Tailândia espera aprovar cinco projetos da OIC em 50


 A Tailândia espera aprovar cinco projetos da OIC de 50 "title =" A Tailândia espera aprovar cinco projetos da OIC em 50 "/> </a></div>
</p></div>
<p>              </p>
</p></div>
<p><strong> Espera-se que o regulador financeiro tailandês aprove cinco projetos da OIC assim que o novo marco regulatório entrar em vigor este mês. Dos 50 projetos da OIC no país, apenas cinco satisfazem as exigências de registro estabelecidas pelo órgão regulador nesta semana. </strong></p>
<p><em><strong> Também se lê: <a href= Yahoo! O Japão confirma a entrada no espaço criptográfico

Cinco projetos da OIC devem ser aprovados

 A Tailândia espera aprovar cinco projetos da OIC entre 50 Espera-se que a Comissão Tailandesa de Valores Mobiliários (SEC) aprove cinco ofertas iniciais de moedas (ICO) projetos, uma vez que a lei para regular cryptocurrencies e ICOs entra em vigor, de acordo com o Bangkok Post. A Comissão aprovou os regulamentos relevantes no início desta semana e espera que eles se tornem lei até o final do mês, como a news.Bitcoin.com relatou

. </p>
<p> Embora a SEC não tenha revelado quais projetos da OIC ser aprovado, Thawatchai Kiatkwankul, diretor de finanças corporativas da Comissão no departamento de ações, foi citado pela agência de notícias: </p>
<blockquote class=

Dos 50 projetos da OIC esperando levantar fundos do mercado de capitais da Tailândia, cinco estão prontos como piloto inicial

O anúncio segue duas ICOs recentemente lançadas na Tailândia: Jfin Coin pela subsidiária da Jay Mart Plc, J Ventures Limited, e tokens ZMN pela Zmine Holdings

Novas ICOs esperadas no terceiro trimestre

] Antes que a lei entre em vigor, o regulador colocou freios em todas as novas OICs. No entanto, “empresas alavancadas anteriormente ainda são capazes de fazer transações como normais, já que a lei não se aplica retroativamente”, explicou Krungthep Turakij.

 A Tailândia espera aprovar cinco projetos da OIC em 50
. Tipsuda Thavaramara

Tipsuda Thavaramara, vice-secretário-geral da SEC tailandesa encarregado dos Grupos de Política e Finanças Corporativas, disse nesta semana que um emissor da OIC deve primeiro obter a aprovação do portal da OIC que deseja listar, descreveu Prachachat Turakij. Os portais da OIC agem como consultores financeiros para os emissores, certificando-se de que todas as regras do "know-your-customer" (KYC) sejam seguidas. Depois de obter a aprovação do portal da OIC, a SEC levará cerca de dois meses para revisar a OIC antes de aprová-la.

As empresas que desejam emitir tokens devem atender a vários critérios definidos pela SEC. Para começar, eles devem ter capital registrado de pelo menos 5 milhões de baht (US $ 156.625).

Os investidores de varejo só podem investir até 300.000 baht (~ US $ 9.343) por projeto da OIC ou não mais do que 70% do valor total. tokens oferecidos, como reportado pela news.Bitcoin.com . Os limites não existem para investidores institucionais e de patrimônio líquido ultra elevado.

Planos Futuros da SEC Tailandesa para ICOs

Sr. Thawatchai Kiatkwankul acrescentou que, no futuro, a Comissão "está se preparando para expandir e combinar sua unidade de registro de OICs com ofertas públicas iniciais (IPOs)", comunicou o Bangkok Post. Citando que os projetos da OIC têm potencial de crescimento, ele observou que a SEC trabalhará com os portais da OIC para examinar potenciais fraudes.

A publicação elaborou, com referência ao diretor:

Regras e regulamentos relacionados a transações e investimentos em ativos digitais poderia ser facilitada, dado que os participantes do mercado são mais instruídos sobre o investimento em ativos digitais e a concorrência doméstica está em igualdade com outros mercados de ativos digitais.

O que você acha das políticas da Tailândia sobre ICOs? Deixe-nos saber na seção de comentários abaixo


Imagens cedidas pela Shutterstock e pela SEC tailandesa


Precisa calcular suas participações em bitcoins? Verifique nossa ferramentas seção.

Dólar tem leve queda ante real com BC e à espera de Fed – Notícias


Por Claudia Violante

SÃO PAULO (Reuters) – O dólar tinha leve queda ante o real nesta quarta-feira após o Banco Central atuar mais forte no mercado, mas com os investidores mantendo a cautela antes da reunião de política monetária do Federal Reserve à espera de pistas sobre a trajetória dos juros nos Estados Unidos neste ano.

Às 12:11, o dólar recuava 0,17 por cento, a 3,7013 reais na venda, depois de cair 0,52 por cento na véspera. Na mínima do dia, a moeda norte-americana foi a 3,6877 reais e, na máxima, a 3,7222 reais. O dólar futuro recuava cerca de 0,5 por cento.

“Para esta reunião (do Fed), espera-se que a dissidência dê o tom da quantidade de movimentos (de juros) neste ano e, neste ponto, o BC se mantém atento, inclusive com a atuação mais forte no câmbio”, escreveu o economista-chefe da gestora Infinity Asset, Jason Vieira.

As apostas são de que o Fed elevará sua taxa de juros nesta tarde pela segunda vez neste ano. Mas os investidores estarão mais atentos ao comunicado da decisão e à entrevista que o chair da instituição, Jerome Powell, dará em seguida atrás de indicações sobre os próximos passos.

O mercado estava dividido entre três ou quatro altas de juros pelo Fed neste ano ao todo, em meio a sinais de melhor desempenho econômico que os Estados Unidos têm dado. Taxas mais altas têm potencial para atrair à maior economia do mundo recursos aplicados em outras praças financeiras.

A decisão do Fed será divulgada às 15h (horário de Brasília).

A ação do BC brasileiro nos mercados também dava o tom desta sessão. Na semana passada, o BC informou que injetaria 20 bilhões de dólares até esta sexta-feira por meio de novos swaps cambiais, além dos 750 milhões de dólares que já vinha ofertando diariamente, para dar liquidez ao mercado.

Nesta manhã, o BC já fez um leilão de 40 mil novos swaps, equivalentes à venda futura de dólares, vendidos integralmente. No início da tarde, anunciou outro leilão de 30 mil novos swaps, e também vendeu tudo. Neste mês até agora, já injetou 19,616 bilhões de dólares em novos swaps.

“Temos o suspense com a atuação do BC no câmbio via swaps”, escreveu a corretora H.Commcor em relatório. “Mais da metade do montante ficou guardada para este momento de Fed e eventuais efeitos do que conhecermos hoje”.

Também vendeu a oferta integral de até 8.800 swaps cambiais tradicionais para rolagem, já somando 3,960 bilhões de dólares do total de 8,762 bilhões de dólares que vence em julho. Se mantiver esse volume até o final do mês, fará rolagem integral.

Além do turismo, Rússia espera poucos benefícios com a Copa do Mundo – Notícias


Moscou, 9 Jun 2018 (AFP) – Entre as barracas de bugigangas do principal mercado de souvenirs de Moscou, o vendedor Alexandre espera sem entusiasmo a chegada de diversos aficionados durante a Copa do Mundo, cujos benefícios econômicos não prometem ser generosos.

“Poderia se pensar que a Copa será uma boa oportunidade para vender souvernirs, mas não para nós”, lamenta o comerciante do mercado Izmailovski que, como outras feiras ao ar livre, ficará fechado durante a competição devido às medidas antiterroristas.

Embora a chegada de milhares de boleiros prometer encher restaurantes e hotéis, não parece que o evento vá ter efeitos duradouros para a economia russa, cujo crescimento deveria se situar entre 1,5% e 2% nos próximos anos.

A consultoria McKinsey estimou em cerca de 15 bilhões de dólares o aporte da Copa do Mundo ao Produto Interno Bruto (PIB) russo, “superando o impacto de campeonatos similares no Brasil, África do Sul, Alemanha e Coreia do Sul, e situando a Rússia no segundo lugar, atrás do Japão”.

Essa quantidade é sobretudo resultado de investimentos em estádios e infraestruturas de transporte que, divididos nos seis anos de preparação, geram impacto inferior a 0,2% do PIB da Rússia e não permitiram ao país evitar uma recessão em 2015 e 2016.

– Consequências escassas -“A Copa do Mundo durará apenas um mês, e o impulso econômico que vai gerar terá pouco impacto em relação a toda a economia russa, que pesa 1,3 trilhão de dólares”, explica Kristin Lindow, analista da agência de classificação financeira Moody’s.

“Não esperamos que a Copa do Mundo contribua significativamente para o crescimento econômico”, acrescenta.

O estudo da McKinsey prevê, no entanto, um efeito positivo para o turismo nos próximos cinco anos.

“Acho que a Copa do Mundo aumentará o turismo em 10% em Moscou”, ampliando em cerca de 250 milhões de dólares a receita anual de impostos da cidade, disse recentemente o prefeito da capital, Sergei Sobyanin, à emissora RBK.

“Organizar a Copa do Mundo não garante um aumento significativo no número de turistas”, afirma Igor Nikolayev, diretor do Instituto de Análise Estratégica FBK em Moscou, em entrevista à AFP.

O economista cita como exemplo as Olimpíadas de Inverno de Sochi em 2014. O número de turistas estrangeiros aumentou em 1,5 milhão no ano seguinte (+4%), mas caiu em 9 milhões em 2016, segundo dados da ONU.

Em um contexto de fortes tensões entre Moscou e países ocidentais desde a anexação da Crimeia e o conflito separatista no leste da Ucrânia, a Rússia sofre com um problema de imagem.

– ‘Bater recordes’ -A Rússia poderia receber 600 mil visitantes estrangeiros durante a Copa do Mundo, segundo os organizadores, ou até 1 milhão, segundo a agência federal de turismo.

Essas previsões são muito baixas em comparação com os 24,6 milhões de turistas que viajaram ao país em 2016, e até o 1,6 milhão que foi à Rússia para os Jogos de Sochi.

Espera-se, no entanto, que os hotéis e restaurantes das cidades-sede sejam ocupados por estrangeiros e pelos cerca de 700 mil russos esperados nas partidas.

Para atraí-los, as lojas lançam mão de todo tipo de atração, como o restaurante Didu, no centro de Moscou. “Nós instalamos um gol, bandeiras, uma tela gigante (…) sem aumentar os preços”, explica Maxime Zajarov, proprietário do estabelecimento.

Os guias turísticos também vão ter trabalho. É o caso de Viacheslav Jolopov, da agência Moscow Private Tours, que tem a maioria de suas visitas guiadas reservadas e prevê “bater recordes” neste ano, com quase 50% a mais de atividade que de costume.

A plataforma de aluguel de imóveis Airbnb afirma que cerca de 177 pessoas buscaram acomodações em seu site.

Embora a empresa não comunique dados sobre os preços, a AFP comprovou que as quantidades cobradas na plataforma e no site de reservas hoteleiras Booking eram de duas a três vezes superiores às de maio.

Gol inaugura ‘Portão Hexa’ em Congonhas à espera da Copa – Notícias


O passageiro que embarcou – ou desembarcou – no portão 6 do aeroporto de Congonhas a partir desta quinta-feira (7) vai notar que a Copa do Mundo está chegando.

A Gol, companhia aérea que desde 2013 é a transportadora oficial da seleção, inaugurou no seu principal hub doméstico o “Portão Hexa”, com decoração especial no finger que inclui piso que imita gramado, painéis com fotos históricas e hino nacional no alto-falante. Os campeões do mundo Rivellino (1970) e Marcos (2002) participaram da cerimônia.

O primeiro voo a partir do portão, com destino ao Santos Dumont, no Rio, teve a numeração alterada para 2018, encerrando o projeto da Gol que numerou voos com os anos dos títulos do Brasil em Copas do Mundo – 1958, 1962, 1970, 1994 e 2002.

O presidente da Gol, Paulo Kakinoff, afirmou que este segundo trimestre consolida as mudanças da “nova Gol”, como a companhia chama o processo de renovação pelo qual passa desde o ano passado.

“Teremos a conclusão da atualização de todas as aeronaves para o interior da nova Gol, com bancos de couro e tomadas USB em todos os assentos. Hoje, 90% da frota já está com esse padrão”, afirmou Kakinoff. Ele lembrou que, durante a Copa, os voos da companhia terão TV ao vivo.

Kakinoff disse ainda que até o fim do ano a Gol apresentará um novo aplicativo, mais intuitivo, que vai oferecer voos ao usuário com base no compartilhamento de informações com outros aplicativos como calendário.

A aérea, que fechou abril com 34% de participação no mercado doméstico, pouco à frente da Latam (32%), se prepara para a chegada do novo Boeing 737 MAX 8 – será a primeira companhia brasileira a operar o jato.

Ele será utilizado a partir de outubro na retomada de duas rotas internacionais – Miami e Orlando – que haviam sido suspensas pela Gol em 2016, no auge da crise econômica.

Os voos sairão de Brasília e Fortaleza, o novo hub da companhia em parceria com Air France e KLM, que inauguraram em maio voos diretos da capital cearense para Paris e Amsterdã, respectivamente.

A encomenda da Gol junto à Boeing é de 120 aeronaves, com entrega prevista até 2028 – 25 delas entre 2018 e 2020.

Vale lembrar que, apesar de ser a transportadora oficial da seleção, não foi um Boeing da Gol que levou os jogadores e equipe técnica para a Inglaterra, onde a seleção tem dois amistosos antes da Copa da Rússia.

Como a companhia brasileira não voa para Londres, a CBF fretou um Airbus A340 da companhia AirX Charter, sediada na pequena ilha europeia de Malta, para levar os jogadores e equipe técnica até o Reino Unido.

Nesse voo, realizado no último dia 28, a Gol forneceu itens personalizados como máscaras de dormir e travesseiros.

Governo espera arrecadar R$ 3,2 bi com licitação de áreas do pré-sal – Notícias


A quarta rodada de licitação de áreas exploratórias do pré-sal deve gerar, no mínimo, R$ 3,2 bilhões aos cofres públicos. A expectativa é do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética), que se reuniu nesta terça-feira (5), em Brasília, e, entre outras decisões, propôs a realização da 17ª e da 18ª Rodadas de Licitações de campos de petróleo, na modalidade de concessão, em 2020 e 2021, respectivamente.

A 4º Rodada de Partilha de Produção está agendada para ocorrer nesta quinta-feira (7), no Rio de Janeiro. Serão ofertadas as áreas denominadas Itaimbezinho, Três Marias, Dois Irmãos e Uirapuru, nas bacias de Campos e Santos.

Estão habilitados a participar do certame 16 grupos –um recorde, segundo a ANP (Agência Nacional de Petróleo). A Petrobras exerceu o direito de preferência em três áreas, de Dois Irmãos, Três Marias e Uirapuru.

O bloco de Saturno também seria licitado esta semana, mas, por recomendação do TCU (Tribunal de Contas da União), a área acabou inclusa na 5ª rodada, prevista para acontecer no dia 28 de setembro, data que ainda precisa ser aprovada pela Presidência da República.

Além de Saturno, no próximo certame também serão ofertados os blocos denominados Titã, Pau-Brasil e Sudoeste de Tartaruga Verde, localizados nas bacias de Campos e Santos.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, as rodadas de licitações de blocos exploratórios são o principal meio de acesso das empresas petroleiras às áreas estratégicas do pré-sal e tem grande importância para o fortalecimento da indústria petrolífera brasileira.

Pré-sal produz mais da metade do petróleo nacional

Somente em abril desse ano, a produção do pré-sal aumentou 2,3% em relação ao mês anterior, correspondendo a 54,4% de todo o petróleo e gás produzido no país.

Foram produzidos 1,423 milhão de barris de petróleo por dia e 58 milhões de metros cúbicos diários de gás natural. O campo de Lula, na Bacia de Santos, foi o maior produtor de petróleo e gás natural, produzindo, em média, 898 mil bbl/d de petróleo e 38 milhões de m3/d de gás natural.

RenovaBio

Os conselheiros do CNPE também encaminharam à aprovação da Presidência da República a proposta de que as metas compulsórias anuais de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa para a comercialização de combustíveis sofram um corte de 10%.

Se aprovada, a proposta resultará na retirada de 600 milhões de toneladas de carbono da atmosfera até 2028, de acordo com os cálculos do Ministério de Minas e Energia.

Ainda segundo a pasta, a definição das metas de descarbonização da Política Nacional dos Biocombustíveis (RenovaBio) indica a disposição do país de “buscar um caminho cada vez mais sustentável em sua matriz de combustíveis, proporcionando menor emissão de gases de efeito estufa por unidade de energia”.

A medida também estimulará a produção de combustíveis mais eficientes.

Brad Garlinghouse, CEO da Ripple, espera que os mercados da Altcoin sejam desacoplados da Bitcoin – The Merkle



Junte-se a nós

Não leia apenas o conteúdo, envie seu próprio e participe, tornando-se um membro gratuito. Ao se registrar você desbloqueia privilégios especiais reservados para membros como …

  • Envie conteúdo para que outros votem
  • Vote em artigos que lhe interessam
  • Grave seus artigos favoritos no seu perfil
  • Veja sua atividade de voto e comentários do seu perfil

Jovens empreendedores constroem nova Cuba à espera da substituição de poder – Notícias


Sara Gómez Armas.

Havana, 10 fev (EFE).- Cuba encara em 2018 uma esperada transição política que a levará a um novo presidente, ainda que o país já viva profundas mudanças há oito anos, como o nascimento de uma classe empreendedora que construiu uma nova paisagem econômica e social, mas que atravessa momentos de incerteza.

Edifícios em ruínas de Havana se tornaram elegantes restaurantes e modernos hotéis privados, mas pelas mãos de jovens empreendedores também floresceram negócios inovadores como web designing e organização de eventos.

Foi uma mudança gradual que começou em outubro de 2010, quando o presidente Raúl Castro abriu o setor privado ao aumentar o número de profissões para desenvolver o trabalho autônomo, iniciativa que já soma 567.982 empreendedores, 12% da força de trabalho.

Um terço deles são jovens, como Marta Deus, de 29 anos, que em 2013 lançou junto com sua melhor amiga a empresa Deus Expertos Contables, que presta serviços de assessoria e contabilidade a outros empreendedores.

“Havia muita desinformação porque não tínhamos uma cultura de negócios em Cuba. Muita gente estava muito perdida sobre como obter a licença, como pagar impostos e o que declarar”, contou à Agência Efe Marta nos escritórios da sua firma, onde já trabalham cinco pessoas.

Marta é uma empreendedora nata que também lançou a Mandao Express, um serviço de correio, e a revista “Negolution”, na qual são narradas as histórias de outros autônomos.

“Acredito que foi um setor que mudou a sociedade cubana, trouxe qualidade e bom serviço (…). Foi uma revolução na nossa sociedade”, indicou.

No entanto, o setor privado vive momentos difíceis desde agosto, quando o governo cubano suspendeu temporariamente a concessão das licenças mais cobiçadas, como restaurantes e aluguéis turísticos, para “corrigir irregularidades”.

Seis meses depois, o setor segue paralisado e um sentimento de pessimismo e preocupação vem crescendo entre os empreendedores, “à espera de um novo regulamento que não se sabe como será”, afirmou Marta.

É provável que essa nova medida não chegue até depois de abril, quando será eleito um novo presidente, cargo que possivelmente será ocupado pelo “número dois” do governo, Miguel Díaz-Canel, de 57 anos, que aposta no continuísmo.

“Eu acredito que ter alguém mais jovem pode ser bom para entender os benefícios do setor privado, mas a maioria das pessoas opina que tudo seguirá a mesma linha”, apontou Marta, que reconhece as “mudanças positivas” a partir das reformas de Raúl Castro.

Aproveitando esse novo “marco legal”, a designer cubana Idania del Río, de 36 anos, se associou à espanhola Leire Fernández, de 41, para abrir a Clandestina, uma loja que deu um ar de modernidade à velha Havana.

“Às vezes não nos damos conta de quanto as coisas mudaram. Há uma economia nova”, indicou Idania, ainda que tenha lamentado a forte desaceleração que a chegada de Donald Trump representou a essa “dinâmica positiva” na ilha, impulsionada também pela reaproximação com os Estados Unidos.

Emnível interno, Leire considerou que “Cuba segue avançando”, ainda que os tempos sejam diferentes do resto do mundo: “Foram quase 60 anos a um ritmo muito lento e nestes últimos três anos as coisas têm se movido depressa”.

“Nosso objetivo não é outro a não ser gerar talento, gerar ideias e gerar emprego”, acrescentou a espanhola sobre o papel que o setor privado pode desempenhar na ilha.

Há alguns meses, a Clandestina abriu caminho na internet e já vende suas camisetas, bolsas e acessórios com os designs criados por Idania em outros países, como EUA, Cingapura e Nova Zelândia.

“Foi um passo tremendo. Tem um impacto muito profundo porque uma das barreiras do talento cubano é justamente como sair para o mundo”, explicou Idania.

Em pouco mais de dois anos, Cuba passou de estar praticamente desconectada a ter mais de mil zonas de wi-fi públicas, permitir internet nas residências e planeja oferecer este ano conexão móvel, uma pequena revolução digital que foi crucial para o surgimento de negócios vinculados ao mundo virtual.

É o caso do Gerbet, projeto do informático Gerardo Rodríguez, de 31 anos, que após quatro anos trabalhando em uma empresa estrangeira lançou seu negócio que oferece serviços de desenvolvimento de sites, marketing digital e design de marcas a outros empreendedores.

“Foi um salto no vazio”, reconhece Gerardo, que viveu meses de incerteza até que conseguiu seu primeiro cliente um mês antes de ficar sem economias.

O setor privado foi uma saída viável para muitos jovens qualificados como Gerardo e contribuiu para mitigar a fuga de cérebros que sofria a ilha.

“O fato de agora qualquer pessoa poder ter o seu próprio projeto erguido com o seu próprio esforço é um incentivo para ficar no país”, disse Gerardo.

Berkeley espera lidar com o sem-teto com sua própria criptografia



Em um esforço para enfiá-lo ao homem e reduzir sua dependência do financiamento federal sob a administração Trump, a cidade de Berkeley planeja emitir sua própria cryptocurrency. "Oferta comunitária inicial" A cidade de Berkeley pretende tornar-se a primeira cidade dos EUA a ter seu próprio ecossistema de criptografia, em que moedas ou tokens apoiados por títulos municipais podem ser usados ​​como moeda legal em lojas e restaurantes, pagar aluguel ou como doações
Leia mais
O post Berkeley espera lidar com o sem-teto com sua própria Cryptocurrency apareceu primeiro no Bitcoinist.com.

O Banco Central Europeu ‘espera’ foco em cripto regula… | News


O Banco Central Europeu (BCE) diz que “espera” que a regulamentação das criptomoedas seja um tema de alta importância na agenda da Cúpula do G20, em Buenos Aires, em março.

Em comentários em um evento durante o Fórum Econômico Mundial de 2018 em Davos, o membro do conselho da ECB, Benoit Coeure, adicionou mais peso ao voto do ministro da Economia da França, Brune Le Maire, para fazer do Bitcoin um tópico no fórum político.

A comunidade internacional está … preparando uma resposta para isso e espero, por exemplo, uma discussão do G20 em Buenos Aires em março para se concentrar muito nessas questões“, disse Coeure citado pela Reuters.

O Le Maire já havia manifestado o desejo de ter uma regulamentação do Bitcoin na agenda do G20, com diversas entidades repetindo chamadas para um esforço regulatório internacional nas criptomoedas durante o WEF.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, e o secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, manifestaram a necessidade de consolidar os pontos de vista, enquanto o ex-secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, disse ao Cointelegraph que a tecnologia “tem valor ” e, assim, as pessoas falam sobre isso.

Em outros países da Europa, o vice-governador do banco central da Suécia deixou de pedir um maior controle de criptomoedas, dizendo no WEF que “não atendem aos critérios para se chamar dinheiro.”

Eles podem ser chamados de um bem, mas não são uma versão muito boa do dinheiro porque não é uma fonte de valor muito estável, variam muito“, ela continuou adotando uma narrativa frequente sobre o uso do Bitcoin. “E não é um meio de troca muito eficiente porque você não compra seus mantimentos com bitcoin.”

Goldman espera tom mais agressivo no próximo comunicado do Fed – Notícias


(Bloomberg) — Longe de ser um não evento, a próxima reunião do banco central dos EUA deve ser marcada por uma leve inclinação de linguagem para uma postura mais agressiva, segundo o Goldman Sachs Group. Também será o último encontro do Federal Reserve com Janet Yellen na presidência.

“Esperamos que o comitê de política monetária (FOMC) divulgue um comunicado após a reunião com tom geralmente otimista que inclua uma atualização do balanço de riscos e reformulação do palavreado para uma avaliação mais agressiva da inflação”, escreveram economistas do Goldman, incluindo Jan Hatzius, em relatório no sábado. “Juntando tudo isso, acreditamos que o tom do comunicado será consistente com elevação na reunião de março, a não ser que ocorra enfraquecimento acentuado das condições econômicas.”

A inflação permanece abaixo da meta, mas algumas métricas de variação de preços se firmaram recentemente e “achamos que muitos integrantes do comitê verão a retomada do núcleo da inflação nos últimos meses como evidência adicional de que o resultado abaixo do previsto no ano passado refletiu principalmente fatores temporários e idiossincráticos”, segundo o relatório.

Os economistas também entendem que a qualificação dos riscos à perspectiva econômica será alterada de “praticamente equilibrados” para “equilibrados”.

“A nosso ver, a expressão ‘praticamente equilibrados’ no comunicado de dezembro já estava um pouco passada, particularmente quando interpretada no contexto do comentário otimista sobre crescimento e avaliação de riscos na ata”, afirmaram os economistas. “Declarações desde aquela reunião fortalecem a justificativa de uma atualização e, pelas nossas contas, pelo menos metade do comitê fez referências recentes a riscos de o crescimento superar expectativas.”

No entanto, os economistas do banco acreditam que pelo menos uma parte do comunicado permanecerá inalterada: “Esperamos que fique a expressão de que eles estarão ‘monitorando de perto’ a inflação”, afirmaram.