Analistas Preocupados com o Impacto da Mineração da Criptografia no Preço da Ação da AMD


Enquanto ações da Advanced Micro Devices Inc. (AMD) tiveram um crescimento substancial no último mês devido a um boom de mineração com criptomoedas dois analistas alertam que os investidores poderiam ficar desapontados caso a mineração caia, o MarketWatch divulgou 20 de junho.

No mês passado, as ações da AMD ganharam cerca de 30% graças às unidades de processamento gráfico (GPUs) produzidas pela empresa, que se estabeleceram como hardware efetivo para mineração de criptografia. Alguns analistas, no entanto, expressaram preocupação de que o recente sucesso das ações da AMD possa não durar muito se a mineração de criptografia se reduzir, ou se mineiros escolherem GPUs por outros fabricantes.

Stacy Rasgon, analista da Bernstein, afirma que ao longo do curso do recente boom de criptomoedas, as GPUs da AMD beneficiaram os mineradores, embora os dispositivos tenham sido originalmente projetados para jogos. Ragson disse que a cadeia de suprimentos da GPU para os gamers estava restrita em toda a indústria. Caso os mineradores migrem para os produtos da AMD, ela acredita que a empresa “pode sofrer não apenas quedas de unidades em um declínio cripto, mas também pressões de preço médio de venda se reduzir as tendências, potencialmente exacerbando quaisquer efeitos”.

Joseph Moore O Morgan Stanley também se preocupa com o impacto da criptografia, afirmando que a AMD está “enfrentando um iminente Nvidia lançamento do produto que pode não ter resposta por mais um ano.” Ele explicou:

“Cryptocurrency strength compensou o progresso lento e constante que estabeleceu o momento nos microprocessadores de desktops e servidores após vários anos longe desses mercados – mas que receitas mais altas levaram a despesas operacionais mais altas, o que aumenta ainda mais a barreira para o negócio de processadores se o ímpeto de criptografia desaparecer. "

Até agora, neste ano, as ações da AMD ganharam 61%, fechando hoje em US $ 16,52.

 AMD preço de ações de seis meses" src = "https: // cointelegraph .com / armazenamento / uploads / view / 9514a1384f0cb979e5fbee838e997d7b.gif "title =" Preço da ação de seis meses da AMD "/> </p>
<p dir= Preço da ação de seis meses da AMD. Fonte: Nasdaq

Apesar do crescimento da criptografia de mineração desde para a indústria de placas gráficas, o CEO da AMD Lisa Su recentemente expressou cautela em torno de blockchain e cryptocurrency, dizendo que é "um pouco de uma distração, no curto prazo." Su disse que blockchain e mineração constituíram cerca de 10 por cento da receita da AMD ao longo do trimestre.

Impacto da greve em intenção de consumo fica limitado ao 3º bimestre, diz CNC – Notícias


A greve dos caminhoneiros, a escassez na distribuição de produtos e a disparada do dólar afetaram as perspectivas do consumo das famílias e a disposição para compra de bens duráveis, apurou a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) na medição do ICF (Intenção de Consumo das Famílias) em junho, que caiu 0,5% em relação ao mês anterior, apesar de ter crescido 12,4% na comparação com junho de 2017.

Para 2018, apesar do quadro atual, a CNC mantém a projeção de alta de 5% no varejo ampliado (inclui veículos automotores e material de construção) e prevê que o impacto das manifestações de maio deve ficar limitado ao terceiro bimestre e não comprometer a tendência de alta nas vendas.

Segundo a CNC, a pesquisa do ICF completa este mês três anos e um mês abaixo dos 100 pontos, registrando 86,7 pontos, “mostrando a insatisfação persistente das famílias quanto às condições de consumo”, avaliou a CNC.

O resultado só não foi pior por conta da percepção mais positiva quanto o emprego atual, reflexo da melhoria do mercado de trabalho. O subíndice Mercado de Trabalho da pesquisa registrou 113,4 pontos, com aumento de 0,5% em relação ao mês passado e 5,8% na comparação anual. O porcentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual também apresentou alta. Em 2017, o indicador era de 31,2% e este ano alcançou 33,9%.

Já em relação às perspectivas do mercado de trabalho houve recuo de 0,4% contra maio, mas subiu 7,1% em relação a junho de 2017. Esta é a quinta vez que o indicador fica acima da zona de indiferença, com 103,4 pontos.

O subíndice Nível de Consumo Atual apresentou leve recuo de 0,1% na comparação com maio, porém aumento de 19,9% em relação a junho de 2017. Já o componente Momento para Duráveis apresentou queda de 1,1% no comparativo mensal, mas em relação ao ano passado a alta registrada foi de 17,5%. O estudo aponta que o índice segue abaixo da zona de indiferença, com 60,8 pontos.

“A queda desses componentes reflete a disposição das famílias em gastar um pouco menos, principalmente com produtos que venham a comprometer o orçamento com compras parceladas”, analisa o economista da CNC Antonio Everton Chaves Junior.

A Renda Atual, outro subíndice do ICF, voltou ao patamar de neutralidade (100 pontos), mas o componente Acesso ao Crédito caiu 0,3% contra maio e teve alta de 16,6% contra junho de 2017.

“Apesar da melhora de todos os subíndices em relação ao ano passado, 42,8% das famílias entrevistadas declararam estar com o nível de consumo menor do que em 2017”, afirmou a CNC em nota.

BB faz permuta de imóveis com Ministério do Planejamento; operação terá impacto positivo de R$73 mi no 2º tri – Notícias


SÃO PAULO (Reuters) – O Banco do Brasil anunciou nesta sexta-feira que fez uma permuta de imóveis com a Secretaria do Patrimônio da União, do Ministério do Planejamento.

Na troca, o BB recebeu um terreno avaliado em 162 milhões de reais e transferiu imóveis situados em Brasília, Campo Grande, Porto Alegre e Rio de Janeiro.

“Estima-se que a permuta impactará positivamente o resultado do segundo trimestre em 73 milhões de reais, líquidos de impostos”, afirmou o banco em comunicado.

(Por Aluísio Alves)

Altcoins são atingidos, levando o impacto do mercado de bitcoin bear – Bitcoinist



Altcoins são atingidos, levando o impacto do mercado de Bitcoin BearBitcoinistFollowing o hack de uma troca de criptomoedas em grande parte inédito na Coreia do Sul e uma investigação dos investigadores do governo dos EUA sobre manipulação de preços Bitcoin, o mercado de cryptocurrency mais uma vez quebrou para o lado negativo – e as coisas não estão olhando … e muito mais »

Ilan: Copom levará em conta impacto de choques ocorre por efeitos secundários – Notícias


O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta segunda-feira, 11, durante evento em São Paulo, que o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC levará em consideração, no encontro da próxima semana, que o impacto dos choques recentes sobre a política monetária ocorre através de seus “efeitos secundários” sobre a inflação.

“Ou seja, pela propagação a preços da economia não diretamente afetados pelo choque”, disse Goldfajn, em evento organizado pelo Goldman Sachs na capital paulista. “Esses efeitos tendem a ser mitigados pelo grau de ociosidade na economia e pelas expectativas e projeções de inflação ancoradas nas metas”, ponderou o presidente do BC.

Essas declarações do presidente retomam ideias que constaram na entrevista coletiva de Goldfajn, na quinta-feira passada, e em declarações feitas em eventos da última sexta-feira, também em São Paulo.

De acordo com Goldfajn, “o Copom, em sua reunião de março, avaliou como adequada a manutenção da taxa de juros no patamar corrente, caso as condições se mantivessem”. A Selic (a taxa básica de juros da economia) está atualmente em 6,50% ao ano. “Na próxima reunião, o comitê analisará essas condições com foco como sempre nas projeções e expectativas de inflação e o seu balanço de riscos e tomará a decisão que considere adequada naquele momento”, acrescentou.

Goldfajn fez ainda um diagnóstico sobre o cenário externo que, nas últimas semanas, “tornou-se mais desafiador e apresentou volatilidade”. “A evolução dos riscos, em grande parte associados à normalização das taxas de juros em algumas economias avançadas, produziu ajustes nos mercados financeiros internacionais”, afirmou. “O mercado apresenta um comportamento volátil, com uma piora na percepção dos agentes internacionais em relação ao cenário global.”

Conforme Goldfajn, esta percepção tem provocado “pressões sobre várias economias emergentes, afetando cada país de acordo com suas características particulares”. No entanto, ele lembrou que o BC e o Tesouro têm atuado para prover liquidez por meio de leilões de swap cambial – operações cujo efeito é equivalente à venda de dólares no mercado futuro – e para dar liquidez ao mercado de juros. “O BC e o Tesouro Nacional vão continuar oferecendo de forma coordenada liquidez, seja no mercado de câmbio, seja no mercado de juros”, disse.

Como afirmou hoje em entrevista exclusiva ao Broadcast, Goldfajn disse que a instituição pode utilizar swaps além dos valores máximos dos estoques no passado (US$ 115 bilhões). Além disso, reafirmou a intenção de ofertar US$ 20 bilhões em swaps até a próxima sexta-feira, dia 15. Em outro momento, ele reafirmou que a política monetária é separada da política cambial.

“O Brasil tem amortecedores robustos, fundamentos sólidos e encontra-se mais preparado para lidar com choques externos”, pontuou o presidente do BC. Ao mesmo tempo, defendeu a importância da continuidade das reformas. “O Brasil precisa continuar no caminho de ajustes e reformas para manter a inflação baixa, a queda da taxa de juros estrutural e a recuperação sustentável da economia.”

Greve dos caminhoneiros tem impacto passageiro sobre inflação e PIB, diz Guardia – 08/06/2018 – Mercado


O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, afirmou nesta sexta-feira (8) que a greve dos caminhoneiros tem impacto momentâneo sobre a inflação e o crescimento.

Em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, na rádio Bandeirantes, o ministro reforçou a fala do presidente do BC, Ilan Goldfajn, de que mudanças nos juros básicos da economia não devem ser usadas para reagir à escalada do dólar. 

A política de juros está relacionada ao controle da inflação, e a inflação está sob controle”, disse o ministro. “A inflação é um problema quando há um aumento permanente de preços. Os preços refletem momentaneamente a escassez de produtos, mas voltam ao seu patamar normal. A inflação está sob controle e isso é fundamental para definir a política de juros do BC”.

Guardia pontuou ainda que o dólar recuou nesta sexta, após o presidente do BC anunciar, nesta quinta (7), que a autoridade monetária venderá US$ 20 bilhões em contratos de swap até o final da próxima semana. 

“Já vemos o dólar voltando, está abaixo de R$ 3,80”, disse. 

Para Guardia, o efeito da paralisação sobre o crescimento também é momentâneo.

“A greve foi muito intensa, foi um enorme problema para a população. Mas o efeito da paralisação sobre o crescimento também é momentâneo. O importante é olhar para a frente”.

Segundo o ministro, o cenário externo é desafiador, já que a tendência de elevação dos juros nos EUA leva o dólar a se valorizar em diversos países. Ele ainda criticou o acirramento de práticas protecionistas, com o crescimento de barreiras ao livre comércio.

“Vemos o acirramento de práticas protecionistas no mundo, isso é muito ruim para a economia mundial. A mensagem fundamental disso é: para o Brasil atravessar momentos de mais dificuldade, precisamos aprofundar as reformas”, disse.
 

Greve de caminhoneiros tem impacto limitado na inflação e não muda política monetária, aponta Ilan – Notícias


SÃO PAULO (Reuters) – O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta segunda-feira que o impacto da greve dos caminhoneiros na inflação será temporário, indicando que não afetará o andamento da política monetária.

“O que importa para o Banco Central é o que vai acontecer com a inflação ao longo do ano, o que vai acontecer no ano que vem”, afirmou Ilan durante evento em São Paulo.

“Esses choques muito do dia a dia não são algo que influenciam a política monetária. A política monetária é muito mais resiliente, ela olha muito mais para a inflação do ano, do ano que vem. É uma coisa muito mais de ano do que de dias”, acrescentou.

(Reportagem de Taís Haupt)