PagueComBitcoin e PagSeguro: Um Exemplo de Uso do Bitcoin Combinado com um Cartão Pré-Pago.




O serviço PagueComBitcoin, permite o pagamento de boletos e recarga de celular. Há outros projetos neste site, em fase de testes, que facilitaram muito o uso …

Com dólar em alta, BC reforça atuação no mercado de câmbio – 22/06/2018 – Mercado


Em um cenário de dólar em alta, o Banco Central (BC) vai reforçar a atuação no mercado de câmbio nos próximos dias. A autoridade monetária anunciou nesta sexta-feira (22) que usará um instrumento que pode injetar US$ 3 bilhões no mercado.

Na segunda-feira (25), o BC fará um leilão de linha nesse valor. Na prática, o mecanismo funciona como uma venda de dólares com compromisso de recompra. A data para que o BC compre de volta os US$ 3 bilhões foi agendada para o dia 2 de agosto.

A injeção da moeda americana no mercado brasileiro aumenta a oferta e pode pressionar para baixo a cotação. Nesta sexta-feira, o dólar encerrou as negociações cotado a R$ 3,78. Na semana, a valorização é de cerca de 1,5%

A utilização de leilões de linha pelo BC não tem sido rotineira. A última vez que o instrumento foi usado foi no dia 29 de março, em valor menor, de US$ 2 bilhões.

Em nota, o Banco Central informou também que continuará ofertando contratos de swap cambial na próxima semana “de acordo com as condições de mercado, para prover liquidez e contribuir para o bom funcionamento do mercado de câmbio”. O swap é uma operação equivalente a uma venda de dólares no mercado futuro.

“O BC reafirma que não vê restrições para que o estoque de swaps cambiais exceda consideravelmente os volumes máximos atingidos no passado”, diz a nota.

A autoridade monetária afirmou ainda que o BC e o Tesouro Nacional continuarão a atuar de forma coordenada no mercado de juros para garantir liquidez e contribuir para o seu bom funcionamento.

O chefe de estratégias do câmbio Bitfinex pediu demissão


O vice-presidente de estratégia da Bitfinex, Phil Potter, está renunciando à empresa, informou a Reuters em 22 de junho. Potter será substituído pelo CEO da Bitfinex, Jean-Louis van der Velde.

Potter comentou que era o “tempo natural para [ele] deixar a equipe executiva”, enquanto a Bitfinex recorria a “outros mercados internacionais estratégicos”. Segundo a Reuters, ele mencionou “novas oportunidades” por vir, mas não especificou o que seria.

Bitfinex é a quarta maior bolsa de criptos por volume de negócios, segundo a Coinmarketcap, e compartilha gestão com a Tether, uma empresa que emite fichas digitais atreladas ao dólar americano.

Tether foi criticado no passado por céticos que duvidam que ele realmente detém $1  em reserva para cada token emitido. Em dezembro, o Bitfinex e o emissor de fichas Tether receberam intimações de reguladores dos EUA à medida que continuavam a surgir dúvidas sobre o valor “verdadeiro” deste último.

No início desta semana, o conselho geral de Tether confirmou que o Tether realmente apoiou todos os seus tokens, embora tenha tido o cuidado de notar que não se tratava de uma auditoria oficial e de que eles não são uma firma de contabilidade.

No início deste mês, uma Universidade do Texas divulgou um artigo de pesquisa alegando que o token do Tether poderia ter sido usado para manipular o preço do Bitcoin (BTC) no ano passado, durante o aumento vertiginoso.



Sexta maior casa de câmbio de cripto do mundo por volume de negócios


Hackers roubaram criptomoedas no valor de US $ 30 milhões da principal casa de câmbio cripto da Coréia do Sul, a Bithumb, reportou a Cointelegraph Japan em 19 de junho. Como resultado, todos os depósitos e pagamentos foram temporariamente suspensos.

*Todo o serviço de depósito e saque será interrompido para garantir a segurança. Informaremos sobre o reinício dos serviços. Pedimos desculpas pelo inconveniente e agradecemos sua compreensão.

A casa afirma que compensará os usuários afetados pelo hack e que todos os ativos estão sendo transferidos para uma carteira fria:

“[Notificação da suspensão de todo serviço de depósito e saque]

Verificamos que algumas das criptomoedas avaliadas em cerca de US $ 30.000.000 foram roubadas. Essas criptomoedas roubadas serão cobertas pela Bithumb e todos os ativos estão sendo transferidos para uma carteira fria”.

A Bithumb moveu uma grande quantidade de Ethereum para sua carteira fria quando recentemente notou um acesso anormal. Em 16 de junho, a Bithumb anunciou uma verificação abrupta do servidor “para maximizar as configurações de segurança”. A manutenção foi planejada das 5:20 am às 9:00 am KST, mas excedeu o horário programado.

De acordo com funcionários residentes coreanos do Sentinel Protocol, um projeto especializado em hacking, golpes e detecção de fraude, a carteira foi hackeada na noite de 19 de junho e algumas das moedas roubadas incluem o Ripple.

De acordo com a CoinMarketCap, o volume de negócios de 24 horas da Bithumb no momento é de mais de US $ 374 milhões, o sexto maior do mundo.

No início deste mês, hackers roubaram cerca de US $37 milhões da Coinrail, outra casa de câmbio cripto sul-coreana. Embora a Coinrail tenha sido classificada apenas como a 99ª maior casa de cripto do mundo em termos de volume de comércio, alguns meios de comunicação afirmaram que o hack era o responsável pelo “crash” dos mercados de cripto. O jornalista e comentarista da indústria Joseph Young disse:

“[O The Wall Street Journal] acha que o preço do Bitcoin caiu 11% porque uma pequena casa de câmbio de criptomoedas na Coreia do Sul, que uma parte muito pequena dos usuários locais utiliza, foi hackeada. O Bitcoin caiu porque as pessoas venderam e poucas pessoas estavam dispostas a comprar, não por causa de um pequeno hack”.

 



Vigilante financeiro emitirá avisos de melhoria de negócios para 5 casas de câmbio de cripto


A Agência de Serviços Financeiros do Japão (FSA, na sigla em inglês) emitirá avisos de melhoria de negócios para cinco casas de câmbio de cripto registradas até o final desta semana, informou a Cointelegraph Japan na terça-feira, 19 de junho.

De acordo com as inspeções da FSA, as casas de câmbio de cripto BitFlyer, Quoine, Bitbank, BITPoint Japan e BtcBox não possuem sistemas de gerenciamento interno adequados, incluindo suas medidas para impedir a lavagem de dinheiro. BitFlyer, Quoine e Bitbank são algumas das maiores casas de câmbio de cripto, tanto no país quanto no mundo, atualmente ocupando o 27º, 18º e 20º lugares por volume de comércio, segundo dados do Coinmarketcap.

Quando perguntada sobre os avisos de melhoria de negócios, a BITPoint Japan disse à Cointelegraph Japan que “não existe tal fato no momento”, a BitFlyer disse que eles “não estão em posição de comentar”, Bitbank e Quoine disseramq ue não podiam responder e a BtcBox não respondeu a um pedido de comentário até o momento da confecção do texto.

Após o hack de US $ 532 milhões em NEM em janeiro da Coincheck, a FSA havia iniciado inspeções de casas de câmbio de cripto, emitindo vários avisos de melhoria de negócios de algumas e suspendendo as operações de várias outras.

Desde abril de 2017, todas as casas de câmbio de cripto no Japão devem ser registradas e ter uma licença da FSA para operar. No início de junho, a FSA rejeitou um pedido de licença de casa de câmbio de cripto pela primeira vez, citando preocupações de que a casa — cujos serviços já haviam sido suspensos duas vezes na primavera — não fornecesse verificação adequada de identidade do cliente no caso de transações suspeitas.



ENTREVISTA-Refino de petróleo terá mais competidores, diz coordenador de programa de Ciro; câmbio deve ter mais previsibilidade – Notícias


Por Iuri Dantas e Brad Haynes

SÃO PAULO (Reuters) – O programa de governo do principal pré-candidato de centro-esquerda nas eleições presidenciais deste ano, Ciro Gomes (PDT), prevê abertura do setor de refino de petróleo à concorrência, com alienação de ativos da Petrobras e permissão para que empresas privadas construam novas refinarias, bem como prevê que o BNDES volte a ter perfil de banco de fomento com taxa de juro mais barata.

Além disso, segundo o economista Nelson Marconi, coordenador do programa de governo de Ciro, a plataforma prevê uma atuação do Banco Central no mercado de câmbio que gere mais previsibilidade, em intervenções para que a cotação fique em torno de um determinado patamar, além de um rearranjo de receitas e despesas com o objetivo de reduzir rapidamente a dívida pública.

Os tópicos foram destacados à Reuters pelo coordenador de programa do pré-candidato, que vem despontando como a alternativa dos eleitores mais de esquerda em pesquisas quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso há mais de dois meses, fica fora dos cenários.

“˜Refino, pelo amor de Deus, não precisa ser monopólio da Petrobras, que não deixa ninguém entrar neste mercado”, afirmou na noite de terça-fera Marconi, de 53 anos, doutor em economia e professor da Fundação Getúlio Vargas.

“Do ponto de vista do refino, a gente quer absolutamente aumentar a competição… Você fica menos dependente de petróleo refinado importado”, acrescentou.

Prevista em lei desde 1997, a abertura do setor de refino nunca aconteceu na prática, levando a Petrobras a exercer um monopólio que define preços para todas as distribuidoras de combustíveis do país.

“A tecnologia que as refinarias usam na Petrobras está meio defasada”, disse Marconi. “Então tem que estimular de alguma forma o surgimento de outras refinarias com tecnologia que, inclusive, baixam os custos de produção.”

A Petrobras pretende vender 60 por cento de sua capacidade de refino no país e no fim de abril lançou o projeto de se desfazer de quatro unidades, para criar dois pólos de refino no Nordeste e Sul do país. A venda de ativos da estatal, porém, enfrenta protestos de petroleiros e foi alvo do Tribunal de Contas da União (TCU).

Marconi disse ainda que a proposta para uma nova política de preços da Petrobras não está fechada, mas adiantou como pressupostos a remuneração do capital e cobertura de custos, além da decisão de que a estatal não deve transferir para o consumidor as flutuações dos preços do petróleo e do câmbio no dia a dia.

A política de preços da Petrobras, com aumentos mais frequentes em linha com a cotação internacional do petróleo, foi apresentada pelo governo como uma forma de atrair investimentos para o setor, após forte intervenção estatal durante a gestão Dilma Rousseff. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) abriu consulta pública sobre os repasses ao consumidor, numa tentativa de regular o tema.

O alto preço do diesel foi o estopim de uma greve de caminhoneiros que durou 11 dias, em maio, e provocou desabastecimento no país todo. A crise levou o então presidente da empresa, Pedro Parente, a pedir demissão do cargo.

Maior estatal do país, a Petrobras pode impulsionar o crescimento econômico também via política de compras governamentais de produção local, citou ele, elencando também o setor de saúde como outro caminho para a iniciativa.

Ele também defendeu que as reservas de petróleo são ativo estratégico e devem ficar com a Petrobras e que contratos fora do modelo de partilha serão revistos e indenizados.

CÂMBIO

A forte turbulência no mercado cambial levou o dólar a um patamar “relativamente certo”, “ao redor de 3,80 reais”, na visão do economista, e um eventual governo Ciro buscaria dar mais previsibilidade sobre esse mercado com atuações do BC e criação de um fundo soberano para suavizar os fluxos comerciais.

“Sobre o tripé (econômico), os vértices podem não ser os mesmos… o câmbio não é mais tão flutuante”, disse Marconi, que na década de 1990 foi assessor econômico do Ministério da Administração e Reforma do Estado e depois coordenou a área de recursos humanos no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

“Tem que ter uma certa previsibilidade, tem que diminuir essa variância do câmbio.”

Outra forma de conter a volatilidade cambial no Brasil seria reduzir os atrativos para o capital especulativo por meio de um menor diferencial da taxa de juros nacional em relação à internacional. Na avaliação de Marconi, o caminho mais indicado é adotar instrumentos conhecidos, como swap cambial, leilão de linha e uso de reservas e evitar medidas pouco usuais.

“A gente está buscando não usar controle de capitais, esse tipo de coisa, porque aí sim dá ruído no mercado”, afirmou. “A gente prefere que o BC faça intervenção.”

A solução para atingir um câmbio “competitivo” para exportadores seria um controle rígido das contas públicas e da dívida nacional, explicou o economista. “Nossa variável de ajuste vai ser o fiscal, tem que ser o fiscal, este modelo todo funciona se tiver o fiscal em ordem.”

Ainda na esfera do BC, o economista defende pessoalmente a adoção de duplo mandato, com meta de emprego e inflação, mas que o sistema de metas permita absorção mais racional de choques de preços. Isso poderia ocorrer, explica Marconi, alterando o horizonte de convergência da inflação para o objetivo e estabelecendo o alvo como a evolução acumulada em 12 ou 24 meses, em vez do ano calendário como é feito hoje.

BNDES

A equipe do pedetista também avalia que é preciso retomar a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), recentemente substituída pela Taxa de Longo Prazo (TLP) como referência nos empréstimos do BNDES, para estimular investimentos em infraestrutura, e reduzir o ritmo de desembolsos do banco de fomento para o Tesouro Nacional.

A TJLP é uma taxa de juros subsidiada e, assim, menor do que as praticadas pelos mercados. Já a nova TLP tem uma estrutura parecida com os juros de mercado, vinculada a títulos públicos atrelados à inflação, e foi uma medida adotada e bastante comemorada pelo governo do presidente Michel Temer.

“Colocar uma taxa de juros associada a um título da dívida, que oscila, para quem vai fazer investimento, não tem lógica”, afirmou Marconi.

Ele defendeu também que é preciso reduzir os repasses do BNDES ao Tesouro e que o banco capte recursos via debêntures e outro mecanismos para se sustentar. Só neste ano, o BNDES antecipará o pagamento de 130 bilhões de reais à União para ajudar no ajuste fiscal.

A candidatura Ciro representa uma iniciativa “progressista” e de “centro-esquerda”, afirma Marconi, ressaltando a importância de aprovar a reforma da Previdência, as mudanças fiscais e tributárias, ao mesmo tempo em que retoma investimentos públicos em áreas típicas de Estado, como educação e saneamento. No ano passado, foram comprometidos 357,4 bilhões de reais em subsídios no Orçamento.

FISCAL

Marconi explica que o eventual governo de Ciro faria um corte de despesas correntes e tributação de lucros e dividendos, além da criação de novo imposto sobre movimentação financeira para transações acima de um determinado valor, que ainda está sob estudo na campanha.

“A gente vai colocar um imposto sobre lucros e dividendos e reduzir a tributação na pessoa jurídica para compensar, mas provavelmente vai ter algum ganho líquido de arrecadação”, afirmou. “E a gente vai fazer algum imposto também sobre movimentação financeira, até reduzir a dívida e chegar num determinado patamar.”

Outra iniciativa será o corte dos subsídios no Orçamento federal em 15 por cento já em 2019, criando espaço para retomada de investimentos públicos na construção de escolas e saneamento básico. A área de logística e infraestrutura também deve receber aportes do poder público, mas em menor medida, uma vez que serão retomados projetos de concessão à iniciativa privada paralisados durante o governo Temer, disse Marconi.

Os mercados financeiros não veem Ciro com bons olhos, com avaliações de que ele poderia adotar medidas populistas e com pouca preocupação fiscal. Para Marconi, que mantém contato frequente com economistas do mercado, ao fortalecer a esfera produtiva, o mercado financeiro também será beneficiado.

“O Ciro é uma pessoa que tem experiência administrativa grande, foi governador (do Ceará), prefeito (de Fortaleza), ministro”, afirmou ele. “Tem experiência e nunca fez nenhuma loucura, pelo contrário”, acrescentou.

“Acho que (a visão sobre Ciro) tem mudado mais rápido em relação ao meio empresarial. Eles percebem que estamos falando o tempo todo que estamos defendendo eles”, disse. “Não estamos fazendo aqui uma revolução socialista, pelo contrário, queremos que gerem mais emprego.”

Grupo de Ação Financeira Internacional vai preparar regras de vinculação para casas de câmbio de cripto


O Grupo de Ação Financeira Internacional (GAFI), grupo internacional que combate a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo, começará a desenvolver regras para as casas de câmbio cripto em junho, disse um oficial japonês à Reuters em 12 de junho.

As novas regras seriam uma atualização às resoluções não vinculantes que foram adotadas pelo GAFI em junho de 2015. O GAFI examinará se as diretrizes existentes sobre medidas antilavagem de dinheiro (AML) e relatórios de atividades comerciais suspeitas ainda são apropriados, e se eles podem ser aplicados a novas casas. A organização intergovernamental também investigará como trabalhar com países que baniram as criptomoedas.

O oficial afirmou que as autoridades japonesas desejam se tornar líderes no assunto e promover a adoção de novas regras vinculantes até 2019. O funcionário acrescentou que o governo do Japão espera cooperar com os EUA e países europeus sobre o assunto.

O GAFI é sediado em Paris e é composto por 37 estados membros diferentes. A organização intergovernamental foi fundada em 1989 a mando do G7.

A recente medida do GAFI segue a recente divulgação de um projeto de novas regulamentações para as casas de câmbio cripto e serviços de pagamento pelo governo canadense. As novas regras visam responder a um “número de deficiências” que o GAFI delineou em 2015, particularmente impulsionando as medidas de prevenção do financiamento da criminalidade e da lavagem de dinheiro no país.



Digital Jersey assina protocolo de intenções com a Binance para estabelecer casa de câmbio de cripto em Jersey


A Digital Jersey, uma organização independente que representa as indústrias digitais de Jersey, assinou um protocolo de intenções (PdI) com a casa de câmbio de criptomoeda Binance, de acordo com um comunicado publicado em 11 de junho. Nos termos do PdI, as duas empresas pretendem desenvolver uma base de conformidade e uma casa de câmbio de criptomoeda na ilha.

A Digital Jersey vai cooperar com a Binance para fornecer treinamento como parte de seu programa de habilidades digitais e outros serviços com o objetivo de promover a indústria de blockchain em Jersey, bem como apoiar a Binance nas discussões sobre a conformidade com as regulamentações de AML. A Digital Jersey também ajudará a casa no estabelecimento de relações bancárias e de licenciamento em nível local.

De acordo com o comunicado de imprensa, o governo de Jersey e a Comissão de Serviços Financeiros de Jersey apoiarão a Digital Jersey no desenvolvimento de tecnologia de livro-razão distribuído em fintech e no desenvolvimento de talentos locais. O CEO da Digital Jersey, Tony Moretta, disse:

“Podemos fornecer uma sandbox permissiva para empresas cripto inovadoras prosperarem sem se afastarem dos altos padrões gerais de regulamentação que se aplicam em nossa jurisdição. Estamos ansiosos para colaborar com a Binance para desenvolver sua função de casa e conformidade em Jersey, fornecer treinamento em blockchain como parte de nosso programa de habilidades digitais e apoiar o crescimento de novas startups nesta área”.

Com esse movimento, a empresa espera criar 40 novos empregos na área, enquanto a Binance investirá em novas startups de Jersey através de sua subsidiária de capital de risco Binance Labs.

No início deste mês, a Binance anunciou planos para permitir a negociação fiduciário-cripto através de uma casa de câmbio separada baseada em Malta no final deste ano. O representante da casa disse à Cointelegraph que a Binance Malta provavelmente começará a negociar com um par euro-Bitcoin.

Em abril, a Cointelegraph reportou que a Binance assinou um PdI com o governo das Bermudas, que estabelece fundos para programas educacionais relacionados a startups de fintech e blockchain. A casa de câmbio também se associou à organização ugandense de Blockchain Crypto Savannah para apoiar o desenvolvimento econômico no país da África Oriental.



A disputa de câmbio entre o CME e o BTC liderou os regulamentadores dos EUA. para abrir uma investigação sobre manipulação de preços


Regulamentadores da US Commodity Futures Trading Commission (CFTC) supostamente demandaram dados comerciais extensivos de várias corretoras de criptomoeda, pessoas familiarizadas com o assunto disseram ao Wall Street Journa no dia 8 de junho. Os reguladores solicitaram dados para investigar se a manipulação poderia estar comprometendo os preços nos mercados monetários digitais.

A sindicância seguiu o lançamento dos futuros Bitcoin (BTC) pelo CME Group em dezembro do ano passado. O CME forma seus preços de futuros Bitcoin (BTC) com base em dados de quatro corretoras; Bitstamp, Coinbase, itBit and Kraken, onde o comércio manipulativo poderia ter distorcido o valor dos futuros BTC. Os investigadores estão indo atrás de esquemas de negociação que podem ser usados para manipular o preço dos futuros BTC que o governo regula diretamente.

Após a liquidação do primeiro contrato em janeiro, a CME solicitou que as quatro bolsas fornecessem dados de negociação. No entanto, várias das bolsas recusaram-se a cooperar, afirmando que o pedido era intrusivo. As casas de câmbio apenas entregaram seus dados quando a CME encurtou a janela de tempo de seu pedido de um dia para algumas horas, disseram as fontes

De acordo com o WSJ, a CME originalmente buscou as informações através de uma empresa de terceiros, sediada em Londres, que calcula o preço do Bitcoin a ser usado em seus contratos futuros. As fontes acrescentaram que as corretoras não queriam entregar dados para a empresa britânica, que também administra sua própria plataforma de negociação.

Segundo consta, os regulamentadores da CFTC ficaram chateados porque a CME não possui acordos que obrigam as trocas criptográficas a compartilhar dados de preços relacionados a contratos futuros. De acordo com as fontes do WSJ, a discussão entre a CME e as corretoras foi um incentivo para a CFTC abrir uma investigação sobre o assunto.

A porta-voz da CME, Laurie Bischel, disse que o seu provedor de índices baseado em Londres tem um acordo de divulgação com as quatro bolsas:

“Todas as bolsas participantes devem compartilhar informações, incluindo cooperação com inquéritos e investigações.”

O -chefe executivo da Kraken, Jesse Powell, disse ao WSJ que a “supervisão recentemente declarada” de como os preços da BTC formam os preços futuros “tem as bolsas indicadas questionando o valor e o custo de sua participação no índice”.

Pessoas familiarizadas com o assunto disseram ao WSJ que o CFTC está coordenando sua investigação com o Departamento de Justiça dos EUA (DOJ). No mês passado, o DOJ abriu uma investigação similar, mas separada, sobre a manipulação de preços da BTC e da Ethereum (ETH). Fontes anônimas disseram à Bloomberg que o DOJ está investigando como os comerciantes podem manipular os preços por meio de atividades ilegais como falsificação e lavagem de transações.



Casa de câmbio cripto sul-coreana Bithumb é liberada pelo governo


Após uma investigação de três meses, o governo sul-coreano não encontrou evidências de irregularidades na corretora Bithumb, reporta a mídia local em 8 de junho.

A Bithumb é atualmente a maior bolsa na Coréia e a sétima maior do mundo em volume de comércio, de acordo com dados da Coinmarketcap.

Segundo relatos, a investigação da casa de câmbio começou em 10 de janeiro e foi conduzida por várias agências governamentais, incluindo o Serviço Tributário Nacional (NTS), a Comissão de Serviços Financeiros (FSC) e a Unidade de Inteligência Financeira da Coréia (KFIU).

O governo, que descreveu a investigação como intensa e extensa, montou uma operação de busca e apreensão na sede da bolsa, levando arquivos de computador, dispositivos e informações necessárias para realizar uma auditoria completa das transações da bolsa.

Enquanto o governo não encontrou evidências de atividades ilegais, evasão fiscal ou práticas comerciais suspeitas, a Bithumb foi condenada a pagar 30 bilhões de won (aproximadamente $28 milhões) em impostos.

A Bithumb tornou-se o alvo da investigação depois de mostrar um aumento de 171 vezes nos lucros em um período de 12 meses. O NTS procurava garantir que a empresa tivesse liquidado todos os impostos e divulgado apropriadamente suas participações, lucros e perdas.

Um porta-voz do NTS disse que eles haviam “iniciado várias investigações ns Bithumb entre 2014 e 2017, e nos últimos quatro anos, a Bithumb pagou continuamente todos os impostos impostos à empresa sem qualquer conflito com a empresa. NTS.