Biosev está “desafiando limites” ao maximizar produção de etanol, diz CEO – Notícias


SÃO PAULO (Reuters) – A Biosev, maior processadora de cana do mundo, está “desafiando limites” ao maximizar a produção de etanol na atual safra 2018/19, iniciada em abril, uma vez que o biocombustível apresenta maior remuneração frente o açúcar, disse nesta quarta-feira o CEO da companhia, Rui Chammas.

O executivo participou de teleconferência com analistas e investidores sobre os resultados da companhia no ano-safra 2017/18, encerrado em março, no qual a empresa teve prejuízo bilionário.

(Por José Roberto Gomes)

Biosev vê centro-sul com produção máxima de etanol em 18/19 e queda em açúcar – Notícias


Por José Roberto Gomes

SÃO PAULO (Reuters) – As usinas do centro-sul do Brasil devem maximizar a produção de etanol na safra 2018/19, que se inicia em abril, acarretando em queda de até 5 milhões de toneladas na oferta de açúcar pela região, avaliou nesta sexta-feira o presidente do segundo maior processador de cana do mundo.

O etanol vem se mostrando atrativo para as empresas do segmento desde meados do ano passado, na esteira de altas tributárias maiores para a gasolina, seu concorrente direto, e de uma nova política de formação de preços da Petrobras, que contribuiu para as cotações do derivado de petróleo registrarem sucessivos recordes nominais nos postos.

“As condições atuais do mercado indicam que a safra de cana 2018/19 no centro-sul do Brasil será alcooleira ao máximo. Na busca por rentabilidade, as usinas devem produzir o máximo que puderem de etanol”, afirmou à Reuters Rui Chammas, presidente da Biosev, braço sucroenergético da Louis Dreyfus Company (LDC).

Para ele, as “condições” que justificam esse cenário são “o preço de energia mundial, no caso o petróleo, e a demanda robusta por combustíveis no Brasil”.

Com efeito, as referências internacionais do petróleo se fortaleceram após um acordo liderado pela Opep e aliados para cortar a oferta excedente da commodity. Já a demanda por combustíveis no Brasil vem se mostrando mais forte graças à recuperação econômica do país.

O executivo, entretanto, não inclui nessa perspectiva a nova Política Nacional de Biocombustíveis, o RenovaBio, destacando que o programa ainda precisa ser plenamente regulamentado para ter um efeito mais incisivo sobre a demanda por etanol.

“O RenovaBio é fantástico, mas ainda não o incluo. Precisa ser regulamentado, saber como os CBios (créditos de descarbonização) serão negociados…”

Sancionada no fim de 2017, a lei do RenovaBio deve ter sua regulamentação apresentada até junho.

MENOS AÇÚCAR

A maior alocação de cana para a produção de etanol poderá levar a fabricação de açúcar a cair “de 4 (milhões) a 5 milhões de toneladas” na safra que se inicia em abril no centro-sul.

Para a temporada vigente, a previsão de produção do adoçante é de cerca de 35 milhões de toneladas.

A redução na oferta de açúcar da principal região produtora do maior exportador global da commodity terá efeito positivo sobre os preços internacionais, disse Chammas.

Segunda maior processadora de cana do mundo, a Biosev reportou prejuízo líquido de 279 milhões de reais no terceiro trimestre da safra 2018/19, equivalente ao quarto do ano civil. Em igual momento do ciclo anterior, havia reportado lucro líquido de 43 milhões de reais.

A moagem de cana pelas usinas da companhia caiu 18,7 por cento no trimestre, para 6,4 milhões de toneladas.