Pedro Parente deve assumir presidência executiva da BRF nesta quinta – 13/06/2018 – Mercado


O executivo Pedro Parente pode assumir nesta quinta-feira (14) a presidência executiva da BRF, gigante de alimentos formada pela fusão de Sadia e Perdigão.

Parente deixou recentemente o comando da Petrobras, por não concordar com a intervenção do governo nos preços praticados da empresa, após a greve dos caminhoneiros.

Nesta quinta (14), o conselho de administração da BRF tem uma reunião extraordinária para discutir a nova estrutura de comando da companhia e a escolha do diretor-presidente.

Parente, que já preside o colegiado, é o favorito para o cargo de principal executivo, mas sua indicação não é dada como 100% certa, segundo fontes próximas à empresa.

Ainda haverá uma discussão no conselho sobre a remuneração do executivo e sobre quem ocupará a função de chairman, já que Parente não pode ficar com os dois cargos.

Parente chegou ao conselho BRF no fim de abril no lugar de Abilio Diniz, com a função de colocar um fim na disputa entre o empresário e os fundo de pensão Petros (Petrobras) e Previ (Banco do Brasil), principais acionistas da companhia.

O nome de Parente agrada os investidores, porque o executivo é conhecido por ser um bom gestor de crise. Foi o responsável por conduzir o apagão de energia elétrica no governo FHC e, recentemente, por recuperar a Petrobras após o escândalo da Operação Lava Jato.

Sua missão na BRF, no entanto, não será fácil. A gigante de alimentos amarga prejuízos provocados pela má gestão dos antigos administradores, pelas investigações da Operação Carne Fraca e pela disputa entre os principais acionistas.

BRF vai desativar linha de produção de carne de peru em Goiás – Notícias


SÃO PAULO (Reuters) – A BRF vai desativar uma linha de produção de carne de peru em Mineiros (GO), afirmou nesta terça-feira o vice-presidente da empresa, Jorge Lima, em comissão no Senado, citando impactos de restrições à exportação.

“Temos feito o possível e o impossível para não fecharmos ativos, mas o fato é que nossos mercados para frangos e peru têm sido muito afetados. O mercado para suínos está na dependência da Rússia, caso eles abram, como estão prometendo”, disse o executivo na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), segundo a Agência Senado.

O objetivo da reunião foi debater os impactos da atuação da BRF em Goiás.

Segundo a agência, o executivo disse que a decisão da BRF é parte de redimensionamento “com o qual a empresa busca adaptar-se a dificuldades enfrentadas nos mercados local e global”.

Na semana passada, a China anunciou que vai impor direito antidumping sobre importações de carne de frango do Brasil. Os importadores chineses de carne de aves brasileiras terão que pagar tarifas de 18,8 a 38,4 por cento sobre o valor de suas compras a partir de 9 de junho.

Em março, a empresa informou que concedeu férias coletivas de 30 dias para os cerca de 500 funcionários da linha de produção de carne de peru da fábrica em Mineiros, em meio a ajustes na produção.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

BRF nega a órgão regulador dos EUA negociação com a Minerva ou qualquer outra empresa – Notícias


(Reuters) – A BRF informou ao órgão regulador dos mercados dos Estados Unidos que não recebeu qualquer formalização da Minerva ou de outro investidor, nacional ou estrangeiro, para um possível acordo de fusão, negando reportagens publicadas na mídia brasileira.

As ações da BRF e da Minerva chegaram a disparar na tarde de terça-feira, após notícia de que a Minerva busca uma fusão com a BRF, em operação que contemplaria uma capitalização da BRF.

“O sr. Pedro Parente, presidente do conselho de administração da companhia, foi consultado pelo diretor de Relações com Investidores da BRF, com relação a eventual articulação para a conclusão da referida operação, conforme mencionado em uma das notícias, a qual ele negou qualquer articulação de qualquer tipo de transação nesse sentido”, disse a BRF em comunicado à Securities and Exchange Commission (SEC) dos EUA na terça-feira.

(Por Raquel Stenzel)

Cresce aposta de que Parente vá para a BRF; ações da empresa tiveram alta – Notícias


A saída de Pedro Parente da Petrobras aumentou as expectativas de que o executivo possa assumir o comando da BRF, maior exportadora global de frangos. Parente foi eleito presidente do Conselho de Administração no dia 26 de abril, no lugar do empresário Abilio Diniz. As ações da companhia fecharam ontem com a maior alta do Ibovespa, a R$ 23,39, elevação de 9,2%. Enquanto isso, o papel ON da Petrobras teve baixa de 14,92%, para R$ 18,88.

Fontes próximas à BRF afirmaram que a renúncia de Parente da estatal abre caminho para que ele assuma a presidência da gigante dos alimentos, hoje ocupada interinamente por Lorival Nogueira Luz, desde 23 de abril. Uma pessoa próxima à companhia já considera certa a ida de Parente para o comando do negócio, que registrou prejuízos por dois anos consecutivos.

Parente só participou de uma reunião de conselho – a de sua posse. Mas tem trabalhado nas últimas semanas para entender os números da BRF e tentar melhorar a eficiência operacional do negócio – fábricas da empresa foram embargadas para exportação em decorrência da Operação Carne Fraca. Nos últimos dias, unidades também foram paralisadas por causa da greve dos caminhoneiros. Ele tem falado todos os dias, por telefone, com Lorival, dizem fontes.

Na semana passada, Pedro Parente disse a interlocutores que não tinha sido sondado para ser presidente da companhia.

Remuneração

A BRF (união de Sadia e Perdigão) começou a passar por turbulências no início do ano passado, com a divulgação do primeiro prejuízo de sua história. Vários executivos saíram da empresa, e a gestão do empresário Abilio Diniz, presidente da Península, começou a ser questionada. Ainda sob gestão de Abilio, o conselho da BRF aprovou para este ano um pacote de remuneração para conselheiros e diretores de até R$ 92,4 milhões.

Em nota, a BRF diz que continua avaliando a estrutura organizacional da empresa antes de escolher o novo presidente. “A companhia reforça o que foi comunicado anteriormente sobre a escolha de um novo CEO novo. Qualquer nova informação será reportada ao mercado.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. / Colaborou Nayara Figueiredo