase Commerce é oferecido pela Coinbase Exchange e permite que os comerciantes aceitem pagamento. em moedas digitais com os fundos diretamente creditados na carteira do usuário, deixando-os em total controle sobre a conta. Funcionalmente, o plug-in Coinbase Commerce é muito semelhante ao sistema de pagamento do PayPal, exigindo apenas um número de telefone e um endereço de e-mail.

O produto aceita pagamentos em Bitcoin, Bitcoin Cash, Ethereum e Litecoin e pode ser integrado um processo de checkout ou usado como um serviço de pagamento em plataformas de e-commerce

A Coinbase estabeleceu-se firmemente como um operador de processamento para empresas. Para aceitar pagamentos em Bitcoin, os comerciantes não são cobrados comissões, mas para a conversão de fundos o sistema retém uma taxa de 1 por cento .

Parece que numerosos guias e videos como "Ninguém gosta de taxas de Coinbase" ou "Como evitar a Coinbase Commission" estão agora no passado. Mas será que o lançamento recente ajudará a Coinbase a “se reabilitar” por 4 por cento das taxas cobradas pelas operações com cartões de débito [19459094]?

GoCoin

CEO: Steve Beauregard

: 2013

HQ: Cingapura

Antes de ser lançado publicamente em 2013, GoCoin foi desenvolvido por uma única pessoa para propósitos privados. Agora tornou-se uma plataforma bastante popular de moedas digitais e oferece um gateway de pagamento para os comerciantes on-line e de varejo para aceitar transações BTC, LTC, DASH e BCH. Foi uma das primeiras plataformas a introduzir tarifas mais baixas – apenas 1%, o que cai para 0% depois que as transações ultrapassaram US $ 2.500 mensais.

A plataforma pode ser instalada como um plug-in e permite que os clientes paguem com a moeda digital sua escolha junto com USD, EUR e GBP. Vários métodos podem ser empregados, desde aplicativos de pagamento até formulários hospedados ou botões.

Desde 2013, mais de 500 milhões de transações foram processadas pela GoCoin. O que torna esta plataforma promissora é uma grande base de clientes de 15.000 comerciantes globalmente, entre os quais existem empresas como General Electric, Cosy Games, BitFury e Tesla Motors.

Também é conhecido que GoCoin é suportado por vários líderes da indústria como Owen Van Natta, ex-COO do Facebook, e Brock Pierce, fundador da Blockchain Capital.

CoinPayments

CEO: Alex Alexandrov

Fundado em: 2013

HQ: Canadá

CoinPayments começou como o primeiro processador de pagamento multicoin no mundo em agosto de 2013. A plataforma se concentra em criar uma maneira fácil de integrando um sistema de checkout para um desconcertante 535 cryptocurrencies incluindo os amplamente utilizados, como BTC, ETH, LTC e alternativas menores, como PinkCoin e Triggers. A empresa também oferece vários plugins para carrinhos de compras, além de soluções de pagamento personalizadas e ferramentas para comerciantes.

O nível de serviço e o número de opções são impressionantes para compradores e vendedores. Os desenvolvedores não se limitaram apenas a instrumentos de pagamento e construíram a plataforma em muitas lojas online. Os apaixonados por cripto têm 16 opções de produtos, incluindo jogos para XBOX, roupas, camas para gatos e até sementes de canábis. Embora fazer compras seja bastante fácil, não está totalmente claro como elas são legais.

Outro recurso peculiar disponível para os usuários é o serviço PaybyName que pode simplificar a vida de qualquer operador ou investidor em criptomoedas. Ao criar uma conta, você obtém um único endereço que pode ser usado para enviar ou receber moedas suportadas.

Os comerciantes recebem uma das condições mais favoráveis ​​do mercado – registro simplificado, suporte ao cliente e comissões fixas de 0,5%.

Coinsbank

CEO: Vitaliy Andrusevich

Fundado: 2014

HQ: UK

Um gateway “tudo em um” para serviços blockchain , Coinsbank foi fundada em 2016 sob um nome de BIT-X. Inicialmente, o projeto BIT-X foi concebido como um serviço de cartões pré-pagos em criptomoedas. Depois de rebranding em 15 de agosto de 2016, o Coinsbank tornou-se uma plataforma de pagamento completa e, desde então, tem mantido altos padrões em tudo o que está relacionado com a troca ou processamento de criptomoedas. Apesar de uma escolha relativamente pequena de criptomoedas suportadas, o volume de transações diárias estáveis ​​ da plataforma permite que o Coinsbank mantenha uma posição nas dez principais bolsas de criptomoedas.

Talvez, seus altos níveis de segurança e serviço de carteira amigável é mais conhecido do que a troca acima mencionada. O analista Roger Aitken comparou seu armazenamento de tipo frio com uma caixa de depósito de banco:

“Pense nisso como sendo semelhante ao depósito de um banco, com acesso especial por duas chaves: uma retida pelo cliente e outro pelo banco. Aqui vale a pena explicar que em termos dos aspectos de segurança oferecidos pelo CoinsBank, que sem uma chave de usuário “nenhuma parte externa” para a carteira pode comprometer sua segurança.

Se, por exemplo, alguém hackeou o sistema CoinsBank – como foi o caso que sofreu uma troca de Bitcoin em Hong Kong Bitfinex em agosto com o roubo de mais de US $ 60 milhões em Bitcoin – a antiga carteira não pode ser contornada / comprometida, pois não há “possibilidade” de iniciar transações ou fazer movimentos a partir deles

O Coinsbank revelou à Cointelegraph as informações sobre a emissão de cartões de débito com criptografia a serem anunciadas no cruzeiro Blockchain em setembro:

“Os cartões de pagamento serão emitidos pelo maior fornecedor de cartões do mundo e estarão disponíveis para encomendar usuários em breve. Os cartões funcionarão com criptomoedas disponíveis no serviço – LTC, BTC, ETH, XRP. ”

Vamos ver se as comissões serão tão baixas quanto a atual taxa fixa de serviço de comerciante de 0,5%.

GoByte

CEO: Hisyam Nasir

Fundada: 2017

HQ: Malásia

Outros projetos não se concentram na exclusividade dos serviços e buscam a perfeição tecnológica. Uma delas é a GoByte Network, que está desenvolvendo seu próprio serviço de pagamento e oferece taxas de 0% para processar serviços dentro da plataforma e pagamentos não monetários.

O módulo GoByte Pay interage diretamente com o blockchain , criando e executando transações que são posteriormente confirmadas por masternodes e mineradores para comerciantes e consumidores tecnicamente desafiados em desktops, web e dispositivos móveis. Sendo rápido, seguro e fácil de usar, o GoByte Pay permite que o usuário tenha várias carteiras em uma conta. Enquanto apenas a moeda GBX está atualmente disponível para pagamentos, os desenvolvedores prometem adicionar novas moedas após o lançamento do módulo Pay em junho.

O módulo é projetado para resolver o problema da falta de adoção em lojas de varejo, criando uma API para ajudar terminais existentes ligam-se facilmente aos terminais POS. Juntamente com o InstandSend e transações livres, o GoByte está planejando lançar seus próprios cartões de débito criptográfico, caixas eletrônicos e terminais POS

Visa e os conflitos de interesses

Um gigante como a Visa é um participante regular em conflitos com os projetos mencionados. Em janeiro de 2018, a Visa deixou os usuários na Europa sem cartões de débito. O pedido foi enviado para a plataforma de pagamento WaveCrest, cujos clientes incluem vários projetos que trabalham com Bitcoin, incluindo BitPay, TenX, Bitwala e Wirex. Como resultado, muitos deles tiveram que parar de atender a clientes fora dos EUA.

Este ano, um escândalo eclodiu entre Coinbase e Visa, com base em levantamentos errados de contas de usuários

Desenvolvedores de criptomoedas continuam a perseguir a meta de monetização com a ajuda de sistemas de processamento. Até o momento, as taxas para depositar fundos através de cartões de crédito são de 3%. Parece que muitos criadores de projetos nos dias de hoje tentam colocar suas startups em aplicativos móveis, contornando a questão dos cartões de plástico, já que agora o uso de NFC em smartphones permite que os clientes paguem instantaneamente pelas compras feitas colocando seu telefone ao lado do gadget do vendedor . Pode ser muito mais fácil e conveniente digitalizar um código QR para pagamentos móveis de Bitcoin. Possivelmente, num futuro próximo, os usuários poderão optar por sair completamente do QR em favor do NFC

Em resumo, não há motivos no momento para pensar que alguém possa compor uma forte concorrência pelo sistema Visa. Para um grande número de pessoas, conveniência funcional, confiabilidade e facilidade de uso superam os custos de comissão que são quase 3 vezes menores

É possível que uma das soluções acima ganhe uma parcela significativa das transações de criptomoeda, provando sua segurança e desenvolver relações positivas com os órgãos reguladores necessários. Enquanto isso, em um contexto de regulamentação ambígua em diferentes jurisdições, o desenvolvimento futuro de tais projetos permanece difícil de prever.