O DESEMPREGO NO BRASIL É MUITO MAIOR DO QUE VOCÊ IMAGINA


Torcedora triste

Caros leitores, no dia 23 de abril foi divulgado novo número para o desemprego no Brasil. No mês de março foram fechadas mais de 118 mil vagas com carteira assinada, sendo que em 12 meses este número já chega a impressionantes 1,8 milhão. Segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a taxa de desemprego já está em 10,2%, o que representaria 10,4 milhões de pessoas. Aí você para e pensa: Mas ué, o Brasil tem mais de 205 milhões de pessoas, mesmo tirando aposentados, incapacitados, crianças e outros tipos, não parece 10,2% uma taxa ainda baixa, considerando a situação atual?

Bem, com certeza você conhece muita gente que perdeu o emprego nos últimos meses. Para se ter ideia, por esse número oficial, em outubro a taxa estava próxima a 7,6%, ou seja, em apenas 5 meses aumentou 34%, que é bastante significativo. Entretanto, o que não te contaram é que essa matemática é um tanto quanto esquisita. Explico.

Em primeiro lugar, é preciso entender que o IBGE utiliza dados coletados de aproximadamente 38.500 domicílios situados nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre, levando-se em consideração o número de pessoas economicamente ativas, sendo que as pessoas ocupadas são, somente:

Empregados (trabalham para um ou mais empregadores, com carteira de trabalho ou não, cumprindo uma jornada de trabalho estipulada recebendo dinheiro ou outra forma de pagamento);

 Autônomos (trabalham por conta própria, incluindo o trabalho informal e esporádico – desde que trabalhe 15 horas por semana. Aqui estão incluídas pessoas como ambulantes, artistas de rua, etc.);

 Empregadores;

 Não remunerados (aprendiz, voluntários, trabalho para instituições religiosas ou beneficentes e até mesmo que faz bicos em troca de algum favor ou serviço, sem ter dinheiro envolvido).

Essa metodologia, portanto, considera empregados apenas as pessoas que não necessariamente recebem salário, assim como aquelas que trabalham menos do que gostariam, já que têm tempo disponível, mas não encontram um trabalho que possa pagar por uma jornada completa. Dessa forma, recebem menos até que um salário mínimo via trabalho informal. Pessoas que trabalham como ambulantes, desde vendedores de carregador de celular no semáforo, até artistas circenses de rua, são considerados empregados. É isso mesmo!

Neste grupo de pessoas economicamente ativas, também são consideradas as pessoas desocupadas, que para a metodologia do IBGE, são aquelas que não tem nenhum trabalho, mas o procuram, tomando providências efetivas em busca de emprego, como consulta a classificados, envio de currículos, cadastro em empresas de recrutamento, entre outros. Dessa forma, não é considerado como desempregado ou desocupado, uma pessoa que não está efetivamente procurando emprego. É aí que mora a maior contradição deste indicador.

A verdade é que considerando a população economicamente ativa (PEA), temos uma grande parte de desocupados que não integram a estatística do IBGE. Dentro desta amostra, temos uma parcela de estudantes, que não trabalha mas estuda. Esse será um novo trabalhador em potencial em algum tempo e, mais qualificado, o que é ótimo. Entretanto, temos o que chamamos de “nem-nem”, população a qual nem trabalha, nem estuda e também não está procurando emprego. Esses, segundo o IBGE, são os desalentados e não influenciam no índice de desemprego.

Boa parte dos considerados desalentados, os “nem-nem”, fazem parte do programa Bolsa-Família, e outra parte acaba ficando dentro da população economicamente não-ativa. Em torno de 14 milhões de famílias no Brasil recebem o auxílio, atingindo cerca de 50 milhões de pessoas, o que representa 1 em cada 4 brasileiros. Um quarto da população do Brasil recebe este auxílio que é destinado a pessoas com renda familiar per capta inferior a R$77 por mês ou, no caso de famílias que tenham em sua composição gestantes, mães em fase de amamentação e crianças com idade entre 0 e 16 anos, com a renda per capta de até R$154,00 por mês. Desde o início deste programa da forma como é conhecido hoje, apenas 1,7 milhão de famílias deixaram o programa por informarem renda superior aos limites estabelecidos. Além disso, as pessoas que estão recebendo o seguro-desemprego, também não são consideradas desempregadas, apenas em “desalento”.

É um grande paradoxo ter 25% da população brasileira recebendo este benefício e ter “apenas” 10,2% de desempregados, certo? Essa disparidade fica mais evidente quando vemos o índice de desemprego medido pelo DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, que tem diferenças de metodologia de cálculo para o do IBGE. Infelizmente, o DIEESE faz estudos apenas nas regiões metropolitanas de São Paulo, Porto Alegre, Recife, Salvador, Belo Horizonte e no Distrito Federal. Em São Paulo, por exemplo, esta instituição mediu que o desemprego chegou a 14,7% no mês de março.

Outro problema que deve ser destacado é a diminuição da renda real do trabalhador. Com as recentes levas de demissões com o agravamento da crise, temos uma oferta maior de trabalhadores que precisam de emprego, o que vai leva-los a aceitar empregos com salários menores.

Basicamente, a baixa taxa de desemprego artificial, ajudou a mascarar a desaceleração da economia e enfraquecimento geral do mercado de trabalho no Brasil. Essa foi, inclusive, uma forma de o governo se manter otimista para com o público, principalmente durante a campanha eleitoral, sustentada por um desemprego falso, porém com uma inflação galopante (que corrói ainda mais o poder de compra do trabalhador), juros voltando a subir, endividamento das famílias superior a 47% da renda (no caso de famílias de até 3 salários mínimos é de 70%), entre tantos outros problemas.

Cabe dizer que os salários subiram nos últimos anos mesmo sem haver lastro em produtividade, refletindo em parte o aumento do salário mínimo. Na prática isso quer dizer que não houve geração de riqueza suficiente que justificasse esses aumentos, trazendo desemprego no longo prazo. E um detalhe, os empregos no setor público não caíram, pelo contrário, aumentaram! Isso mostra a clara disparidade do setor público e privado em relação ao mercado e suas forças. O setor público se mantém inchado e dispendioso, enquanto que o setor privado mingua. A indústria foi o setor que mais demitiu no último ano, porém o comércio foi o destaque do mês de março com o pior saldo de demissões. Acredito que o número real de desemprego passe dos 20% e ainda há desafios enormes para resolvermos a questão da produtividade, além da questão do assistencialismo sem projetos para o futuro.

Ainda vai piorar muito antes de melhorar e é preciso tomar medidas urgentes para que o Brasil volte a crescer. Enquanto há imbróglio político e apenas preocupações em torno de alianças para se manterem ativos e no poder, nada é feito de fato para melhorar uma situação que já é grave para boa parte dos brasileiros. Será que o pós-impeachment vai conseguir dar conta do recado? 

Quer saber sobre economia e política todos os dias? Me siga no facebook.

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Venezuela diz que cripto mineração agora é ‘perfeitame… | News


O governo da Venezuela disse que a mineração de criptomoedas agora é “completamente legal”, já que planeja a pré-venda de sua moeda, o Petro, no próximo mês.

Em comentários durante um discurso na TV citado pelo site de notícias local TeleSur, o recém-designado “superintendente de criptomoedas” do país, Carlos Vargas, confirmou que os cidadãos mineradores de Bitcoin e outras criptomoedas não violavam a lei.

No ano passado, a Venezuela fez manchetes várias vezes depois que surgiram relatórios de que a polícia estava atacando em operações de mineração, acusando os envolvidos de poder de saciedade da rede nacional.

É uma atividade que agora é perfeitamente legal“, anunciou Vargas em uma mudança radical de opinião. Ele continuou:

“Tivemos reuniões com o Supremo Tribunal para que as pessoas que tenham sido vítimas de apreensões e prisões em anos anteriores terão suas acusações indeferidas”.

No mesmo discurso, Vargas confirmou que a grande controversia da criptomoeda Petro, iniciada pelo presidente Nicolas Maduro, prosseguirá com uma pré-venda em 20 de fevereiro.

A Petro tinha enfrentado um futuro incerto quase assim que Maduro anunciou o esquema, com os comentaristas sugerindo que os investidores seriam difíceis de se convencer, dada a série de sanções contra a Venezuela, que o presidente esperava que a moeda pudesse ajudar a contornar.

O parlamento da oposição da Venezuela, que trabalhou contra o presidente em todas as hipóteses que teve desde 2016, chamou a moeda de “fraude” no início deste mês.

O Petro foi projetado para ser apoiado pelas reservas de petróleo da Venezuela, com um token equivalente a um barril. Isso daria ao total 100 milhões de suprimentos da Petro um valor de mercado de quase $6 bilhões.



Reunião comercial da manhã da Ásia: o altcoin líder é Populous – newsBTC



newsBTCMorning negociação comercial asiática: o altcoin líder é PopulousnewsBTCA imagem é bastante sombria durante a sessão de negociação asiática desta manhã. O bloqueio da Coréia do Sul de contas de negociação anônimas causou outro selloff e um mar de vermelho confronta os comerciantes hoje. É ruim que tenhamos que percorrer um longo caminho para baixo …

Entenda a perícia do Senado: Dilma é responsável sim!


José Eduardo Cardozo e Dilma Rousseff

( Lula Marques/ Agência PT)

Segundo os técnicos que efetuaram a perícia contratada pela defesa da presidente afastada, “houve ato comissivo da presidente da República na edição dos decretos, sem controvérsia sobre sua autoria”, no que tange os chamados créditos suplementares. Em relação às pedaladas fiscais, não houve o chamado “ato comissivo”, contribuindo diretamente para tal, mas houve o fato consumado de atrasos de pagamentos que acabaram por constituir operações de crédito. É proibido pela Lei de Responsabilidade Fiscal que Bancos Públicos financiem a União, portanto houve crime de responsabilidade e, Dilma, sendo presidente da República, tem que no mínimo não ser negligente em relação à suas obrigações e saber o que se passa, principalmente quando falamos de gestão financeira que pode incorrer em crime.

A perícia chegou às seguintes conclusões:

a. houve crime de responsabilidade fiscal, corroborando com a tese dos juristas que entraram com o pedido de Impeachment;
b. as pedaladas (fraudes) constituíram financiamentos ilegais, corroborando com a conclusão do parecer do TCU;
c. os passivos do Tesouro Nacional junto ao Banco do Brasil não foram registrados na dívida pública, deixando as contas melhores do que na verdade eram, outra fraude;
d. o superávit primário foi superestimado por conta do item anterior.

Ou seja: há base legal para o impechment de Dilma e as manobras para esconder as pedaladas deixaram a situação do país ainda mais difícil considerando que estimávemos um superávit que seria impossível de atingir. Para sabermos quais soluções tomar, primeiro precisamos entender o problema como é de fato. Dilma não só negou a crise o quanto pôde, como atuou para deixar a situação parecer melhor do que era em tempos de campanha eleitoral. 

É claro para mim que Dilma ser afastada é o melhor para o Brasil, apesar de não termos um governo ideal no comando, que ganhamos de brinde após seu afastamento. Mas com a quantidade de problemas realizados em sua gestão, a falta de comprometimento em tomar medidas sérias que ajudassem no cotengiciamento de gastos, além das próprias fraudes fiscais, entre outras fraudes que começaram a ser desmascaradas agora, não há dúvidas que a aprovação de seu afastamento se dá por motivos muito fortes que vão além dos crimes de responsabilidade. Uma presidente que tivesse sido reponsável não teria aprovação de ser afastada. O fato é que os crimes aconteceram, a lei foi violada, o afastamento é legal e, principalmente, Dilma não tem condições de ser presidente de qualquer instituição.

Seu advogado, ex-Advogado Geral da União que mostrou não defender a União (que foi extorquida) e sim os interesses de Dilma e seu partido, prepara uma tese de defesa baseada na perícia citada acima falando sobre a questão dos “atos comissivos”. No mínimo, deixará a entender que sua cliente é negligente e incompentente, assim como ele próprio.

Que venha Agosto e seu Impeachment definitivo!

 

Quer saber sobre política e economia todos os dias? Me siga no Facebook.

 

 

Importante: As opiniões contidas neste texto são do autor do blog e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney.

Facebook Banning ICO Ads é uma boa coisa para Crypto



Qualquer pessoa que tenha passado algum tempo na "rede social" estará bem ciente de que 80% do que você vê lá é escória digital. O Facebook é conhecido por divulgar cliques, fraudes, propagandas fraudulentas e malware. Finalmente, a empresa fez alguns movimentos para limpar seu ato onde ICOs e publicidade em criptografia estão em causa. Tanto o Facebook quanto o Google foram recentemente capturados sendo pagos por anúncios em sites fraudulentos. Apenas na semana passada foi descoberto
Leia mais
A publicação Facebook Banning ICO Ads, uma boa coisa para Crypto apareceu primeiro no Bitcoinist.com.

O Reino de Bitcoin é o Rei da Criptografia em Perigo … | Notícia


Independentemente de onde suas lealdades estejam na comunidade cripto, a homenagem deve ser paga à solução Blockchain original – Bitcoin. No entanto, há 10 longos anos desde que o Bitcoin surgiu (uma eternidade no espaço de criptografia) e as coisas estão começando a se afastar do Rei.

O caminho de Bitcoin foi mudado para sempre em agosto de 2017, quando um novo desafiante intensificou para o prato em meio ao rápido debate sobre o escalonamento. A Bitcoin Cash apareceu com seus patrocinadores alegando que era a única verdadeira régua . Pouco tempo depois, isso ocorreu O fracasso da Segwit 2x em lançar que essencialmente confirmou o status de Bitcoin como ouro digital . Como um ouro digital, pode não ter rivais, mas no mundo da cryptocurrency pode ter jogado seu último movimento.

O dimensionamento é um tópico constante para criptografia em evolução, e se o Bitcoin não pode escalar corretamente em breve, pode ser abandonado por investidores para uma cryptocurrency mais avançado.

Um rei envelhecido

Depois de ter trazido milhões de usuários para o espaço de criptografia, Bitcoin atingiu um bloqueio de log na sua rede à medida que os blocos disponíveis se enchem de transações mais rapidamente do que podem ser extraídos . Esta carteira de pedidos levou a taxas de transação mais elevadas e tempos de espera mais longos .

Esses fatores acabam sendo contraproducentes para os princípios subjacentes à criptografia, que são para eliminar o poder que os bancos têm sobre o dinheiro. As taxas bancárias e os tempos de espera centralizados são parte integrante da irritação que vem de outra entidade que controla o dinheiro. Bitcoin está aumentando cada vez mais esses maus hábitos, deixando seus usuários com um sentimento de déjà vu voltando aos dias em que os bancos mantiveram o monopólio sobre os serviços monetários.

Esperando nas asas

O movimento de Bitcoin em direção ao ouro digital era uma comunidade decisão, e, portanto, a culpa não pode realmente ser estabelecida puramente nos ombros da moeda. Mas naquele curto período de tempo, as frustrações entre os investidores cresceram em relação aos problemas de escala.

Há outras moedas esperando para tentar tirar o manto de Bitcoin, e isso já foi demonstrado porque Bitcoin sofre uma queda de 50% dominância do mercado desde novembro . Atualmente, a participação de mercado para Bitcoin é um pouco mais de 33%, tendo passado há muito tempo em mais de 60 anos.

Bitcoin Cash é o concorrente mais direto da Bitcoin, tentando substituí-lo como um sistema de caixa eletrônico peer-to-peer ', conforme descrito em seu white paper. No entanto, o Bitcoinc tem mais do que apenas suas substituições potenciais para se preocupar, já que a taxa de adoção da moeda está a reverter. O Bitcoin já dominou uma série de grandes empresas que a adotaram como uma forma de pagamento eletrônico, mas já renegaram em sua adoção. Steam, anteriormente um forte apoiante, já não aceita Bitcoin, enquanto a Microsoft causou confusão quando olhou para parar de aceitar apenas para refutar isso e declarar:

"A Microsoft restaurou o Bitcoin como uma opção de pagamento depois de trabalhar com o nosso fornecedor para garantir que os valores mais baixos da Bitcoin sejam resgatáveis ​​pelos clientes ".

À medida que as empresas se afastam da Bitcoin, mesmo alguns dos nomes mais estabelecidos na cryptocurrency se juntam à marcha para a porta. O CEO cívico Vinny Lingham, que é bem respeitado por suas opiniões na comunidade de criptogramas disse :

"Quando eu olho para o ponto de vista do produto, acho que a maior demanda é para peer-to-peer dinheiro do que para o ouro digital. "

Onde é para Bitcoin?

Atualmente, existem planos em andamento para a moeda digital mais antiga e mais conhecida para tentar superar esse problema de escala. Algumas das soluções que estão sendo consideradas incluem a rede Lightning ou grandes atualizações para a rede, como mudar os tamanhos dos blocos.

Lightning Network uma tecnologia que está sendo testada lenta mas seguramente na rede Bitcoin envolve as operações fora da cadeia e os canais de pagamento de abertura. Com estas transações ocorrendo fora da cadeia, o resultado é uma transação quase instantânea, a uma taxa muito mais barata. Este tipo de atualização exigirá muito consenso e terá que passar por muito mais testes e provas antes de se tornar enraizada e utilizável em larga escala, o que é outro problema que a Bitcoin tem.

Mesmo a idéia de fazer grande as mudanças na rede podem novamente falhar e soltar. Já vimos isso com a falha na atualização potencial do Segwit2x. Os blocos maiores podem resolver o problema, mas Bitcoin irá essencialmente seguir o mesmo caminho que a Bitcoin Cash e com muitos apoiantes firmes na comunidade, é improvável que isso aconteça.

Difícil de destronar

Bitcoin está bem entrincheirado no espaço de criptografia, e provavelmente será uma moeda líder durante um bom tempo, enquanto as pessoas se referem a Bitcoin antes de qualquer outra coisa. Mas, à medida que a comunidade amadurece, explora e exige mais, Bitcoin poderia estar com problemas. As mudanças precisam acontecer, e enquanto Bitcoin não cairá em sua espada muito cedo, se não fizer alterações, então o potencial de falha continuará a aumentar.

Por que o bitcoin é tão revolucionário



O bitcoin é um dinheiro digital. Mas é muito mais do que apenas uma moeda digital, porque é também um sistema de pagamentos global, sem fronteiras, que funciona em uma rede descentralizada…

Dólar é negociado na casa de R$ 3,15 com quadro externo mais calmo – Notícias


O dólar volta a operar em baixa na manhã desta terça-feira. Após o movimento global de busca pela moeda americana no dia anterior, a cotação se acomoda em torno do patamar deR$ 3,15.

O ajuste não se restringe ao mercado brasileiro. As divisas emergentes lideram os ganhos ante o dólar numa lista das 33 principais moedas do mundo. Apenas quatro dessas divisas perdem terreno. O real, por sua vez, tem o décimo melhor desempenho.

Ao redor das 10 horas, o dólar comercial operava em baixa de 0,23%, a R$ 3,1567, tendo tocado mínima em R$ 3,1487.

Além da pressão mais contida no mercado de moedas, os juros dos títulos do Tesouro americano – outro fator negativo para emergentes na véspera – operavam em ligeira queda nesta manhã.

As taxas projetadas pelos contratos de DI giram em torno da estabilidade. O DI janeiro de 2021 era negociado a 8,790%, mesmo valor do ajuste anterior.

Na cena externa, os investidores acompanham a agenda econômica carregada nos Estados Unidos, que inclui a decisão do Federal Reserve (Fed, banco central americano) amanhã. A expectativa é de manutenção das taxas, mas com um comunicado que traga novos sinais sobre o ritmo de aperto monetário.

No Brasil, nesta semana, estão previstas pesquisas eleitorais que podem ajudar o compor o quadro da corrida presidencial. As sondagens acabam ganhando relevância após a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Além disso, o debate sobre a reforma da Previdência tende a voltar para o radar, embora sua aprovação na administração de Michel Temer seja vista com amplo ceticismo. O cronograma do governo é colocar a medida para votação em fevereiro, mas já se admitem atrasos para o mês seguinte.

Bitcoin é um fork e Bitcoin Cash é o blockchain original, dizem cientistas


Estudiosos do National Institute of Standards and Technology, agência ligada ao Departamento de Comércio do governos dos Estados Unidos, criaram um guia para explicar a tecnologia por trás do Bitcoin e chegaram a uma conclusão avassaladora: “tecnicamente, a moeda digital mais popular do mundo é um fork e o Bitcoin Cash seria o blockchain original”.

O documento intitulado “Interagency Report: Blockchain Technology Overview”, apresenta o conceito, discute o uso de criptomoedas e mostra aplicações mais amplas do que as já utilizadas.

Segundo os pesquisadores, a ideia seria ajudar as pessoas a entender como os blockchains funcionam para aplicá-los de forma a serem úteis na resolução de problemas de tecnologia.

Dylan Yaga, um dos cientistas que ajudaram no relatório, afirma que o levantamento é “uma introdução para te ajudar a saber se você deve ou não usar o blockchain”.

A instituição, que tem um orçamento de US$ 1 bilhão por ano, foi convidada a criar um manual sobre a tecnologia logo após o boom do mercado de moedas digitais registrado no último trimestre de 2017.

Boom do blockchain

Os cientistas do governo dos Estados Unidos explicam que os mercados financeiros foram tomados pela mania de criptomoeda, o que atraiu milhares de empresas para o segmento. De acordo com eles, o “blockchain é um novo e poderoso paradigma para os negócios”.

“No mundo corporativo, sempre há um impulso para adotar novas tecnologias. Blockchain é o brinquedo novo de hoje, e há um grande impulso para adotá-lo por causa disso”, esclarece o estudo.

A polêmica

Entretanto o trecho do relatório que mais importa é o que trata sobre o Bitcoin Cash. Nele, os especialistas relatam como foi o nascimento da moeda e decreta que “tecnicamente, o Bitcoin é um fork e o Bitcoin Cash é a blockchain original”.

Os responsáveis pela pesquisa esclarecem que não querem entrar na questão de qual moeda é melhor com a divulgação do conteúdo do estudo, mas sim acabar com os rumores que circundam o mercado de moedas digitais.

 

Cientistas afirmam que “Bitcoin é um fork e Bitcoin Cash é o blockchain original”

Avalie


Por que o SegWit2x é altamente arriscado para o bitcoin



O SegWit2x pode evitar um fork no curto prazo, mas garante um mais adiante. Evitar uma ruptura agora para garantir uma muito pior mais adiante. Para saber mais: Artigo de Luke Dashjr “The…