Edital de venda de distribuidoras da Eletrobras sai no dia 15, diz Dyogo – Notícias


O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, informou nesta quarta-feira, 13, que o edital da privatização de seis distribuidoras da Eletrobras será divulgado na sexta-feira, 15.

“É o pontapé efetivo do processo das distribuidoras. No Congresso, a boa notícia é que aprovaram a urgência da votação do PL projeto de lei que destrava a venda das distribuidoras. É uma pauta super importante da agenda de reformas. Havia alguma dificuldade, mas conseguimos destravar essa agenda”, disse Dyogo Oliveira após participar de um evento promovido pelo Santander na capital paulista.

Em entrevista a jornalistas, ele chegou a dizer que o banco estava se preparando para soltar ainda nesta quarta o edital.

BNDES vai reduzir prazo final de pagamento da dívida com Tesouro, diz Dyogo – Notícias


O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, disse nesta segunda-feira, 11, que o banco antecipará o prazo final para o pagamento da dívida com o Tesouro Nacional em 10 a 15 anos. O limite para quitar o saldo devedor é 2060, mas a antecipação desse prazo está sendo negociada com o governo.

Segundo Oliveira, após a antecipação de mais R$ 100 bilhões em 2018, o BNDES ainda terá R$ 250 bilhões a serem pagos. “Estamos negociando com o Tesouro para reduzir esse prazo. Os pagamentos eram concentrados nos últimos cinco anos. Estamos acertando um processo mais linear de devolução”, afirmou.

Desde 2016, o BNDES vem antecipando pagamentos ao Tesouro Nacional. Nos últimos dois anos, foram pagos R$ 150 bilhões.

Neste ano, já foram devolvidos R$ 30 bilhões e outros R$ 100 bilhões serão pagos até agosto, o que ajudará o Tesouro a cumprir a chamada “Regra de Ouro”, que impede que o governo se endivide acima do patamar que investe.

Para 2019, no entanto, Oliveira disse que o montante a ser pago será bem menor. “O volume de 2018 é muito alto, foi feito um esforço do banco para colaborar com o Tesouro. Para 2019, a lógica é o fluxo normal de pagamentos que iria até 2060”, afirmou.