Crypto Exchange Buda Assunto do Embargo Repentino Bancário na Colômbia


 Crypto Exchange Buda Assunto do Embargo Bancário Repentino na Colômbia "/ = </a></div>
</p></div>
<p>                 Exchanges<br />
              </p>
</p></div>
<p><strong> A maior troca de bitcoins na América Latina, Buda, recentemente tornou-se subitamente sujeita a um embargo bancário na Colômbia, de acordo com relatórios locais. Buda também experimentou o término de seus serviços bancários chilenos em março deste ano. </strong></p>
<p><em><strong> Também Leia: </strong><a href= Seis Principais Bancos no Chile Processados ​​por Outra Bolsa de Criptomoeda

Buda Sofre Rescisão de Serviços Bancários na Colômbia

 Criptografia Troca Buda Assunto do Embargo Bancário Súbito na Colômbia Buda, uma troca de bitcoins na América Latina anteriormente conhecida como Surbtc, atendendo os mercados argentino, chileno, colombiano e peruano, de repente tornou-se objeto de um bloqueio financeiro de Instituições bancárias colombianas. O término repentino das contas bancárias colombianas da bolsa interrompeu as retiradas de clientes, que devem ser processadas normalmente a partir de 13 de junho de 1965.

O CEO da Buda, Alejandro Beltran, confirmou que a Bancolombia, Davivienda, e o BBVA encerrou todos os serviços financeiros fornecidos à bolsa por meio de um e-mail enviado aos clientes. Buda também procurou garantir aos clientes que, apesar de seus fundos estarem protegidos com segurança, apesar das interrupções nas operações do câmbio.

Nenhum outro intercâmbio parece ter sido direcionado

 Criptografia Buda Assunto de embargo repentino na Colômbia atribuiu o embargo a um aviso emitido pela Superintendência em fevereiro que encorajou os bancos a evitarem ter laços com o Buda.com. O embargo não visa outras trocas colombianas, com mídia local relatando que “outras trocas locais de criptografia permanecem abertas e desimpedidas”, já que nem o Panda Exchange nem o Bitinka reportaram o fim dos serviços bancários.

contra Buda chegou em um momento de crescente diálogo parlamentar sobre as criptomoedas na Colômbia

Durante um recente debate no Senado colombiano, com a participação de representantes da Superintendência Financeira do país, Banco da República e Associação Nacional de Bancos, Senador Antonio Navarro Wolff afirmou que “o Estado assumiu a tarefa de alertar sobre os riscos de operações com criptomoedas, mas não tomou medidas para prevenir ou dificultar essas operações.”

“É necessário avançar na questão da criptomoeda, estar ao nível de os países que usam essa tecnologia ”, acrescentou o senador Wolff

Buda enfrenta obstáculos no setor bancário no Chile

 Criptografia E xchange Buda Assunto do repentino embargo bancário na Colômbia Em março, Buda, juntamente com as trocas de criptomoedas Cryptomarket e Orionx, tornaram-se alvo de um embargo bancário agressivo das sete principais instituições financeiras do Chile, incluindo o Banco Del Estado de Chile

Buda entrou com uma ação no Tribunal do Chile para a Defesa da Livre Concorrência, levando a Justiça a ordenar que o Banco do Estado do Chile, o Scotiabank e o Itaú Corpbanca reabram as contas de Buda e Cryptomkt. O Banco do Estado do Chile confirmou que cumprirá os desejos da corte, no entanto, nem o Scotiabank nem a Tiau indicaram sua intenção de reabrir as contas das bolsas.

Você acha que Buda será impulsionado pelos mercados colombianos? Compartilhe suas idéias na seção de comentários abaixo


Imagem cortesia de Shutterstock, Buda


Quer uma lista completa das 500 maiores moedas criptográficas e veja os seus preços e valorização global do mercado? Confira Satoshi Pulse para toda essa ação do mercado!

Caminhoneiros elogiam acordo e dizem que “assunto está resolvido” – 28/05/2018 – Mercado


Uma das principais lideranças do movimento dos caminhoneiros, o presidente da Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros), José da Fonseca Lopes, afirmou que, com o acordo firmado com o governo neste domingo (27), o “assunto está resolvido”.

“Eu acho que o assunto está definido. O caminhoneiro está antenado, ele também quer sair desse movimento agora, porque já faz sete ou oito dias”, disse.

“O caminhoneiro agora só tem que agradecer isso aí, no bom sentido, e continuar a vida dele.”

Na noite deste domingo, o presidente Michel Temer (MDB) ampliou a lista de concessões aos caminhoneiros. Foram divulgadas cinco medidas para atender as demandas da categoria.

Fonseca afirmou que a desmobilização nas estradas começaria tão logo fossem publicadas as medidas provisórias prometidas pelo governo.

“Eles [os caminhoneiros] só vão aceitar após saírem publicadas no Diário Oficial as medidas que foram negociadas”, disse. “Pelo que a gente viu, já estão começando a trabalhar imediatamente para amanhã de manhã a gente já entrar no Diário Oficial e já achar essas medidas provisórias para a gente se precisar convocar”.

O governo publicou edição extra do Diário Oficial com as medidas, pouco antes da meia-noite deste domingo (27).

Se cumprida a orientação das lideranças, ainda serão necessários de oito a dez dias para o abastecimento voltar ao normal, segundo os caminhoneiros.

Bitcoin, a moeda digital, é assunto no Cenário Econômico, da TV Brasil.



Você sabe o que é um Bitcoin? A moeda digital, inventada em 2008 por um programador desconhecido, é o primeiro sistema de pagamentos global totalmente descentralizado e com transações…

Regulamentação do bitcoin no Brasil – Câmara cria comissão para discutir o assunto. – Bitcoin BRASIL


camara-dos-deputados-discutemregulamentação-do-bitcoin

Na última terça-feira, 30 de Maio, a Câmara dos Deputados estabeleceu uma jurisdição especial para debater a regulamentação da moeda virtual, bitcoin, e com isso analisar a forma que a entrada da bitcoin e dos programas de milhagem aérea nas modalidades de pagamento regulamentadas pelo Banco Central.

Segundo a Agência Câmara, a função desse projeto de Lei 2.303-2015, que tem como criador o deputado Áureo (SD-RJ), é minimizar o risco da moeda bitcoin contra a estabilidade financeira da economia, assim como também reduzir as chances de essa moeda ser utilizada para sustentar atividades ilegais e preservar o consumidor de possíveis abusos.

O deputado foi bem objetivo ao dizer as seguintes palavras:

“O uso dessas moedas é uma coisa nova, a bitcoin ganhou força agora, tanto pelos ataques virtuais como por estar muito valorizada. Cada moeda vale cerca de R$ 10 mil, um dia com valorização de 8%, no outro de 4%, mas sempre crescente”.

O deputado Expedito Netto (PSD-RO), que foi relator na comissão especial, destaca que por não precisar de um banco por trás dos tramites de compra e venda das moedas virtuais, esse processo acaba se tornando um tanto perigoso.

Isso por que na opinião dele, além de fechar essas brechas, a comissão vai debater a funcionalidade e arrecadamento de impostos do bitcoin.

“Eu acredito que precisamos dar essa cobrança no Brasil. Este ano, por exemplo, quem declarou um capital de R$ 35 mil em bitcoins, o que equivale a 3,5 bitcoins, teve de declarar no Imposto de Renda”, explica.

Essa proposta prediz diretamente a regularização das milhagens oferecidas por bandeiras de cartões de crédito e companhias áreas, que podem ser alcançadas como um tipo específico de moeda virtual.

“O consumidor não pode ser surpreendido em ter milhagens em seu cartão e, de repente, esse valor expirar”, afirma o autor. Em vários tipos de programas, o cliente tem a facilidade de poder trocar os pontos acumulados por algum produto ou até mesmo em passagens áreas, isso por que já existem sites especializados em compra e venda de milhagens.

Fonte: https://olhardigital.uol.com.br/noticia/camara-cria-comissao-para-discutir-regularizacao-da-bitcoin/68678