Cerca de R$ 15 bi devem entrar na economia com PIS/Pasep, diz ministro do Planejamento – Notícias


BRASÍLIA, 14 Jun (Reuters) – Do total de cerca de R$ 34,3 bilhões que estão disponíveis para saques do PIS/Pasep para todos que trabalharam entre 1971 e 1988, apenas R$ 15 bilhões deverão mesmo entrar na economia, afirmou nesta quinta-feira (14) o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, em entrevista à NBR.

Na véspera, o governo ampliou os saques do PIS/Pasep para todos que trabalharam entre 1971 e 1988, disponibilizando ao todo R$ 39,3 bilhões (dos quais R$ 5 bilhões já foram sacados), que poderiam representar, de acordo Colnago, impacto positivo de 0,50 ponto percentual do PIB (Produto Interno Bruto).

“Nós temos R$ 34,3 bilhões que podem ser sacados, são 25 milhões de cotistas”, afirmou o ministro. “Nós gostaríamos que os R$ 34 bilhões fossem sacados, mas temos uma estimativa prudente que em torno de R$ 15 bilhões sejam sacados”, acrescentou ele.

A investida do governo vem em meio à perda de força da economia neste ano, abalada pela falta de confiança dos agentes econômicos e potencializada pela greve dos caminhoneiros no final de maio. De modo geral, as previsões de expansão do PIB em 2018 foram reduzidas para menos de 2%, depois de rondarem 3% poucos meses atrás.

No ano passado, o governo havia tomado medida semelhante, liberando saques das contas inativas do FGTS, que somaram R$ 44 bilhões e ajudaram a dar algum ímpeto à economia após dois anos de profunda recessão. Em agosto do ano passado, o Planejamento estimava o impacto dos saques do FGTS no PIB de 2017 em 0,6 ponto percentual.

“A economia vinha ganhando tração no primeiro trimestre, tivemos o incidente dos caminhoneiros e agora a gente precisa retomar esse crescimento”, completou o ministro.

Por que o Brasil ainda não conseguiu entrar na OCDE, o clube dos países ricos – Notícias


O Brasil solicitou adesão à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) há um ano e, na época, a expectativa era de que o pedido de candidatura fosse aprovado rapidamente. O país é “parceiro-chave” da organização, conhecida como “clube dos ricos”, desde 2007.

Mas desde então, os trâmites empacaram por falta de acordo entre os países membros. Um dos principais empecilhos seria a posição do governo americano, que reluta em permitir a entrada simultânea de vários novos postulantes e quer que a Argentina tenha preferência.

Uma nova oportunidade de avanço na questão foi perdida na semana passada: a reunião ministerial anual, o evento mais importante da OCDE, que não tomou decisão sobre o assunto.

Atualmente, além do Brasil, cinco países aguardam uma decisão sobre pedidos de adesão à OCDE: Argentina, Peru, Croácia, Bulgária e Romênia. O Brasil foi o último a solicitar o ingresso.

Os Estados Unidos não concordariam com a entrada de seis novos membros ao mesmo tempo, alegando que a análise de vários pedidos simultâneos atrapalharia o funcionamento da organização.

O presidente americano, Donald Trump, manifestou apoio à candidatura da Argentina, que solicitou o ingresso um ano antes do Brasil, e defenderia que a nova rodada de ampliação da organização começasse por esse país.

“Há diferentes visões de como se deve proceder. Há uma visão dos Estados Unidos, de que seis (países) ao mesmo tempo é muito. Outros países acham que os seis pedidos deveriam começar juntos”, disse à BBC Brasil Carlos Márcio Cozendey, embaixador brasileiro na OCDE. “Muitos países têm nos apoiado, mas ainda não há uma decisão (sobre o Brasil).”

Uma decisão americana sobre o apoio à adesão do Brasil poderia vir só após a eleição presidencial brasileira. A missão dos Estados Unidos na OCDE não respondeu às perguntas da BBC Brasil até o fechamento desta reportagem.

‘Calendário de adesão’

No encontro anual, que reuniu ministros e líderes dos países membros, entre quarta e quinta-feira da última semana, em Paris, havia a expectativa de que fosse aprovado um “calendário” estabelecendo uma ordem de análise dos pedidos de candidatura, que muito provavelmente começaria pela Argentina.

Aguardava-se a criação de um prazo para lançar oficialmente as seis candidaturas – ou pelo menos para alguns iniciarem o processo de adesão, deixando os outros de lado para serem discutidos no futuro.

Porém, não houve decisão alguma. No encontro final de autoridades dos países membros, um café da manhã na quinta-feira, o assunto teria sido comentado superficialmente em razão da falta de acordo.

Além disso, a reunião ministerial acabou sendo dominada pela decisão do governo dos Estados Unidos de sobretaxar o aço e alumínio da União Europeia, do México e Canadá, anunciada em Paris pelo secretário americano do Comércio, Wilbur Ross, que participou do evento da OCDE.

Na véspera do último encontro de autoridades, o secretário-geral da OCDE, José Gurría, disse à BBC Brasil que estavam sendo discutidas “diversas possibilidades” sobre os pedidos de candidatura. Disse ainda que esperava “iniciar um processo nos próximos dias” para o Brasil, ressaltando que isso dependia dos países membros, ou seja, de avanços na reunião, o que não ocorreu.

O secretário-geral da OCDE é um árduo defensor do ingresso do Brasil na organização. Há um ano, ele havia estimado que a candidatura do Brasil não deveria ter problemas para ser aprovada e chegou a indicar que uma decisão seria tomada em 12 de julho de 2017, ou seja, pouco mais de um mês após o pedido do governo brasileiro.

A partir da aprovação da candidatura, são lançadas as negociações para o ingresso, com um “mapa da estrada” que aponta o que país precisa fazer para corresponder às regras da organização, processo que geralmente leva três anos.

Gurría havia estimado no ano passado que a análise do pedido de adesão do Brasil seria rápida, em razão da longa cooperação entre o país e a OCDE, iniciada nos anos 90 e reforçada em 2007, quando o Brasil ganhou o status de “parceiro-chave” da organização.

O peso econômico do Brasil na América Latina também seria um fator que poderia acelerar o processo de adesão, na avaliação de Gurría.

Novos membros

A OCDE é conhecida como o “clube dos ricos”. O presidente francês, Emmanuel Macron, ressaltou esse aspecto em seu discurso de abertura da reunião ministerial ao afirmar que a organização reúne “as nações mais avançadas do mundo”.

Mas, nos últimos anos, países como Letônia, um dos mais pobres da Europa, Turquia e, mais recentemente, Colômbia se tornaram membros da OCDE.

Já são 37 os países membros. A Costa Rica, cuja candidatura foi aprovada em 2015, está em processo de adesão e provavelmente será o 38° membro.

Os defensores da iniciativa brasileira argumentam que a adesão à OCDE pode favorecer investimentos internacionais e as exportações, aumentar a confiança dos investidores e das empresas e ainda melhorar a imagem do país no exterior, favorecendo o diálogo com economias desenvolvidas.

No caso de países emergentes, a entrada na OCDE pode possibilitar também a captação de recursos no exterior a taxas de juros menores.

Enquanto aguarda uma decisão sobre sua candidatura à OCDE, o Brasil “continua o trabalho de aproximação com a organização”, diz o embaixador Cozendey.

Dos 238 instrumentos normativos da OCDE ao qual um país deve aderir para se tornar membro, o Brasil assinou 39 e pediu para aderir a outros cerca de 70. “São resoluções que podemos aderir imediatamente porque já cumprimos”, diz Cozendey.

Diferentemente dos anos anteriores, nenhum ministro brasileiro participou da reunião anual da OCDE. Participaram apenas o subsecretário de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, Ronaldo Costa Filho, e do subchefe de Políticas Governamentais da Casa Civil, Marcelo Guaranys.

O Brasil não teria enviado ministros justamente para evitar a presença de autoridades em caso de decisão desfavorável ao país na reunião ministerial, segundo fontes ouvidas pela BBC Brasil.

Coinbase revela planos para entrar no mercado japonês


 Coinbase revela planos para entrar no mercado japonês "title =" Coinbase revela planos para entrar no mercado japonês "/> </a></div>
</p></div>
<p>                 Exchanges<br />
              </p>
</p></div>
<p><strong> Uma das maiores empresas de criptomoedas dos EUA, a Coinbase, revelou seus planos de entrar no mercado japonês para “acelerar a adoção global da criptomoeda”. A empresa está em conversações com o regulador financeiro do país para garantir a conformidade. 19659004] Leia também: <a href= Yahoo! Japão confirma entrada no espaço Crypto

Coinbase abre escritório no Japão

A Coinbase anunciou na segunda-feira, 4 de junho, seu plano para entrar no mercado japonês. O vice-presidente e gerente geral Dan Romero escreveu:

Como parte do nosso esforço para acelerar a adoção global da criptomoeda, hoje estamos anunciando o lançamento do escritório da Coinbase no Japão … planejamos adotar uma abordagem deliberada para nossa implementação no Japão , o que significa trabalhar lado a lado com o japonês FSA [Financial Services Agency] para garantir o cumprimento das leis locais em todas as fases.

 Coinbase revela planos para entrar no mercado japonês Atualmente operando em 32 países, a Coinbase alega ter mais de 20 milhões de clientes. "Nós suportamos moedas de USD, EUR, GBP, CAD e BTC para negociação", afirma seu website. Além do Japão, o único outro país asiático em que a empresa atualmente tem presença é Cingapura.

Romero enfatizou: “Como uma empresa de criptografia em conformidade regulamentada nos EUA, nos concentraremos em construir esse mesmo nível de confiança com novos clientes em Japão. ”

CEO indicado no Japão

 Coinbase revela planos para entrar no mercado japonês
Nao Kitazawa

A empresa de criptografia baseada em San Francisco também nomeou Nao Kitazawa como CEO do novo escritório. Anteriormente, ele trabalhou como banqueiro de investimento no Morgan Stanley Japan e passou vários anos como membro de um escritório de advocacia internacional, litigando casos relacionados a finanças e imóveis no Japão e em Nova York.

Kitazawa também é o ex-COO da Money Design, uma empresa que ajudou a criar plataformas automatizadas de consultoria de investimento no Japão. "Como um dos principais líderes internacionais do setor, Nao faz parte do conselho da Fintech Association of Japan", observou Romero, acrescentando que:

Nosso novo escritório lançará as bases para os investidores cripto do Japão acessarem uma gama de produtos da Coinbase. Os serviços da Coinbase disponíveis para clientes japoneses receberão traduções em japonês para facilitar o uso.

Eying Japan Desde 2016

 A Coinbase divulga planos para entrar no mercado japonês O Japão desde, pelo menos, julho de 2016, quando se associou ao Banco de Tóquio-Mitsubishi UFJ (BTMU), o maior banco do Japão e uma subsidiária do Mitsubishi UFJ Financial Group. "Embora ainda não ofereçamos serviços de câmbio digital no Japão, estamos comprometidos em continuar a expansão internacional e esperamos trabalhar com a BTMU para apoiar esse foco em mercados importantes na Ásia e no mundo", disse a Coinbase na época.

 Coinbase revela planos para entrar no mercado japonês Desde que a Lei de Serviços de Pagamento entrou em vigor no Japão no ano passado, todas as trocas de criptografia no país precisam ser licenciadas pela FSA

. número de trocas que competem no espaço criptográfico. Existem 16 bolsas licenciadas e outras 16 foram autorizadas a operar enquanto seus aplicativos estão pendentes. Além disso, a FSA revelou que mais 100 empresas estão tentando entrar no mercado, incluindo o Yahoo! Japão e Line Corp.

Entre as bolsas existentes, o Bitflyer é a maior troca de criptografia do país em volume. Outra bolsa popular, a Coincheck, foi adquirida recentemente por uma das maiores corretoras on-line do país, a Monex Group. Dois outros conglomerados também estão operando trocas de criptografia: DMM e GMO Internet. Além disso, uma das maiores empresas de serviços financeiros, a SBI Group, parcialmente lançou sua troca de criptografia na segunda-feira

O que você acha da Coinbase expandindo para o Japão? Você acha que vai fazer bem? Deixe-nos saber na seção de comentários abaixo


Imagens cortesia de Shutterstock, Nikkei e Coinbase


Precisa calcular suas propriedades de bitcoin? Verifique nossa ferramentas seção.

NASDAQ suporta Stellar (XLM) em um movimento para entrar no mundo da criptografia



Não é um segredo para ninguém que as criptomoedas estão a ganhar mais força na indústria a cada dia que passa, o que sem dúvida pode aumentar o alcance de todas as moedas virtuais. Mesmo quando cryptocurrencies nos deram razões suficientes para querer mantê-los como ativos, a indústria ainda […]
Post fonte: NASDAQ suporta Stellar (XLM) em uma jogada para entrar no mundo crypto
Mais Notícias sobre Bitcoin e Cryptocurrency no TheBitcoinNews .com

Governo estuda entrar na Justiça para barrar greve de petroleiros – Notícias


O governo estuda a possibilidade de entrar com ação na Justiça para tentar barrar a greve dos petroleiros, anunciada para ser deflagrada a zero hora de quarta-feira, por 72 horas. A ação teria de ser impetrada pela Advocacia Geral da União (AGU), possivelmente no Supremo Tribunal Federal, para ter abrangência em todas as refinarias de todo o País. O assunto foi aventado em pelo menos uma das reuniões realizadas neste domingo, 27, no Palácio do Planalto.

Há uma imensa preocupação entre integrantes do governo com esse novo ingrediente a ser adicionado já à grave crise que já assola o País, depois de sete dias de paralisação dos caminhoneiros. Uma greve de petroleiros terminaria por estender a situação caótica vivida no País por um período imprevisível, na avaliação de um interlocutor do presidente. A segunda-feira é considerada um dia D para o País, pois será possível ter um sentimento real do que irá acontecer depois do fim de semana de mais negociações e de entrada em operação das medidas adotadas pelo governo, como a convocação das Forças Armadas, por exemplo, para ajudar na liberação dos corredores de abastecimento.

Não há definição ainda sobre que tipo de ação seria impetrada no STF ou outro tribunal, pela AGU. O assunto ainda está em discussão. Há setores do governo já cobrando essa medida. A avaliação desta fonte, é que não é possível se esperar a greve dos petroleiros começar para aí se pensar no que fazer. Após ser aventado na manhã deste domingo no Planalto, a fonte defende que a ação teria de ser desencadeada o quanto antes, para que se haja de forma preventiva. Caso não se antecipe, o governo será mais uma vez acusado de não ter agido para evitar o pior.

Ao defender também esta ação preventiva, uma outra fonte lembrou que, se uma refinaria parar, são necessários de 15 a 20 dias para que a normalidade naquele segmento seja restabelecida. Isso, somado ao quadro já caótico, torna a normalização do País uma coisa cada vez mais distante. A paralisação de petroleiros, de acordo com essa fonte, tem a ver com aproveitamento político da crise pela oposição, já que a FUP – Federação Única dos Petroleiros é ligada à Central Única dos Trabalhadores, vinculada ao PT.

A situação está se tornando, a cada minuto, mais delicada. Um dos problemas graves apontados pelos interlocutores do presidente é que, na verdade, o governo não está sabendo exatamente com quem negociar porque o movimento está praticamente fora do controle e as decisões são horizontais, por meio das mídias sociais, principalmente e as conversas estavam sendo com as lideranças tradicionais, que não tem mais qualquer poder de comando sobre a categoria.

Uma outra ação, no entanto, já está em curso na Advocacia da União. A AGU vai orientar a Polícia Rodoviária Federal a cumprir a liminar do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) que permite multar em R$ 100 mil por hora as transportadoras e em R$ 10 mil por dia os caminhoneiros que resistirem na obstrução de estradas. Como mostrou mais cedo o Estado, a PRF não aplicou até o momento nenhuma multa com esse valor, apenas penalidades relativas ao Código Brasileiro de Trânsito, que somam R$ 2 milhões.

CryptoKitties vai entrar na China com enorme parceria



O primeiro jogo de blocos CryptoKitties explodiu no mercado de criptografia no final de novembro de 2017. Até o momento, o jogo tem 274,615 vendas com mais de $ 19,35 bilhões de dólares vendido. Construído no Ethereum blockchain, CryptoKitties usa Ether (ETH) como moeda no jogo. O gato digital superior dentro de todo o jogo vendeu em 6 de dezembro de 2017, para 253.33 ETH que na época, valia $ 110,707.16 USD. Esse mesmo gato agora vale $ 299,444.07 USD.

>> Leia mais sobre como funciona CryptoKitties

Esses números sugerem que o jogo tem sido um enorme sucesso até agora. Seguindo disso, foi anunciado que o desenvolvedor do jogo Animoca Brands concordou em comprar uma participação de 60% na empresa baseada nos EUA Fuel Powered. A Fuel Powered atualmente tem acordos comerciais com a Axiom Zen, com base em Sega e Vancouver. Axiom Zen, a editora da CryptoKitties, finalizou um acordo com a Animoca para distribuir o jogo em toda a China.

Em entrevista exclusiva à CryptoCurrencyNews, o co-fundador da CryptoKitties, Benny Giang, disse: "Estamos incrivelmente excitados de mostram a China e o resto do mundo que o potencial de bloqueio vai além de criptografia como Bitcoin. "

>> CryptoKitties Slown Down Ethereum's Network

Escalabilidade

O maior obstáculo que CryptoKitties enfrenta é a atual crise de escalabilidade da rede Ethereum. Em um momento em dezembro, o contrato inteligente CryptoKitties ocupou quase trinta por cento da contagem total de transações na cadeia de blocos Ethereum. A rede começou a mostrar claramente seu problema de escala, à medida que as transações começaram a fazer o backup diariamente (em um ponto atingindo quase 30.000 transações).

Isso é algo sobre o qual a atual equipe Axiom Zen está focada. Atualmente, existem mais de 320.000 jogadores no jogo CryptoKitty, mas os jogos de aplicativos para celular na China têm milhões de usuários diariamente – para um jogo de cadeias de blocos que é enorme. Em uma entrevista com TechNode Giang explicou: "Se estamos falando sobre a cadeia de blocos, a Ethereum não pode lidar com milhões de usuários neste ponto, nem nenhum bloqueio de atualizações disponível agora está em plena produção. " Ele continua em afirmam que desde o lançamento do CryptoKitties Axiom Zen designaram uma equipe específica para a escalabilidade, que o foco principal desta equipe é explorar soluções de escala de longo prazo e é tomada " muito seriamente. "

Com as mais recentes repressões da criptografia da China, ela diminuiu o progresso do Axiom Zen. No entanto, o time está atualmente em negociações com editoras de jogos e está falando com advogados sobre como proceder. A equipe vem construindo muitas funções e recursos dentro do jogo atual que será específico para o mercado chinês e acredita que o Festival da Primavera pode ser o momento certo para o lançamento.

Imagem em destaque: CryptoKitties

Se você gostou deste artigo, clique para compartilhar