CoinX Explica: O que é um ataque DDoS e Como Proteger as Corretoras de Criptomoedas


Qualquer um na internet pode ser vítima de um ataque DDoS – tanto sendo o alvo, quanto sendo silenciosamente usado como ferramenta pelos hackers. Em 2017, foram 7,5 milhões de ataque no mundo, dos quais 264,9 mil aconteceram no Brasil. Neste ano, o Github, maior plataforma de hospedagem de código-fonte do mundo, entrou para as estatísticas com o maior ataque DDoS da história. E, cada vez mais, as exchanges de criptomoedas têm sido alvo deste mesmo tipo de hackeamento. Neste artigo, você vai entender o que é um ataque DDoS, suas consequências e maneiras de se proteger dele.

Ataque DDoS: derrubando tudo

O ataque distribuído de negação de serviço (Distributed Denial of Service) consiste no sobrecarregamento da rede de um site por meio de um número de acessos simultâneos maior do que o servidor pode suportar. Este tráfego é criado artificialmente pelos hackers usando máquinas “zumbis“, chamadas bots, como computadores, celulares e dispositivos IoT sob o poder da máquina mestre, que infecta seu “exército” (formando um botnet) silenciosamente para executar remotamente o comando dos acessos direcionados à vítima. Uma vez que os servidores têm um limite de acessos simultâneos, quando o comando do hacker é executado os sites saem do ar, resultando na negação do acesso aos seus usuários comuns.

Além da técnica acima, chamada Zombie Flood, existem outros quatro principais tipos de estratégias de DDoS:

  1. Syn Flood: conexões mascaradas (hackers disfarçados de usuários comuns) para paralisar parcialmente a rede até ela cair.
  2. ICMP Flood: pacotes de ICMP (Internet Control Message Protocol) transportam os servidores até a falha de seu sistema para que ele entre em colapso.
  3. Non-Service Port Flood: protocolos de TCP (Transmission Control Protocol) e UDP (User Datagram Protocol) aumentam o tráfego nas portas menos usadas do site.
  4. Service Port Flood: acessos simultâneos dentro e fora da rede por meio de portas que já recebem alto tráfego normalmente.

Aqui você pode ver uma lista completa dos tipos de ataques DDoS.

Os estragos deixados

Quando direcionado para negócios, os ataques distribuído de negação de serviço impedem a possibilidade de conversão – seja ela uma venda, um contato ou um download. Já em casos de entidades governamentais, como já aconteceu com as páginas da Receita Federal e da Presidência da República, o problema se concentra na credibilidade destas. No caso de exchanges e criptomoedas, sofre-se ambos prejuízos.

Se, por um lado, este tipo de hackeamento não rouba nenhuma quantia, por outro, ele impede que as transações sejam feitas em tempo hábil, resultando na queda da cotação de criptomoedas de alto valor e, consequentemente, em prejuízos para seus titulares. Estes, por sua vez, não só ficam enfurecidos com as plataformas, como também podem deixar de confiar nelas para realizar suas transações mesmo depois que o problema for resolvido.

É o caso das americanas Poloniex e Kraken, bem como do Bitcoin Gold, uma das bifurcações do Bitcoin. Durante o lançamento deste último, houveram mais de 10 milhões de acessos por minuto, resultando no colapso da página.

O pior caso de todos, no entanto, parece ter sido o da Bitfinex, uma das principais exchanges do mundo. Quando o Bitcoin estava na casa dos US$11.450, no dia 4 de dezembro de 2017, a plataforma ficou fora do ar e declarou estar sob um ataque de DDoS. Desde o colapso do site até o momento em que seus técnicos mitigaram os acessos maliciosos, o valor da criptomoeda foi a US$10.780. Este foi apenas mais um dos três ataques sofridos pela exchange em questão de um mês.

Por que as exchanges?

Os ataques de DDoS frequentemente são direcionados a negócios de alta visibilidade. Com a crescente popularização das criptomoedas, as exchanges têm ganhado a atenção dos hackers, especialmente porque, por dependerem exclusivamente do tráfego para suas plataformas, os estragos de uma suspensão de acesso refletem em todo o ecossistema. E quanto maior a exchange, maior o impacto.

Algumas soluções

Considerando que há diversas formas de executar um ataque de DDoS, a estratégia de proteção deve contar com uma combinação de vários métodos para ser, de fato, efetiva. O maior desafio é distinguir o tráfego orgânico (bom) do criado pelos hackers (malicioso), que dispõem de recursos complexos para misturar com os usuários comuns do site. Uma das soluções para essa questão é a criação de camadas, possibilitando a eliminação apenas daquelas contaminadas. Outros recursos mais simples são a contratação de sistemas de detecção de intrusos e proteção remota.

É preciso também investir em banda larga – quanto maior for a conexão do site com a internet, melhor ele vai lidar com o tráfego sobrecarregado. A blockchain pode, inclusive, ajudar nisso, uma vez que é possível alugar largura de banda nela. Uma conexão reserva também pode minimizar o impacto do ataque ao permitir que os principais usuários sejam redirecionados para um caminho diferente daquele afetado. Em caso de sites maiores, pode até ser mais vantajoso trabalhar com um servidor próprio, a fim de que a equipe interna possa analisar seu tráfego e identificar atividades suspeitas, bem como mitigá-las o quanto antes.

Existem algumas estratégias mais avançadas, como a limitação do tráfego que será aceito em determinado tempo. O Anycast, por sua vez, é um método de difusão/roteamento do tráfego para outras redes próximas, aliviando o impacto no principal canal. Por sua vez, a inserção de uma Web Application Firewall (WAF) entre a internet e o servidor pode filtrar os acessos de acordo com regras personalizadas para identificar um ataque DDoS. Finalmente, a técnica de Black Hole Routing (roteamento nulo) afunila o tráfego para uma rota que funciona como um buraco negro, que absorve os acessos maliciosos com base nos critérios de restrição definidos.

Sistema de segurança da CoinX

A exchange brasileira CoinX emprega uma estratégia de proteção que combina diferentes técnicas contra DDoS, além de possuir a certificação High SSL, uma tecnologia de criação de camadas criptografadas. Saiba mais sobre o assunto no website: https://www.coinx.com.br.



Tabelar frete é ir contra ‘regra pétrea’ da economia, diz Fundação Dom Cabral – Notícias


Tabelar o frete rodoviário, como está sendo proposto pelo governo federal, é uma medida que vai contra a regra “pétrea” de oferta e demanda que rege a economia, avalia Paulo Resende, coordenador do Núcleo de Logística, Infraestrutura e Supply Chain da Fundação Dom Cabral (FDC). “Acho que qualquer poder que quiser mediar uma discussão de tabela de frete corre o risco de mediar uma coisa que não dá fruto”, disse durante evento da FDC para lançar a Plataforma de Infraestrutura em Logística de Transportes (PILT).

Ainda na discussão sobre o frete, o especialista disse enxergar um “vácuo preocupante de intermediação técnica” no País. “A intervenção da instância suprema do Judiciário mediando situações desse tipo nos mostra a grande distorção institucional que o Brasil vive”, opina Resende.

Conforme dados da plataforma lançada nesta quinta-feira pela FDC, os embarcadores de carga deverão ver um aumento de cerca de R$ 130 bilhões de seus custos logísticos até 2035 – cenário que considera a implementação dos principais projetos federais nos setores de rodovias, portos, hidrovias e ferrovias até 2025 e a manutenção do estoque de infraestrutura existente.

Porém, Paulo Resende destaca que essa elevação dos custos nos próximos 20 anos não irá, necessariamente, se reverter em alta do frete. “O frete é um preço final, é uma remuneração final. Você tem a formação dos custos e o frete. Entre o frete e a formação dos custos, você tem a margem, seja do autônomo ou das transportadoras. Se nós tivermos um olhar estratégico, uma das formas de melhorar a margem do caminhoneiro e do transportador é melhorar a infraestrutura brasileira”, conclui.

"Vender Criptomoedas é como Vender a Apple em 2001", diz CEO da eToro


Com a fachada da loja da Apple (Foto: Ashokboghani / Flickr)

Com mais de US $ 9 milhões levantados por ICOs desde o início do ano como criptomoedas vivem um boom semelhante ao da internet no fim dos anos 90. Pesquisadores ouvidos pela Business Insider relacionam o momento com a “bolha da internet”: grande parte dos projetos falham, mas eles são líderes para hoje, como Google e Amazon.

“Na minha visão de prazo longo, vender [empresas de] é hoje um fornecedor de maçã em 2001”, disse Yoni Assia, investidor de bitcoin e ethereum e CEO da eToro, plataforma de negociação que a opera de criptomoedas.

, uma escala dessa proporção “nunca existiu antes, nem mesmo na bolha da internet”. Assia exemplifica: um livro whitepaper e, facilmente, 100 mil milionários leem o documento. Se 1 mil colocam US $ 10 mil, um ICO já consegue $ 10 milhões

Nesse contexto, claro que há ceticismo. Para Assia, “95% das startups terminarão em nada”. A visão é semelhante a outros investidores, como Obi Nwosu, CEO da exchange de bitcoin Coinfloor.

Para ele, um dos 20 projetos mais procurados, serão as “dezenas de fornecedores aplicativos matadores”. Já Dominik Schiener, criador da criptomoeda IOTA, acreditou que menos de 10 dos mais de 1.400 projetos relacionados a novos empreendimentos ligados a [19659021] blockchain, que está entre as tecnologias mais promissoras para os negócios . This content is present in the middle of the world, in the middle content, and the different resources to the process. [19659022] produtos e serviços nessa área chegaram a US $ 9,2 bilhões em 2021, 10 vezes mais do que os US $ 945 milhões registrados no ano passado. Para 2018, uma projeção é de US $ 2,1 bilhões.

Leia também: Análise Técnica Bitcoin 21/06/18

BitcoinTrade

A BitcoinTrade é uma solução melhor para compra e venda de criptomoedas.
Negocie Bitcoin, Ethereum e Litecoin com total segurança e liquidez.
Acesse agora ou baixe nosso aplicativo para iOS ou Android:
https://www.bitcointrade.com.br /

Projeto que viabiliza venda das distribuidoras da Eletrobras é adiado e preocupa setor – 21/06/2018 – Mercado


A votação do projeto que lei que viabiliza a venda das distribuidoras de energia da Eletrobras no Norte foi adiada mais uma vez nesta quarta (20), o que gerou apreensão entre o setor elétrico. 

O objetivo do projeto é permitir que as dívidas bilionárias das companhias sejam pagas com fundos setoriais —ou seja, incluídas na conta de luz do consumidor—, o que possibilitaria a atração de investidores aos leilões, marcados para o dia 26 de julho.

A solução é apontada por analistas do setor como a única saída para evitar outro cenário ainda mais grave: a liquidação das empresas. 

A liquidação é considerada uma medida extrema, pois geraria dúvidas sobre a continuidade da prestação do serviço, a possibilidade de uma demissão em massa de funcionários e uma enorme transferência de passivos à Eletrobras, controladora das empresas. 

“Criaria um problema, porque nunca houve uma liquidação de uma concessionária na história”, afirmou Nelson Leite, presidente da Abradee, associação das distribuidoras de energia.  

As quatro distribuidoras localizadas no Norte do país acumulam passivos de R$ 29,8 bilhões. A Amazonas Energia tem a situação mais grave, com débitos de R$ 20,37 bilhões. 

A solução é essencial para atrair interessados ao certame e evitar a liquidação, principalmente no caso da empresa amazonense, afirma Gustavo de Marchi, sócio do  Décio Freire & Associados. 

A cada vez menor janela de oportunidade para votar o projeto, porém, preocupa o setor. 

Há um requerimento de urgência que aguarda votação do plenário da Câmara, para que o texto siga diretamente ao plenário. 

Para que a urgência do projeto de lei seja aprovada, é preciso o voto de 257 deputados –o que será difícil na próxima semana, em que a bancada nordestina deverá se ausentar para participar das festas juninas em seus estados, diz o analista político Leandro Gabiati.

Ainda haveria a possibilidade de votação na primeira semana de julho, a última antes do recesso parlamentar. No entanto, a pauta da Câmara segue disputada, e a matéria ainda deverá passar pelo Senado, ele explica. 

A Eletrobras já obteve autorização para prorrogar a prestação do serviço nos seis estados enquanto o leilão não é realizado —falta apenas a aprovação da prorrogação na assembleia de acionistas da estatal. 

No entanto, analistas do mercado avaliam que os atrasos podem prejudicar o interesse dos investidores e, à medida que as eleições se aproximam, a votação fica ainda mais difícil. 

O equacionamento das dívidas das distribuidoras do Norte era um dos pontos presentes na medida provisória 814, que caducou no último mês. O projeto de lei é uma nova tentativa de aprovar a medida. 

Associações do setor elétrico também pressionam pela inclusão de outra solução que estava presente na MP 814: a resolução do chamado risco hidrológico, briga do setor que tem gerado um rombo de R$ 6 bilhões não pagos por geradores hidrelétricos. 

No entanto, há uma resistência em incluir esta e outras emendas para simplificar a tramitação e garantir que o problema das distribuidoras seja resolvido. 

O governo já trabalha formas de resolver o problema do risco hidrológico no âmbito regulatório, sem que haja a necessidade de passar pelo Congresso. 

Urgência de decreto que permite venda direta de etanol é rejeitada – Notícias


O plenário da Câmara dos Deputados rejeitou na noite desta quarta-feira, 20, a urgência do projeto de decreto legislativo que permite a venda direta de etanol pelos produtores aos postos de combustíveis. Eram necessários 257 votos favoráveis para a urgência, mas só houve 213 apoios. Outros 98 deputados votaram não e três se abstiveram.

Vice-líder do governo, o deputado Beto Mansur (PRB-SP), disse que a votação da urgência era desnecessária. “Isso é um jabuti eleitoral”, afirmou.

A proposta em apreciação foi apresentada pelos deputados, mas o projeto de decreto aprovado ontem no Senado Federal deve tramitar em conjunto.

A estratégia dos parlamentares é apressar a aprovação do decreto, que terá efeitos imediatos e não pode ser sustado pelo Executivo. Com a urgência, ele ganharia prioridade e poderia ser votado diretamente no plenário, sem passar por comissões.

Só depois da aprovação do decreto é que um projeto de lei minimizando o impacto fiscal da medida será colocado em pauta. A ideia é obrigar o governo a aprovar essa proposta para conseguir ao menos recompor as receitas que seriam perdidas com a venda direta.

Se a Câmara optasse por votar diretamente o projeto de lei, ele poderia ser vetado pelo presidente Michel Temer. A aprovação do decreto primeiro acaba fazendo com que o governo precise aprovar o projeto de lei para reverter perdas.

O deputado Evandro Gussi (PV-SP) disse que o governo vai perder R$ 2,8 bilhões em receitas com a aprovação do decreto.

É o fim do Bitcoin? – Fernando Ulrich 06/02




É o fim do Bitcoin? Fernando Ulrich comenta derrocada dos preços e fala se é hora de comprar!? SE INSCREVA NO CANAL.

O que é isso? – Notícias da moeda Crypto


 Criptomoeda com base em ouro "title =" Criptomoeda baseada em ouro

O surgimento da criptomoeda foi tão súbito e generalizado que, antes que o mundo pudesse perceber o que estava acontecendo, estava em profundidade.

Criptocorrência ganha popularidade extrema devido ao seu novo status como uma opção de investimento, longe dos riscos cambiais que vêm com todas as outras opções de investimento. Com tais riscos envolvidos em criptomoedas, as próximas moedas criptografadas apoiadas em ouro estão tentando estabilizá-lo até certo ponto e fornecer alguma segurança aos proprietários de criptomoedas.

Como funciona a criptomoeda?

Criptomoeda não está presente em um tangível forma, uma vez que é um produto da tecnologia blockchain. Isso pode levar a pessoa a não levar isso a sério, mas o crescimento imbatível das criptomoedas, como o Bitcoin, é uma prova do porquê de se levar isso a sério.

As funções de criptomoeda são muito diferentes das da moeda fiduciária. É uma moeda digital, livre de regulamentações criadas por governos e bancos

. Saber que a criptomoeda é completamente descentralizada encoraja muitos a usá-la; mas muitas vezes, isso também se torna a razão por trás da queda da moeda, assim como um aumento no risco envolvido.

Não há estrutura tangível de como a criptomoeda é feita e sua criação depende da demanda e da oferta. [19659005] A incerteza e a volatilidade da criptomoeda

Criptomoeda é difícil de entender e requer uma extensa pesquisa por parte do comprador para comprar qualquer forma com segurança.

Além de questões como perder a carteira de criptomoedas, ser vítima de uma hack, falta de assistência jurídica adequada para recuperação, etc., há um problema com a incerteza e a volatilidade do mercado de criptomoedas.

O fator preciso que impulsiona a taxa de criptomoedas nem sempre é possível apontar. No entanto, como a maioria das commodities no mercado, sua taxa depende da demanda e oferta

No entanto, uma vez que o tamanho de um mercado de criptografia é muito menor do que um mercado de ações real, um pequeno movimento de uma criptografia pode ter um enorme impacto sobre seu preço.

A questão da legalidade das criptocorrências também é preocupante. Alguns governos consideram isso ilegal porque uma moeda alternativa contra a moeda nacionalizada significaria enormes problemas para o governo, sem mencionar a falta de renda na forma de impostos.

Uma vez que criptomoedas começaram a ser percebidas como portos seguros para investimentos, apenas uma questão de tempo até que o ouro e a criptomoeda formavam um relacionamento.

Além disso, o valor do mercado de ouro ou, simplesmente, o preço do ouro é fixado em um determinado momento e isso é reconfortante considerando as taxas de criptomoeda flutuarem sem qualquer Explicação ou ritmo definido

O ouro é considerado um dos metais mais preciosos e uma forma segura de investir dinheiro e obter resultados a longo prazo. Como o ouro está presente em uma forma física, é muito mais confiável para a maioria da população.

Várias criptomoedas apoiadas por ouro estão surgindo e começaram a oferecer ofertas de moeda inicial da ICO para arrecadar dinheiro para suas startups. A OIC pode ser comprada facilmente com moeda fiduciária.

Desta forma, moedas criptografadas apoiadas pelo ouro visam proporcionar alguma sensação de segurança aos proprietários, pois seu dinheiro digital também tem algum valor na forma de dinheiro fiduciário.

verdadeiramente revolucionário, pois preenche a lacuna entre moedas digitais e dinheiro fiduciário. No entanto, isso não indica qualquer relação de mercado entre os dois e nem vai afetar os preços do ouro.

Como funciona a criptomoeda baseada em ouro

Para emitir uma moeda, um símbolo ou uma moeda representando o valor de ouro é emitido. O valor do ouro por moeda / token pode depender da própria criptomoeda

Por exemplo, o OneGram – uma nova criptomoeda baseada em ouro – está estabelecendo um preço mínimo para todas as suas moedas como o preço do ouro de 1 grama de ouro .

Esse ouro é armazenado com segurança com terceiros ou pode ser negociado com outros negociantes / detentores de moeda.

Isso garante um valor mínimo do token / moeda, pois o valor desse ouro é baseado no preço do ouro o dia; Assim, mesmo que no mínimo, a moeda seja igual ao preço atual do ouro.

Certos países também estão procurando emitir suas próprias formas de criptomoedas apoiadas pelo ouro, uma vez que oferece uma realidade tangível antes ausente das criptocorrências.

Em uma tentativa de se afastar do dinheiro, a China está desenvolvendo suas próprias criptomoedas. Como a China é a maior compradora de ouro do mundo e vem acumulando ouro em suas reservas bancárias, não seria de surpreender que essa nova criptomoeda também seja apoiada pelo ouro.

Criptomoedas com o apoio de ouro nas quais você pode investir

Já existem várias empresas que oferecem criptomoedas com base em ouro aos compradores.

O ouro físico garante que o valor dessas criptomoedas seja armazenado em cofres em vários países do mundo, dependendo do token envolvido e da criptomoeda em si.

Estas são algumas das criptomoedas suportadas pelo ouro que estão sendo oferecidas no mercado agora:

  1. Lionsgold
  2. OneGram
  3. Goldmint
  4. Xaurum
  5. Moeda de Ouro

Outras moedas criptográficas estão em o processo de começar e oferecer pré-OICs (uma venda simbólica oferecida antes da campanha oficial da OIC ou venda coletiva), o que pode ajudar investidores e compradores a ganhar algum dinheiro.

No entanto, é crucial fazer uma pesquisa adequada. antes de fazer um investimento nessas moedas criptografadas

  1. Moeda de Ouro
  2. GoldVein
  3. GoldMineCoin

Como Comprar Criptomoedas com o Gold

Bitcoin e Ethereum são duas principais criptomoedas que estão sendo usadas para comprar alternativas Para comprar qualquer criptomoeda com suporte a ouro, é essencial ter um estoque de Bitcoin ou Ethereum primeiro.

Diferentes plataformas e criptomoedas têm suas próprias necessidades do que é necessário para fazer uma compra, dependendo do token e o que é executado. Normalmente, o Ethereum é usado para este propósito.

Para comprar Bitcoin ou Ethereum, a moeda fiduciária pode ser depositada nas trocas de criptografia. É importante usar somente trocas de criptografia confiáveis ​​e aprovadas para este propósito.

>> Confira estas 10 trocas de criptografia

O que levar

Criptomoedas têm sido populares e temidas ao mesmo tempo desde que eles surgiram, mas usar o ouro para apoiar a criptomoeda certamente os tornará uma forma de moeda muito mais confiável.

O desenvolvimento e o sucesso ou os fracassos de muitos futuros empreendimentos de criptomoedas baseados em ouro são muito aguardados para para ver o destino dessa nova forma de criptomoeda

É importante estar bem informado antes de investir em uma criptomoeda, já que a maioria das pessoas perde dinheiro sem entender o que exatamente aconteceu.

Um entendimento e um conhecimento adequado do criptograma. mercado é necessário para se aventurar no mundo da criptomoeda; uma vez feito, ele pode render resultados imbatíveis e tem muitas outras vantagens também.

Imagem destacada: depositphotos / maximsamos

Se você gostou deste artigo Clique para compartilhar

Temer diz que desinformação em período eleitoral é mal para o país – Notícias


(Reuters) – O presidente Michel Temer afirmou nesta quarta-feira que os eleitores devem ficar atentos a candidatos que apostam na desinformação no período eleitoral de olho em interesses próprios, e ressaltou a importância do papel da imprensa para combater as chamadas “fake news”.

“É importante, talvez mais do que votar em candidato, até votar em projeto. Daí sim, você estará fazendo algo pelo país”, disse Temer em discurso em seminário da Associação Brasileira de Rádio e Televisão sobre Fake News. “Porque as desinformações, ou digamos assim, a malemolência muitas vezes de candidatos ao fundamento de que ‘ah, não vou dizer isso porque eu perco eleitorado tal, eleitorado qual’, é um mal para o país”.

Temer, que recebeu um prêmio da Abratel, acrescentou ser fundamental o papel da imprensa para informar corretamente a população e combater as notícias falsas.

A humanidade tem mil problemas, mas a blockchain não é um deles


Nos últimos séculos, as instituições da civilização ocidental forneceram a arquitetura para a economia global. A economia forneceu uma quantidade imensa de riqueza, alimentação, educação e liberdade para milhões de pessoas. Mas agora que as engrenagens capitalistas foram postas em movimento, parece difícil frear que as corporações multinacionais e de 1% controlem níveis tirânicos de poder.

Como a tecnologia acelerou exponencialmente, as instituições que compõem esta economia parecem cada vez mais antiquadas. Como é possível que os bancos possam continuar a apostar com o dinheiro dos depositantes e contar com os resgates do governo? Como é possível que as eleições ainda possam ser manipuladas? Como é possível que haja violações de dados que afetam uma parcela significativa da população humana? Por que ainda leva vários dias para liquidar uma transferência de dinheiro? Podemos pousar um homem na lua, mas não podemos enviar a minha avó no México o dinheiro para pagar o seu aluguel até sexta-feira?

Em suma, a humanidade tem uma tonelada de problemas. Mas, felizmente, a tecnologia blockchain pode resolver muitos deles.

As criptomoedas e seus ecossistemas eliminam completamente a necessidade de bancos. Toda vez que eu leio sobre o futuro das criptomoedas, eu tenho uma visão metafórica da cena no filme Fightclub … quando os arranha-céus da empresa de cartão de crédito caem no chão (ninguém morreu). Isso foi estranhamente catártico. Se você não concordar, é provavelmente porque você gosta de longas esperas com cordas de veludo.

A tecnologia blockchain pode garantir total transparência para as eleições e uma infinidade de outros processos organizacionais. Quando Edward Snowden apontou a maneira exata como as máquinas de votação nos EUA durante as eleições de 2016 poderiam ser comprometidas, eu fiquei tipo “Por que ele é considerado um inimigo do estado? E não podemos construir uma máquina de votação com provas falsas? !!

Ironicamente, de todos os país a Russia é que já está no processo de usar blockchain para garantir eleições locais transparentes.

Todos os nossos processos governamentais não precisam ser substituídos (juntamente com todos os políticos)? O governo da Estônia (também conhecido como SkypeLandia) está construindo um governo digital inteiro parcialmente baseado na tecnologia blockchain. Acho que isso significa que você não teria mais que guardar seu frágil cartão de seguridade social com sua vida. Não seria tão orgástico, mas aparentemente antipatriótico, queimá-lo?

A Blockchain da empresa Bloom, está trabalhando em um processo disruptivo que substituirá a necessidade das três agências de crédito que todos nós odiamos (Experian, Equifax e Transunion).

Existe uma razão pela qual nós os odiamos. Eles não fazem um bom trabalho com o que dizem, cobram preços exorbitantes e continuam violando nossos dados! Role a cena do Fightclub novamente por favor.

E a minha avó teórica no México? Ela precisou do meu dinheiro ontem e eu não quero pagar à essa empresa obscura chamada Western Union taxas ridículas. Eu não quero que ela tenha que sair de casa, para um ônibus lotado e para uma mercearia … só para ser mandada de volta porque ela não tinha a identificação certa. Western Union? Eles provavelmente ainda estão usando a tecnologia telegráfica! Eu os odeio. Nós te odiamos, PARE. Você só entenderá essa piada se assistir filmes antigos.

Mas, na verdade, a Western Union está investindo na tecnologia blockchain.

Boa ideia Western Union. Eu pareço lembrar de uma empresa chamada Blockbuster que simplesmente não viu a escrita na parede. A Ripple é uma empresa de blockchain apoiada pelo google ventures que está ajudando a substituir a tecnologia de transferência de dinheiro interbancária que leva tanto tempo. E aqui estão mais 11 empresas que estão interrompendo o espaço de remessas.

Mas isso é apenas o começo. Ethereum e Holochain não são criptomoedas (Ether e Holo são). Eles são potenciais backbones de um futuro digital. Eu não posso esperar até que eu esteja executando contratos inteligentes que eliminem a necessidade de um sistema legal. Sim, claro que odeio advogados.

Ethereum e Holochain estão escrevendo o DNA que poderá criar organismos sociais que serão realmente democráticos e transparentes.

Em resumo, a humanidade vai para o inferno em uma cesta de mão. Mas estamos percebendo que somos capazes de mais do que tecnologia de tecelagem de cestos. Eu, pelo menos, tenho um plano que não envolve queimar um arranha-céu ou meu cartão de seguridade social. Estou me mudando para a Estônia. Terra dos livres. Lar dos bravos. Eu só tenho que descobrir onde ela está localizada primeiro.

(Sean O’Donoghue Morgan)

Fonte: https://blog.goodaudience.com/humanitys-got-99-problems-but-a-blockchain-ain-t-one-bac4deb57a55

Guia do Bitcoin

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin!
Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: http://guiadobitcoin.com.br/feed/

Previous:

As Principais vantagens da tecnologia Blockchain

Postado em junho 19, 2018

Next:

URGENTE: Bithumb Hackeada em 30 milhões de dólares!

Postado em junho 19, 2018



Camboja: lidar com criptomoedas sem licença é ilegal


De acordo com uma nota publicada pelo Banco Nacional do Camboja, qualquer tipo de operação com criptomoedas sem a licença adequada é ilegal. De acordo com a nota:

“As autoridades competentes esclarecem que a propagação, circulação, compra, venda, negociação ou compensação de criptomoedas sem a obtenção de licença junto às autoridades são atividades ilegais”

O documento foi anunciado em 11 de maio de 2018, mas só saiu hoje no site oficial do banco. Foi assinado pelo Banco Nacional do Camboja, a Comissão de Valores Mobiliários do Camboja e o Comissariado Geral da Polícia Nacional. Eles citam moedas locais específicas, como a KH Coin, a SunCoin, K Coin, One-coin e Forex coin. A One-coin já sofria suspeitas de ser um esquema de pirâmide, e inclusive seus servidores foram fechados pela polícia na Bulgária.

De acordo com as agências do governo, as criptomoedas representam um risco social significativo. Entre as razões para a proibição estão o fato de que as criptomoedas não contam com colateral, a volatilidade das criptomoedas, o alto risco de roubo e golpes, e a ausência de mecanismos de proteção ao consumidor.

Esse é mais um movimento do país na direção da proibição do Bitcoin. Em dezembro, o Banco Nacional do Camboja anunciou que os bancos locais estavam proibidos de negociarem ou fazerem propaganda de criptomoedas. Como resultado, os cidadãos vêm encontrando dificuldades em usar suas contas bancárias para comprar criptomoedas. Apesar disso, a competência de regulação ainda não está clara no país. O Banco Nacional cuida de algumas partes, enquanto a Comissão de Valores Mobiliários do Camboja cuida de outros.

O país curiosamente está explorando a possibilidade de criar sua própria criptomoeda. Em uma nota liberada logo depois de uma reunião da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), o país sugeriu que estava investigando um projeto chamado Entapay, parecido com o Petro venezuelano.

Outros países com proibições semelhantes incluem Índia e Paquistão.

Conheça o Mercado Bitcoin, maior corretora de criptomoedas da América Latina

Camboja: lidar com criptomoedas sem licença é ilegal

Avalie