Facebook oferece jogos interativos em plataforma de vídeo – Notícias


San Francisco, 20 Jun 2018 (AFP) – Facebook revelou nesta terça-feira que oferecerá uma série de novos formatos para sua plataforma de vídeo, incluindo jogos interativos, pesquisas e concursos.

Os novos formatos estarão disponíveis para criadores de conteúdo de vídeo na rede social, que busca um nicho para competir com Netflix e YouTube, entre outros.

Uma das funções do Facebook permitirá a interatividade, que poderá ser utilizada em jogos e concursos com prêmios em dinheiro.

“Acreditamos que ver vídeos não tem que ser algo passivo, e que muitos tipos de formatos de entretenimento tradicional – desde programas de jogos até séries de telerrealidade e conteúdos baseados em roteiros – podem ser reinventados para ser um centro comunitário”, declarou o Facebook.

Entre as atrações do novo formato está o show “Outside Your Bubble”, da BuzzFeed News, que desafiará os participantes a dar um “passo fora da bolha” e adivinhar o que estão pensando as pessoas em diferentes grupos das redes sociais.

Bear market em criptos, ICOs, Facebook, Google e o G20




Ao que tudo indica, depois da euforia de 2017, podemos estar em meio a um bear market nas criptomoedas. Tivemos diversas notícias nas últimas semanas e …

Nova falha no Facebook tornou pública as postagens de 14 milhões de usuários – 07/06/2018 – Mercado


O Facebook disse nesta quinta-feira (7) que tornou públicas por um erro as mensagens de 14 milhões de usuários durante quatro dias em maio.

“Recentemente detectamos uma falha que automaticamente tornava públicas as mensagens criadas por algumas pessoas”, disse Erin Egan, responsável por temas de privacidade do Facebook. 

Este erro ocorreu enquanto o grupo estava trabalhando em uma nova forma de compartilhar certos elementos do perfil dos usuários, como as fotos. 

O erro afetou a rede de 18 a 27 de maio. O Facebook afirmou ter reparado o problema em 22 de maio, mas precisou de mais cinco dias para que todas as mensagens fossem privadas. 

“Resolvemos este problema e começamos hoje (7) a advertir todas as pessoas afetadas, pedindo que verificassem as mensagens publicadas durante esse tempo”, disse Egan. 

Os cerca de 14 milhões de usuários envolvidos deverão ver ao se conectarem à rede social uma notificação convidando-os a visitar uma outra página onde poderão checar as publicações afetadas pelo erro. 

O problema chega em um momento em que o Facebook está envolvido em vários casos polêmicos relacionados com a segurança dos dados pessoais. 

O grupo tem sido fortemente criticado desde março por ter deixado vazar dados de milhões de usuários para a Cambridge Analytica.

Facebook deu dados de usuários a chinesa considerada risco à segurança dos EUA – 05/06/2018 – Tec


O Facebook compartilha dados de usuários com ao menos quatro empresas de eletrônicos chinesas, uma das quais, a Huawei, considerada pela inteligência americana ameaça à segurança nacional, informou a rede social nesta terça (5).

Os acordos, que existem ao menos desde 2010 e ainda estão em vigor, incluem a Lenovo, a Oppo e a TCL.

A rede social disse que vai romper o contrato com a Huawei, gigante dos equipamentos de comunicações, até o fim da semana.

No domingo (3), reportagem do New York Times revelara que o Facebook compartilhava informações com gigantes da tecnologia como Apple, Amazon e Samsung.

O Facebook permitiu que os fabricantes de aparelhos tivessem acesso a dados sobre os amigos de seus usuários sem o consentimento explícito destes, mesmo depois de ter declarado que essas informações não seriam mais compartilhadas com terceiros.

Alguns fabricantes de aparelhos obtiveram o direito de obter informações pessoais mesmo sobre os amigos de usuários que acreditavam ter bloqueado qualquer compartilhamento, constatou o The New York Times.

O Facebook rejeitou as alegações do jornal e disse que tais informações são rigidamente controladas e amplamente sujeitas a consentimento dos usuários.

Uganda impõe taxa a usuários de WhatsApp e Facebook para ‘coibir fofocas’ – 31/05/2018 – Mercado


O Parlamento de Uganda aprovou uma nova lei que impõe a cobrança de uma taxa de usuários de redes sociais e aplicativos de mensagem.

Serão cobrados 200 shillings (R$ 0,20) por dia de quem usar serviços como Facebook, WhatsApp, Viber e Twitter.

O presidente Yoweri Museveni defendeu a mudança, argumentando que essas plataformas incentivam a disseminação de fofocas.

A medida entrará em vigor em 1º de julho, mas ainda há dúvidas de como será implementada.

DÍVIDA

A lei criou ainda outras taxas, como a cobrança de 1% sobre o valor total de transações financeiras feitas por celular, o que várias organizações civis dizem que afetará os mais pobres, que raramente usam serviços bancários.

O secretário de Estado de Finanças, David Bahati, disse ao Parlamento que isso é necessário para ajudar o país a pagar sua crescente dívida pública.

Especialistas no tema e ao menos um dos principais provedores de internet do país questionaram como uma taxa diária sobre redes sociais e aplicativos de mensagem será aplicada.

O governo tem dificuldade de garantir que todos os cartões SIM sejam registrados. E dos 23,6 milhões de assinantes de planos de telefonia celular, apenas 17 milhões usam a internet, de acordo com agência de notícias Reuters.

Portanto, não está claro como as autoridades conseguirão identificar quem acessa esses serviços.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

O presidente Museveni fez campanha pela lei em março passado, quando divulgou uma carta dizendo que a nova taxa sobre redes sociais e aplicativos de mensagem ajudaria o país a “lidar com as consequências de olugambo [fofocas]”.

Mas ele argumentou que não deveria haver uma taxa sobre planos de dados para celular, porque os considera importantes para fins “educacionais, de pesquisa e de buscas por referências”.

Críticos disseram na época que a lei limitaria a liberdade de expressão. Mas o governo respondeu afirmando que a medida não limitaria o uso da internet.

Os recursos arrecadados serão usados para “manter a segurança do país e ampliar o acesso a eletricidade, para que as pessoas possam disfrutar mais das redes sociais”, segundo as autoridades.

INFORMAÇÕES FALSAS

As redes sociais se tornaram uma ferramenta política importante em Uganda, tanto para o partido do governo quanto para a oposição.

O acesso a essas plataformas foi proibido durante as eleições presidenciais de 2016. O presidente Museveni disse na época que isso foi feito para “impedir que mentiras se espalhassem”.

Outros países da África Oriental estão aprovando leis criticadas por ativistas, que consideram que isso pode afetar a liberdade de expressão.

O governo da Tanzânia, por exemplo, impôs restrições a blogueiros, exigindo que paguem uma taxa e divulguem quem lhes dá apoio financeiro.

No Quênia, uma nova lei contra cibercrimes entrou em vigor no dia 30 de maio. Jornalistas e blogueiros conseguiram na Justiça do país suspender uma medida que veta informações “falsas”, o que eles acreditam ser uma tentativa de amordaçar a mídia independente.

Zuckerberg reconhece "erros" quando o Facebook gira 14



Mark Zuckerberg ofereceu nova autocrítica na segunda-feira, reconhecendo que cometeu numerosos erros na construção da maior rede social do mundo, já que o Facebook marcou o 14º aniversário. "Ao longo dos anos, cometi quase todos os erros que você pode imaginar", disse o co-fundador do Facebook em sua página pessoal. "Eu fiz dezenas de erros técnicos e promoções ruins. Eu confiei no erro […]

Alterando Reações no Facebook Cryptocurrency Ad Ban | Notícia


Os usuários do Facebook não serão mais bombardeados por criptografia, oferta inicial de moedas e anúncios da Bitcoin na plataforma de mídia social.

A empresa instituiu uma proibição total em anúncios de criptografia, ICO ou Bitcoin – citando "produtos e serviços financeiros freqüentemente associados a práticas promocionais enganosas ou enganosas".

Infelizmente, os prestadores legítimos de serviços financeiros também serão pintados com o mesmo pincel, o que efetivamente exclui qualquer publicidade de criptografia ou produtos relacionados no Facebook. [19659002] O anúncio de falha no cumprimento será banido do Facebook e sua plataforma de parceiros Instagram, bem como sua plataforma de publicidade Audience Network.

O diretor de tecnologia de publicidade do Facebook, Rob Leathern disse que a proibição foi "intencionalmente ampla" um esforço para eliminar a publicidade "enganosa e enganosa".

A mídia social reage

Como de costume, um gander no social medi Um cronograma fornece algumas leituras interessantes – com opiniões variadas sobre o último desenvolvimento no espaço de criptografia.

Movimento de publicidade do Facebook foi encontrado com graus variados de ceticismo no Twitter.

O usuário do Twitter Armin van Bitcoin teve uma escavação sutil no fundador do Facebook Mark Zuckerberg, que recentemente fez comentários positivos sobre a tecnologia Blockchain :

Outro usuário simplesmente usou a hashtag #decentralizada quando ele questionou por que o Facebook fez o movimento:

Enquanto isso, Brian Haggerty disse que o movimento do Facebook não tem nada a ver com Bitcoin – enquanto as notícias inevitavelmente levaram a mais medo, incerteza e dúvida.

Omar Bham especulou que o movimento poderia compensar os gostos das maiores receitas publicitárias do Google com o Facebook se recusando a aceitar publicidade de criptografia.

Um usuário disse que o movimento apresentou mais uma oportunidade para as pessoas comprarem Bitcoin à medida que o preço de mercado reagiu ao anúncio.

O primeiro Tweet é provavelmente o mais revelador, pois destaca um grau de hipocrisia do fundador do Facebook Zuckerberg.

No início de janeiro, Zuckerberg disse que estava " interessados ​​em aprofundar e estudar os aspectos positivos e negativos dessas tecnologias e a melhor maneira de usá-las em nossos serviços. "

Os fraudes da OIC anunciados no Facebook podem ter atraído investidores crédulos e é correto parar esses tipos de práticas. Mas uma proibição total também pode punir empresas legítimas que estão fazendo avanços decisivos no desenvolvimento de diferentes aplicativos Blockchain.

Facebook decide banir anúncios sobre criptomoedas


Notícias do Bitcoin Brasil

O Facebook anunciou na noite de ontem, dia 30, que os anúncios de criptomoedas, como Bitcoin, Ethereum e Litecoin, estão banidos de sua plataforma. O argumento apresentado pela empresa é que as ofertas relacionadas ao universo das moedas digitais são frequentemente enganosos ou irreais.

A restrição vale para todas as nações onde a rede social atua e também vale para o Instagram, que pertence à companhia.

A rede social também excluirá Ofertas Iniciais de Moedas (ICOs, na sigla em inglês) e as opções binárias, ativo com dois tipos de retorno: um pagamento pré-estabelecido ou nada, caso o cenário previsto não se concretize.

Em uma postagem publicada na página oficial da organização, o executivo Rob Leathern escreveu:

“Queremos que as pessoas continuem a descobrir e aprender sobre novos serviços com os anúncios do Facebook sem medo de golpes ou decepções. Dito isso, existem muitas empresas que anunciam opções binárias, ICOs e criptografia que não funcionam com o princípio da boa-fé”.

Entre os anúncios que violam a nova política da empresa estão aqueles que falam: “Novo ICO! Compre tokens com desconto de 15%”.

O Banco Central do Brasil e a Comissão de Valores mobiliários consideram as criptomoedas como um aposta de alto risco, contudo ainda não há uma legislação específica para o segmento. Ambas instituições dizem estudar o assunto.

Como a comunidade reagiu

No geral, a notícia foi comemorada tanto pelos usuários do Facebook quanto por entusiastas de moedas digitais, que reconhecem que os anúncios fazem muito pouco para promover os benefícios das criptomoedas e podem aumentar o receio de novatos de serem vítimas de golpes.

Sabe-se que a política de publicidade do Facebook é rígida, porém a proibição pode dificultar a propagação de fraudes, como o Bitconnect, e ajudar o mercado de criptomoedas a se obrigar a encontrar alternativas para impulsionar suas atividades sem apelar para o sentimento de urgência de pessoas que não entendem como o mercado funciona.

Se uma empresa investe em inovação e apresenta um produto digno de investimento, ela sabe que pode alcançar bons resultados dentro ou fora das redes sociais. Tudo depende de análise e uma dose de criatividade para alcançar seu público-alvo com facilidade.

O post Facebook decide banir anúncios sobre criptomoedas apareceu primeiro em Bitcoin Brasil.

Facebook proibirá anúncios de ICO e cripto-ativos



O Diretor da Gerência de Produtos do , Rob Leathern, publicou um em um blog da empresa que a rede social mudará suas diretrizes de publicidade e proibirá todas as propagandas relacionadas à ou outros -ativos.

Queremos que as pessoas continuem a descobrir e aprender sobre novos produtos e serviços através de anúncios do Facebook sem medo de golpes ou decepções. Dito isto, existem muitas empresas que anunciam opções binárias, ICOs e criptografia que atualmente não funcionam de boa fé.

Esta política é intencionalmente ampla enquanto trabalhamos para melhor detectar práticas de publicidade enganosas e enganosas, e a implementação começará a crescer em nossas plataformas, incluindo Facebook, Audience Network e Instagram. Vamos rever essa política e como a aplicamosà medida que nossos sinais melhoram.

O diretor termina dizendo que quer que “as pessoas continuem a descobrir e aprender sobre novos produtos e serviços através de anúncios do Facebook sem medo de golpes ou decepções. Dito isto, existem muitas empresas que anunciam opções binárias, ICOs e cryptocurrencies que atualmente não funcionam de boa fé“.

loading…

Facebook perde anúncios de Bitcoin | Outro capítulo do Nightmare de Bitcoin?


 Facebook destrói anúncios de Bitcoin

Social Media Giant Facebook perde anúncios de Bitcoin e todos os outros relacionados à Cryptocurrency

No que vem como um movimento um pouco surpreendente, o gigante das redes sociais Facebook agora proibiu todos os anúncios que promovem criptografia – incluindo bitcoin e ICOs – para proteger seus usuários de produtos e serviços financeiros enganosos.

 Facebook Proíbe Anúncios de Bitcoin

Fonte: Facebook

Como resultado da nova política do Facebook, ganhamos ' Eu posso ver anúncios com pessoas como "crypto genius" James Altucher que foi destaque na mídia de forma bastante prominente por causa de seu endosso à moeda digital.

Recentemente, o Facebook tem sido um alvo de pesadas críticas para hospedar anúncios duvidosos que buscam promover a criptografia. Alguns desses anúncios podem potencialmente ser associados a golpes que aparentemente são onipresentes na internet agora. Muitos afirmaram que esses anúncios usam "informações falsas" para enganar os investidores para colocar dinheiro em "ofertas de moedas iniciais" .

>> BitConnect oficialmente desliga – Ponzi Scheme Confirmado?

O Facebook certamente não é a única plataforma para hospedar promoções fraudulentas.

Recentemente, alguns investidores foram enganados na compra de uma moeda digital supostamente promovida por [McLeptedeJohnMcAfee – fundadora da firma de segurança cibernética McAfee – através da sua "conta oficial do Twitter" apenas para descobrir mais tarde, o "tweet" que eles viram foi realmente enviado de uma conta falsa do Twitter com um identificador do Twitter quase idêntico ao oficial de McAfee.

Esta foi apenas uma das inúmeras casos em que as pessoas se enganaram comprando cryptocurrencies e se tornaram vítimas de tais regimes nos últimos meses.

>> Os nigerianos estão usando uma abordagem antiga para vencer os golpes de Bitcoin

Na sua última postagem no blog o Facebook forneceu a seguinte declaração :

" Queremos que as pessoas continuem a descobrir e aprender sobre novos produtos e serviços através de anúncios do Facebook sem medo de golpes ou decepções. Dito isto, existem muitas empresas que anunciam opções binárias, ICOs e criptografia que atualmente não funcionam de boa fé. "

O anúncio de hoje marca outro passo crítico no caminho do Facebook para limpar sua plataforma. Nas últimas semanas, o Facebook já fez mudanças significativas para o News Feed, com o objetivo de filtrar fontes de notícias não confiáveis, ao mesmo tempo que impulsionam os locais de notícias locais e postagens de amigos e familiares.

O tempo vai dizer o quão eficaz é o Facebook nova política será proteger seus usuários de mais fraudes em criptografia, mas esta é definitivamente uma boa notícia para o público do Facebook.

Foto em destaque: Twitter

Se você gostou deste artigo, clique para compartilhar