Você viu? Criptomoedas em propaganda da Ford



Todo mundo sabe que as criptomoedas são um sucesso, mesmo após as recentes baixas no preço das criptos elas continuam chamando atenção agora não só dos cripto-entusiastas, mas também dos profissionais de propaganda de grandes empresas como a Ford.

No Youtube já está chato, quase todos os vídeos tem uma propaganda sobre criptomoedas, com algum segredo ultra secreto que irá mostrar como se tornar o próximo milionário investindo no próximo “Bitcoin”.

Mas agora as propagandas com criptomoedas começaram a aparecer na grande mídia e quem saiu na frente foi a Ford, que visando atingir um público jovem entusiasmado com a alta das criptomoedas, que passaram a procurar outros investimentos após a recente baixa do mercado, a Ford em sua propaganda destacou um beneficio das criptomoedas, as taxas e foi esse um dos focos da propaganda, destacando que ao comprar o automóvel em questão, no caso o Ford KA o comprador terá zero taxa.

Veja abaixo a propaganda da Ford:

Estamos ansiosos esperando se a próxima propaganda da Ford vai abordar o tema das criptomoedas.

Guia do Bitcoin

Previous:

Waves é listada na Huobi

Postado em junho 21, 2018

LocalMonero: A plataforma de venda P2P da criptomoeda Monero

Após uma semana do lançamento da LocalMonero.co e os compradores e vendedores da criptomoeda voltada para a privacidade, já negociaram monero em muitos países ao redor do mundo. A monero (XMR) é agora mais…


Preço Bitcoin Assista | BTC em alta, testando resistência em $ 6.800


 relógio de preço Bitcoin

relógio de preço Bitcoin: Bitcoin continuou sua corrida de alta na manhã de quarta-feira, passando firmemente o nível de US $ 6.700 e testando uma grande resistência em US $ 6.800. O Bitcoin tem tido uma trajetória ascendente recentemente, tendo se recuperado em mais de 5% desde o início da semana passada.

Ontem, a criptomoeda recebeu um novo impulso, conforme o CEO da Goldman Sachs, Lloyd Blankfein comentou o futuro de Bitcoin com um tom otimista. Durante uma palestra no The Economic Club de Nova York, Blankfein, que tem sido relativamente mais otimista sobre Bitcoin do que alguns de seus pares em Wall Street, explicou como o mundo passou de ouro para moedas fiduciárias que agora são apoiadas pelo governo. . Usando esse exemplo, ele disse que podia ver um mundo onde poderia existir uma criptomoeda

“Se você pudesse passar por essa moeda fiduciária onde dizem que vale a pena o que vale porque eu, o governo, diz que é, por que não você tem uma moeda de consenso? ” Blankfein disse .

"E não é para mim, eu não faço, não tenho bitcoin. Goldman Sachs, até onde eu sei … não tem Bitcoin, mas se der certo, eu poderia te dar o caminho histórico porque isso poderia ter acontecido ",

ele continuou.

Preço Bitcoin Watch: Bitcoin On Bullish Run Testing Major Resistance

O Bitcoin está atualmente em outra corrida de alta depois de estabelecer um suporte em $ 6.600. A corrida atual está testando uma grande resistência em US $ 6.800. As médias móveis de curto prazo da Bitcoin indicam que os compradores podem estar se livrando da recente pressão de venda, e mais ações positivas devem se materializar. Uma quebra acima da resistência poderia enviar o BTC / USD de volta ao nível de US $ 7.000. No lado negativo, seria preciso um declínio dramático para o preço do Bitcoin cair abaixo de US $ 6.500 para um nível de retração em torno de US $ 6.300. ” width=”1024″ height=”689″ />

O gráfico de produtos técnicos confirma a atual corrida de touros . O crossover MACD está enviando um sinal de alta, enquanto o RSI coloca Bitcoin no território de sobre-compra

Olhando para os indicadores técnicos:

  • MACD por hora – sinal de alta

  • RSI por hora – Bitcoin está no território de sobre-compra

  • Nível de resistência – $ 6.800

  • Nível de suporte principal – $ 6.600

>> XRP e MIOTA nos planos de listagem da FCoin – Abrindo esta semana!

Imagem destacada: Depositphotos / © leolintang

Se você gostou deste artigo Clique para compartilhar

"Vender Criptomoedas é como Vender a Apple em 2001", diz CEO da eToro


Com a fachada da loja da Apple (Foto: Ashokboghani / Flickr)

Com mais de US $ 9 milhões levantados por ICOs desde o início do ano como criptomoedas vivem um boom semelhante ao da internet no fim dos anos 90. Pesquisadores ouvidos pela Business Insider relacionam o momento com a “bolha da internet”: grande parte dos projetos falham, mas eles são líderes para hoje, como Google e Amazon.

“Na minha visão de prazo longo, vender [empresas de] é hoje um fornecedor de maçã em 2001”, disse Yoni Assia, investidor de bitcoin e ethereum e CEO da eToro, plataforma de negociação que a opera de criptomoedas.

, uma escala dessa proporção “nunca existiu antes, nem mesmo na bolha da internet”. Assia exemplifica: um livro whitepaper e, facilmente, 100 mil milionários leem o documento. Se 1 mil colocam US $ 10 mil, um ICO já consegue $ 10 milhões

Nesse contexto, claro que há ceticismo. Para Assia, “95% das startups terminarão em nada”. A visão é semelhante a outros investidores, como Obi Nwosu, CEO da exchange de bitcoin Coinfloor.

Para ele, um dos 20 projetos mais procurados, serão as “dezenas de fornecedores aplicativos matadores”. Já Dominik Schiener, criador da criptomoeda IOTA, acreditou que menos de 10 dos mais de 1.400 projetos relacionados a novos empreendimentos ligados a [19659021] blockchain, que está entre as tecnologias mais promissoras para os negócios . This content is present in the middle of the world, in the middle content, and the different resources to the process. [19659022] produtos e serviços nessa área chegaram a US $ 9,2 bilhões em 2021, 10 vezes mais do que os US $ 945 milhões registrados no ano passado. Para 2018, uma projeção é de US $ 2,1 bilhões.

Leia também: Análise Técnica Bitcoin 21/06/18

BitcoinTrade

A BitcoinTrade é uma solução melhor para compra e venda de criptomoedas.
Negocie Bitcoin, Ethereum e Litecoin com total segurança e liquidez.
Acesse agora ou baixe nosso aplicativo para iOS ou Android:
https://www.bitcointrade.com.br /

A Hands On Review do novo dispositivo de hardware em forma de cartão Coolwallet S


 Uma revisão das mãos do novo dispositivo de hardware em forma de cartão Coolwallet S "title =" A revisão das mãos do novo dispositivo de hardware em forma de cartão Coolwallet S "/> </a></div>
</p></div>
<p>              </p>
</p></div>
<p><b> Esta semana news.Bitcoin.com recebeu o novo Coolwallet S – a carteira de hardware cryptocurrency em forma de cartão de crédito. Como informamos anteriormente, o interessante cartão de armazenamento de ativos digitais começou a ser distribuído no mês passado, por isso decidimos dar à carteira uma revisão. [1965904] Também lê: <a href= Notas de banco bancário da Carolina do Norte – Adiciona requisitos de licença de moeda virtual

Testando a nova carteira de hardware em forma de cartão de crédito

No mês passado, relatou na carteira de hardware Coolwallet S lançada pela empresa de tecnologia financeira de Taiwan fundada por Michael Ou. A carteira é diferente de outras carteiras que analisamos no passado como Keepkey Ledger nano e Digital Bitbox porque o Coolwallet tem a forma de um crédito tradicional cartão. No dia 20 de junho nosso novo Coolwallet chegou de Taiwan e quando observamos o pacote a caixa foi lacrada muito bem. Na verdade, a embalagem da Coolwallet foi selada com tanta força que você precisa de uma ferramenta como um canivete para abrir a caixa, que também é selada com fita adesiva especial da Coolwallet

 Uma revisão prática do novo dispositivo de hardware em forma de cartão Coolwallet S
O Coolwallet S vem hermeticamente fechado com fita resistente à violação.

Na inspeção, o produto não foi tocado por terceiros e, quando aberto, a caixa lembra uma caixa de jóias com uma citação de Michael Ou sobre os aspectos revolucionários da tecnologia blockchain. A caixa vem com o próprio Coolwallet, que é basicamente um cartão que tem aproximadamente 85 × 53 mm com cantos arredondados e possui uma tela na parte traseira. Logo abaixo da tela é o botão de comando de cartões que tem um clique quando pressionado. Abaixo estão dois círculos de metal muito pequenos que são usados ​​para carregar a bateria e o cartão teve alguma carga quando foi entregue. A caixa também vem com o carregador do cartão, uma conexão USB, instruções, um cartão-semente em branco e um adesivo Coolwallet.

 Uma revisão prática do novo dispositivo de hardware em forma de cartão Coolwallet S
Embalagem e carregador de bateria.

A primeira coisa que fizemos foi conectar o fio USB ao carregador do cartão e conectá-lo ao slot fino. Isso ligou o cartão e depois pediu para parear com o seu celular. Você precisa fazer o download do aplicativo Coolwallet na Google Play Store ou na App Store da Apple para obter a plataforma da carteira e associar o cartão. Depois de abrir o aplicativo, o telefone verá o cartão e mostrará o número de série na tela do seu smartphone. O número de série do nosso Coolwallet X está bloqueado por questões de privacidade, mas está no canto superior esquerdo ao lado da tela do cartão. Ao emparelhar o aplicativo, ele solicitará um código que é exibido na tela do cartão e depois de digitá-lo no aplicativo, os dois devem ser emparelhados. Coolbitx afirma que as mensagens enviadas entre o telefone celular e o cartão usam configurações de Bluetooth criptografadas.

 Uma revisão prática do novo dispositivo de hardware em formato de cartão Coolwallet S
Após o emparelhamento com um telefone celular, a carteira pede para "criar" uma nova carteira ou "restaurar" uma carteira existente. Depois de criar, você pode escolher entre sementes de 12, 18 e 24.

Após o emparelhamento com o seu telefone celular, você pode criar uma nova carteira ou restaurar uma já existente. Se você escolher criar uma nova carteira, poderá escolher entre sementes de 12, 18 e 24 de comprimento, mas essa semente não é a sua típica frase mnemônica. Coolwallet usa números em vez de palavras e pede que você os escreva em concessão. Depois disso, ele pede para você adicionar todos os números, e você deve digitar a soma para concluir a verificação da semente. Este método é uma maneira interessante de gravar uma semente como a maioria dos outros usam palavras aleatórias.

 Uma revisão Hands On do novo dispositivo de hardware em forma de cartão Coolwallet S
Coolwallet detém as seguintes moedas BTC, LTC, XRP, ETH, BCH, EOS, JAYZ, USDT e WETH

Depois que a semente é verificada, a carteira móvel é carregada e você é levado à interface principal, que mostra todas as carteiras e a soma do total de ativos. Depois que a carteira foi configurada, era hora de carregar o cartão. No começo, tentamos carregar alguns pós BTC (US $ 2,00) do Digital Bitbox que analisamos há alguns meses, mas, infelizmente, com as taxas da BTC subindo novamente, o Bitbox, fabricado na Suíça, não enviava os fundos. Após a tentativa, decidimos carregar o cartão com bitcoin cash (BCH) e enviar várias frações para o novo Coolwallet por cerca de 0,0000111 BCH ou menos por transação.

 Uma revisão prática do novo dispositivo de hardware em forma de cartão Coolwallet S
Coolwallet S mostra a balança no cartão dependendo da moeda que você está vendo.

Depois que os fundos ficaram acessíveis, decidimos enviar algumas transações para fora da carteira. Usando a tela de envio, você pode alternar para qualquer moeda que deseje enviar, e tudo o que você fizer é preencher o campo de endereço de recebimento e definir o valor. Você também pode ajustar as configurações de taxa e digitar a taxa manualmente se quiser definir uma taxa mais baixa também. Descobrimos que as configurações de taxas mais baixas para o Bitcoin Cash no Coolwallet eram muito altas e que precisávamos ajustar manualmente a taxa para um valor abaixo do limite de um centavo dos EUA. Depois de pressionar o botão enviar quando todos os campos estiverem completos, o aplicativo pedirá que você ligue o cartão. Quando o cartão é ligado, o aplicativo sincroniza com o telefone e você é solicitado a verificar a função de envio usando o botão no cartão. Depois de apertar o botão três vezes a transação irá enviar como o cartão funciona como um segundo fator de autenticação para o aplicativo.

Nós encontramos o aplicativo e cartão funcionou muito bem, exceto para a seção de configurações de taxa para bitcoin dinheiro como foi definido também Alto. Outra coisa que notamos é que leva mais tempo para o aplicativo e o cartão sincronizarem fundos e histórico de transações depois de realizar uma ação, mas não é insuportável. O carregamento do cartão não demora muito e a cobrança dura por um período extremamente longo, pois o sistema é desligado quando não está sendo usado. Quanto à forma dos cartões e quão flexível o cartão é sem ferir o dispositivo é um ótimo recurso. É fácil esconder-se no bolso de trás, na carteira física ou em qualquer lugar onde você possa esconder um pequeno cartão de crédito. O tamanho é uma vantagem porque a carteira é definitivamente mais ocultável que os modelos Trezor ou Ledger, e outras carteiras de hardware que são ainda maiores do que esses dois produtos.

Por último, a Coolbit acaba de fazer parceria com a bolsa descentralizada Joyso , o que significa que os usuários em breve poderão trocar tokens ERC-20 dentro da carteira usando a troca híbrida descentralizada (HEX). O Coolwallet S é um pouco mais caro do que outros modelos de carteira de hardware, já que o cartão custa US $ 189 (US $ 299), mas a vantagem do tamanho do cartão e a capacidade de se conectar tanto ao iOS quanto ao Android

O que você acha da nova carteira de hardware Coolwallet S? Deixe-nos saber na seção de comentários abaixo


Imagens cortesia de Jamie Redman, e Coolwallet .


Agora viva, Satoshi Pulse . Uma listagem abrangente e em tempo real do mercado de criptomoedas. Veja preços, gráficos, volumes de transações e muito mais para as 500 maiores moedas criptográficas atualmente em negociação.

Em Salvador, Empresa de Turismo do Pelourinho Aceita Bitcoin e Outras Criptomoedas


Loja no Pelourinho (Foto: Alexandre Antunes/Portal do Bitcoin)

No meio do Pelourinho, umas das regiões mais turísticas da capital da Bahia, entre ladeiras e casarios coloridos do século 19, eis que uma pequena porta com uma placa informa aceitar Bitcoin.

A portinha dá acesso a uma pequena agência de viagens chamada Bahia Ticket que transaciona pacotes turísticos não só com Bitcoin, mas também com outras criptomoedas.

A empresa começou a aceitar as moedas criptografadas em janeiro deste ano. Segundo explica o sócio da empresa Abraão Macedo, a iniciativa se deu de uma necessidade em atender a uma grande demanda de clientes que procuravam estabelecimentos que aceitassem criptoativos.

“Tinha pessoas que queria usar Bitcoin em suas compras e viagens, mas enfrentavam dificuldades em encontrar lugares que aceitassem esse tipo de pagamento. A dica do uso veio de um amigo que é entusiasta da tecnologia”, disse.

Macedo disse que a Ticket Bahia é uma empresa franqueada a um grupo de empresários que decidiu aceitar criptomoedas de seus clientes. Ele explica que um empresário chamado Abílio Freire incentivou empresários de diversos segmentos em Salvador a adotar o novo meio de pagamento.

Domingos Santana, sócio da Bahia Ticket (Foto: Alexandre Antunes/Portal do Bitcoin)

Bitcoin com sorvete

“Além da Ticket Bahia, a ‘sorveteria italiana’ na Barra, a ‘sorveteria sertaneja’ que fica no Imbuí e uma pizzaria em Pituba, também aceitam Bitcoins. Na verdade, a gente quer  transformar Salvador numa grande capital de criptomoedas”, afirmou o sócio da Ticket Bahia.

Macedo explica com entusiasmo que o negócio é simples. A pessoa faz uma operação do próprio celular transferindo da sua carteira uma fração de criptomoeda à carteira do estabelecimento e assim o cliente pode comprar de sorvete a um pacote de viagem na sua agência de turismo localizada no Pelourinho.

De turismo ao câmbio

A Bahia Ticket turismo aceita, além de Bitcoin, outras moedas criptografadas. Macedo afirma que já chegou a negociar Ethereum, Ripple, Bitcoin Cash, Litecoin e Monero. “Eventualmente, aparece gente com outra moeda como Cardano e Iota, mas é raro”.

O número de clientes que utiliza as criptomoedas para adquirir serviços na Ticket Bahia é grande e chega quase a metade.  “De cada dez compradores, três ou quatro é com criptomoedas. Sendo que 90% é Bitcoin“, afirma Macedo.

A agência, além de vender passagens, opera como casa de câmbio. O diferencial é que ela não se limita em trabalhar com câmbio das fiat moedas como real, dólar e euro, mas faz faz câmbio também entre essas e criptoativos.

Leia também: Análise Técnica Bitcoin 21/06/18

 

BitcoinTrade

A BitcoinTrade é a melhor solução para compra e venda de criptomoedas.
Negocie Bitcoin, Ethereum e Litecoin com total segurança e liquidez.
Acesse agora ou baixe nosso aplicativo para iOs ou Android:
https://www.bitcointrade.com.br/

IPCA-15 fica em 1,11% em junho ante 0,14% em maio, revela IBGE – Notícias


O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) registrou alta de 1,11% em junho, após ter avançado 0,14% em maio, informou na manhã desta quinta-feira, 21, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado superou o teto das estimativas captadas pelo Projeções Broadcast. O intervalo ia de 0,54% e 1,07%, com mediana positiva de 1,00%.

Com o resultado anunciado nesta manhã, o IPCA-15 acumulou um aumento de 2,53% no ano, de acordo com o IBGE. Nos 12 meses encerrados em junho, o indicador ficou em 3,68% e, portanto, superou a mediana das projeções (+3,56%). Nesse caso, o intervalo das estimativas ia de avanço de 2,85% a 3,72%.

PF e MPF cumprem 15 mandados de prisão em investigação sobre desvios em obras de Rodoanel de SP – Notícias


(Reuters) – A Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagraram nesta quinta-feira operação para cumprir 15 mandados de prisão como parte de investigação sobre superfaturamento de centenas de milhões de reais em obras do Rodoanel Viário Mário Covas, em São Paulo, iniciadas durante gestão do ex-governador e atual candidato à Presidência Geraldo Alckmin (PSDB).

De acordo com a PF e o MPF, a chamada operação Pedra no Caminho irá cumprir ainda 56 mandados de busca e apreensão, além de prisões temporárias, na capital paulista e nas cidades de Ribeirão Preto, Bofete, Arujá e Carapicuíba, além de Marataízes, no Espírito Santo.

Um dos principais alvos da operação, segundo o portal de notícias G1, é Laurence Casagrande Lourenço, ex-presidente da estatal paulista responsável pelas rodovias do Estado, a Dersa, e atual presidente da Companhia Energética de São Paulo (Cesp). Lourenço foi secretário de Transportes e Logística no governo Alckmin.

“São alvos dos mandados ex-diretores da Dersa, executivos das construtoras OAS e Mendes Junior, de empresas envolvidas na obra e gestores dos contratos com irregularidades”, disse o MPF em comunicado, sem identificar os investigados.

Segundo o MPF, uma apuração do Tribunal de Contas da União (TCU) apontou um impacto financeiro consistente em acréscimos indevidos que somam mais de 600 milhões de reais nas obras do Rodoanel, que tiveram início em 2013 e ainda estão em andamento.

“Para maquiar o sobrepreço adotou-se a prática de ‘jogo de planilhas’, expediente comum em fraudes a licitações com muitos itens contratados de forma global, em que o licitante oferece preço acima do mercado para alguns itens e abaixo da referência para outros, de modo a colocar-se artificialmente como menor preço global. Esse expediente é comum em fraudes às licitações”, disse o MPF.

O inquérito policial foi instaurado em 2016, após um ex-funcionário de uma empresa que atuou nas obras apresentar à Polícia Federal informações sobre possíveis manipulações em termos aditivos da obra para aumentar o valor pago a empreiteiras que já haviam vencido a licitação para realizar as obras.

No início de abril, o ex-diretor da Dersa durante governos do PSDB Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, foi preso a pedido da força-tarefa da operação Lava Jato em São Paulo sob acusação de ter desviado milhões de reais. Paulo Preto foi solto no fim de maio por ordem do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal.

Procuradas pela Reuters, as empresas Dersa, Cesp, OAS e Mendes Junior não estavam disponíveis de imediato para comentar a operação da PF e do MPF.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

Relógio de Preço em Dinheiro Bitcoin | BCH / USD volta em alta


 Relógio de preço em dinheiro Bitcoin

Relógio de preço em dinheiro Bitcoin: Dinheiro de Bitcoin (BCH) retorna a alta

Destaques principais:

  • Preço em dinheiro recuperado do seu declínio no fim de semana passado olhando para quebrar $ 900 mais uma vez

  • BCH / USD está de volta em uma corrida de alta depois de estabelecer apoio em cerca de US $ 860.

  • O preço de US $ 910 é considerado um ponto de resistência. USD Olhando para ultrapassar os US $ 900

    Na quarta-feira, o preço do Bitcoin Cash continuou a se recuperar de seu declínio no fim de semana passado, atingindo uma alta de US $ 909 antes de recuar para menos de US $ 900. O BCH / USD aumentou 6% nos últimos sete dias. No momento, o cryptocurrency está de volta em outra corrida de alta, procurando ultrapassar o pivô de US $ 900 novamente.

    O Bitcoin Cash conseguiu superar sua resistência anterior de US $ 880 hoje, e uma grande resistência de US $ 910 deve ser testada para manter uma perspectiva otimista de longo prazo. No curto prazo, é mais provável que o BCH / USD esteja na faixa de preço de US $ 860 a US $ 890. O limite inferior desse intervalo é considerado um nível de suporte principal. Uma ação abaixo do suporte poderia levar o BCH / USD a um nível de retração de US $ 825.

     Bitcoin Cash watch
    Fonte: Tradingview

    Olhando para o gráfico, as coisas poderiam ir para o Bitcoin Preço a pronto nas horas seguintes. O MACD está mostrando um sinal neutro, enquanto o indicador RSI coloca Bitcoin Cash em uma posição severamente oversold

    Olhando para os indicadores técnicos:

    • MACD horário – Sinal neutro

    • RSI por hora – Dinheiro Bitcoin é em território de sobrevenda

    • Nível de Resistência Maior – $ 910

    • Nível de Suporte Maior – $ 860

    >> Preço Bitcoin: 20 de junho de 2018

    Imagem em destaque: Twitter

    Clique para compartilhar

Brasil ’empata’ em desigualdade e toma goleada da Rússia em educação – Notícias


Países com diferenças históricas, climáticas e culturais à primeira vista inconciliáveis, Brasil e Rússia há quase 20 anos fazem parte do mesmo grupo de emergentes, os Brics, graças às características que têm em comum na economia.

Assim como Índia, China e África do Sul, os demais países que compõem a sigla, ambos viveram um ciclo de prosperidade até 2010, impulsionado também pelo aumento nos preços internacionais de commodities – o petróleo no caso da sede da

Quase dez anos depois, contudo, o cenário é outro: os dois países tentam se recuperar depois de dois anos de recessão e, tanto lá quanto aqui, a retomada é lenta.

A “ressaca” após período de boom econômico, avaliam especialistas ouvidos pela BBC News Brasil, também é reflexo das similaridades entre as duas economias. Ambas dependem da exportação de produtos básicos, cujos preços recuaram, perdem com a baixa produtividade do trabalho e com a falta de inovação na indústria.

Ao contrário do Brasil, entretanto, a dívida pública russa praticamente não subiu durante a crise – avançou de 15,9% do PIB para 17,4% entre 2015 e 2017, contra um salto de 72,5% do PIB para 83,9% aqui – e a taxa de desemprego não foi além dos 5%, em parte por pressão do governo Putin para que as empresas não demitissem.

Mas isso não quer dizer que a população não tenha sentido os efeitos da recessão. Os salários encolheram durante esse período, e os russos ainda não recuperaram seu poder de compra.

Em ambos os países, a renda é altamente concentrada. A Rússia tem 101 bilionários – mais que o dobro do Brasil -, e 20 milhões estão abaixo da linha de pobreza, levando em conta as estimativas do governo, consideradas conservadoras.

Apesar da desigualdade elevada, contudo, o país tem desempenho compatível com o de países europeus nos rankings internacionais de avaliações de alunos, como o Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) – uma diferença marcante, já que o Brasil ocupa as últimas posições da lista e tem o pior resultado quando se leva em consideração os testes de matemática.

O analfabetismo foi erradicado ainda antes da Segunda Guerra e praticamente não existem crianças fora da escola, conta a professora Elena Vássina, natural de Moscou, que dá aulas de literatura e cultura russa na Universidade de São Paulo (USP).

“Com três ou quatro anos as crianças já começam a decorar poemas de (Alexander) Pushkin na escola”, diz ela, que embarca neste sábado para o país da Copa para assistir aos jogos em casa.

Recessão com inflação alta

O colapso nos preços do petróleo é apontado como principal responsável pela crise econômica que fez o PIB da Rússia encolher 2,5% em 2015 e 0,2% em 2016 – tombo menor que o do Brasil, de 3,5% em cada um dos dois anos.

Cotado a mais de US$ 100 até o início de 2014, o barril chegou a valer menos de US$ 30 em 2016. A commodity é o principal produto de exportação dos russos, representando cerca de 50% de tudo o que país vende ao exterior, entre petróleo cru, refinado e gás.

Além da queda nos preços, as sanções econômicas impostas à Rússia pelos Estados Unidos e União Europeia em 2014, logo após a anexação da Crimeia – região que estava sob o controle da Ucrânia – também tiveram papel importante na crise, acrescenta Nafez Zouk, da consultoria Oxford Economics.

Com menos exportações, o volume de dólares no país diminuiu. Para evitar que a Rússia “vendesse todas as suas reservas” na tentativa de segurar a cotação da moeda americana, o Banco Central passou a adotar o regime de câmbio flutuante, explica o economista, e deixou o rublo desvalorizar.

A moeda chegou a perder 50% do valor nesse período e provocou um salto na inflação, que chegou a ficar ainda mais alta que no Brasil. Em 2015, atingiu 12,9%, contra 10,67% por aqui.

Desemprego baixo e ‘contratação três por um’

A trajetória do desemprego mostrada pelos dados oficiais, entretanto, praticamente não se alterou. Enquanto no Brasil a taxa atingiu 12,8%, na Rússia ela não passou de 5,6%.

Isso se explica, em parte, pelo chamado “desemprego oculto”, que cresceu nesse período, diz o economista russo Victor Krasilshchikov.

Incentivadas pelo governo, as empresas reduziram as remunerações e mantiveram o volume de contratações de novos empregados.

“Elas contratam três pessoas com o salário de uma”, diz o especialista, que é chefe do grupo de pesquisa do Centro de Estudos do Desenvolvimento do Instituto Nacional de Pesquisa de Economia e Relações Internacionais (Imemo).

“Existe uma pressão política para não demitir”, concorda William Jackson, da Capital Economics, acrescentando que, além do corte nos salários, as empresas também reduzem as horas de trabalho e dão férias coletivas para evitar cortes de pessoal.

Com o aumento da inflação e a redução dos salários, contudo, a renda do trabalho vem encolhendo de forma contínua desde a crise, diminuindo o poder de compra dos russos.

“O consumo foi o que mais sentiu (os efeitos da recessão). O fardo da crise recaiu majoritariamente sobre os trabalhadores”, avalia Zouk, da Oxford Economics.

Apesar da recuperação dos preços do petróleo, que favorece a retomada da economia do país, o economista pondera a Rússia enfrenta entraves similares aos do Brasil – problemas estruturais que diminuem seu potencial de crescimento, como a baixa produtividade do trabalho, a falta de inovação e a economia relativamente fechada e pouco competitiva.

Um dos países com maior concentração de riqueza

Com 101 bilionários – contra 43 no Brasil -, a Rússia está entre os países que mais concentra riqueza no mundo, conforme o Global Wealth Report do banco Credit Suisse.

Os 10% mais ricos detêm 77,4% de toda a riqueza do país, contra 72,3% no Brasil. O economista Tony Schorrocks, um dos autores do levantamento, que há dez anos trabalha na base de dados, explica que a estimativa leva em consideração todo o patrimônio pessoal, de propriedade a ativos financeiros, descontadas as dívidas.

É diferente, por exemplo, do indicador da desigualdade de renda usado pelo Banco Mundial. Tomando essa medida, os 10% mais ricos na Rússia acumulam quase 30% dos rendimentos, enquanto no Brasil o percentual sobe para pouco mais de 40%.

“Essa é uma medida (a concentração de riqueza) importante quando se analisa, por exemplo, a mobilidade social entre as gerações e a persistência da desigualdade. Os filhos não herdam a renda do trabalho dos pais, mas o patrimônio”, ele pondera.

“Além disso, os ricos não gastam seu dinheiro só em produtos de luxo. Eles, em muitos casos, têm influência sobre a mídia e fazem grandes doações a partidos políticos”, acrescenta.

No caso da Rússia, diz o economista, a concentração seria em parte reflexo da transição do regime comunista da União Soviética, em que praticamente não havia propriedade privada, para o capitalismo.

Nas últimas décadas, um grupo pequeno de pessoas influentes explora os principais recursos do país – não por acaso, os bilionários russos no topo da lista atuam no setor de óleo e gás e na indústria do aço.

Na base da pirâmide, as estatísticas oficiais apontam que pouco mais de 13% da população do país, 20 milhões, está abaixo da linha de pobreza, estabelecida em pouco mais de 10 mil rublos (cerca de US$ 155) pelo governo.

Krasilshchikov, economista do Imemo, pondera que, se levada em conta a métrica usada pelas Nações Unidas para definir pobreza – se a família gasta mais da metade da renda para comprar alimento -, 30% dos russos seriam considerados pobres.

A pobreza é maior nas pequenas cidades rurais – onde vive um quarto da população, contra 14% no Brasil -, diz o economista, do que nos grandes centros, como Moscou e São Petersburgo.

Dostoiévski no ‘ensino médio’

Apesar da desigualdade elevada, o acesso à educação pública de qualidade na Rússia é quase universal, diz a professora Elena Vássina, que se divide entre São Paulo e Moscou.

Herança do período comunista, o programa de ensino é igual em todo o território e há boas escolas mesmo nas cidades menores. “O ensino era muito ideologizado, mas o comunismo investiu muito em educação. É uma tradição russa que vem desde o século 18”, ela ressalta.

Clássicos como Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski, e Guerra e Paz, de Liev Tolstói, ela conta, são leituras obrigatórias para os jovens de 15 e 16 anos. Nos cursos de literatura nas universidades, a carga horária é três vezes maior do que na USP, por exemplo, onde Vássina leciona.

Não por acaso, o desempenho do país em avaliações como o Pisa é muito superior ao do Brasil. Tanto nos testes de leitura quanto nos de matemática, a Rússia está acima da média da OCDE, que reúne as economias mais desenvolvidas do mundo.

O Brasil segue na lanterna. É o pior em matemática e tem o terceiro pior desempenho em leitura, atrás do Peru e da Indonésia.

A austeridade fiscal de Putin

Das diferenças entre os dois países, a trajetória das contas públicas também chama atenção.

Desde meados dos anos 2000 a dívida bruta do governo está relativamente estável, e assim se manteve também durante a recessão. No Brasil, os reiterados deficits nos resultados do governo – que hoje gasta mais do que arrecada – e a trajetória de crescimento da dívida são considerados um dos maiores riscos de médio prazo para a economia.

“A austeridade fiscal na Rússia talvez venha da memória do que aconteceu nos anos 90”, afirma Jackson, da Capital Economics, referindo-se à crise da dívida russa, quando o país decretou moratória e teve de renegociar a dívida externa.

Putin manteve as torneiras fechadas durante a crise e conseguiu se reeleger neste ano mesmo com a política fiscal contracionista – ou seja, com redução do gasto público -, geralmente impopular.

“No momento atual da política na Rússia, em que Putin governa quase em um sistema autocrático, praticamente não existe oposição e inquietação social. Muitas vezes você tem que engolir e aceitar (as medidas do governo)”, diz Zouk, da Oxford Economics.