Abastecimento de gás de cozinha caminha para normalidade, diz associação – 16/06/2018 – Mercado


O abastecimento de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), conhecido como gás de cozinha, caminha para a normalização no país, informou a Abragás (Associação Brasileira de Entidades de Classe das Revendas de Gás LP) neste sábado (19).

“As entregas de GLP da Petrobras para as distribuidoras seguem em ritmo acelerado e os estoques logo deverão estar normalizados”, disse a entidade em nota.

As distribuidoras deixaram de envazar em torno de 11 milhões de botijões durante a paralisação dos caminhoneiros, o que deixou as revendas com os estoques zerados. E duas semanas após o fim da paralisação dos caminhoneiros, nove estados e (DF) Distrito Federal ainda enfrentavam desabastecimento parcial de gás de cozinha.

Citado informações da petroleira, a Abragás afirma que em junho serão entregues ao mercado 709 mil toneladas de GLP —11,5% a mais que as 637 mil toneladas inicialmente previstas para o mês.

“Os estados do Centro-Oeste, Nordeste, Minas Gerais e interior de São Paulo, que estavam vivendo uma situação bastante crítica, já estão recebendo maiores quantidades de GLP, as revendas já iniciam as reposições de estoques e, nas demais regiões do país, os estoques já estão parcialmente abastecidos”, afirma a associação.

O Brasil comercializa em média 620 mil toneladas de GLP por mês, sendo cerca de 430 mil toneladas via 33 milhões de botijões envasados. Outras 190 mil toneladas são comercializadas a granel nos tanques que abastecem condomínios, comércios e indústrias.

​A Abragás pede para que consumidores não comprem botijões acima de suas reais necessidades. Segundo a entidade, um botijão dura, em média, 42 dias para uma família de quatro pessoas. Armazenar mais de um botijão de gás em casa, diz a associação, pode ainda colocar em risco a segurança dos moradores se não for feito da forma adequada.

A entidade reforça a recomendação para que consumidores adquiram gás de cozinha apenas de revendas autorizadas pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), “evitando a compra do produto em comerciantes clandestinos, já que podem não oferecer segurança e ainda cobrar preços desproporcionais”.

Associação de Tesoureiros Russos se unem ao banco central da Rússia para testes a novo sistema bancário em blockchain



A Associação Russa de Tesoureiros Corporativos está se unindo ao banco central do país para testar a plataforma blockchain Masterchain, administrada pelo governo, anunciou o grupo na semana passada.

A associação está testando o Masterchain para facilitar as comunicações dentro do sistema bancário nacional, de acordo com o white paper da Masterchain. Isso marcaria o último movimento para usar a plataforma para substituir a rede de comunicação interbancária SWIFT, um caso de uso que foi discutido pela primeira vez em abril de 2018.

A plataforma foi criada pela FinTech Association, em colaboração com os 14 maiores bancos da Rússia, incluindo a VTB.

De acordo com o documento, o sistema incluirá bancos e agências governamentais russas responsáveis ​​pelo registro de contratos e pela regulamentação do mercado. A FinTech está alegando que a mudança para o Masterchain no processamento de contratos de hipoteca reduzirá os custos operacionais em até cinco vezes e, em vez de dias, as transações levarão minutos.

O projeto também deverá produzir um mecanismo KYC baseado em uma identidade digital para que os bancos possam compartilhar históricos de crédito e informações sobre casos de fraude sem violar o sigilo bancário. O sistema também vai lidar com garantias bancárias e cartas de créditos

No entanto, o objetivo final da Masterchain ainda é substituir o SWIFT. Em particular, as preocupações de que as sanções dos EUA ou da União Europeia contra a Rússia em 2014 possam eventualmente remover a nação do sistema SWIFT estimularam a experimentação da Rússia com sistemas alternativos de comunicação financeira. Testes anteriores mostraram problemas com o processamento de diferentes formatos de documentos.

Bitcoin valorizou mais de US$100 só hoje

O preço médio do bitcoin em todas as exchanges globais está subindo, e já subiu mais de US $ 100 durante as negociações de hoje. Na hora do post, os preços…


Banco do Brasil Fecha Conta da Atlas e Associação de Criptomoedas Leva Caso ao Cade


A história completa sobre o caso (Foto: Shutterstock)

Assim como as exchanges brasileiras de criptomoedas, a Atlas também vem sofrendo pressão dos bancos. O Banco do Brasil não hesitou em fechar a sua conta corrente e o caso, além de parar no judiciário, deu início a uma batalha no Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

A empresa, que é a mantenedora da ABCB (Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain), foi notificada da decisão do Banco do Brasil em 21 de maio. Além de informar a Atlas do encerramento de sua conta, o banco deu 30 dias para que o responsável pela fintech fosse até a agência devolver os cartões e cheques.

A Atlas, em contrapartida, moveu uma ação judicial. O processo judicial está tramitando na 5ª Vara Cível da comarca de São Paulo.

Apesar do juiz Gustavo Coube de Carvalho ter negado a tutela de urgência (uma espécie de pedido liminar) para que o banco não encerrasse a conta corrente da Atlas enquanto se discutia judicialmente o caso, a situação foi revertida por uma decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo que concedeu a liminar.

A vitória foi divulgada no último dia 30 por meio de uma nota no Facebook do escritório Malgueiro Campos Advocacia, que representa a Atlas.

“Hoje conseguimos uma importante liminar no TJSP, em uma ação contra um banco que pretendeu encerrar a conta de um dos nossos clientes no segmento de criptomoedas. O relator concedeu a liminar negada em primeira instância (…)”, diz a postagem.

Apesar de o post não especificar quem era esse “cliente no segmento de criptomoedas”, a advogada Emília Malgueiro Campos, sócia do escritório, revelou ao Portal do Bitcoin se tratar do caso da Atlas contra o Banco do Brasil.

O caso não parou por aí. Como a Atlas é a principal responsável pela ABCB, ela usou a associação como mais uma forma de pressionar o banco estatal.

Fernando Furlan, o presidente da ABCB e ex-presidente do Cade, nove dias após a notificação da Atlas, afirmou que entraria com uma ação contra os bancos no Cade, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica. “Temos confiança de que se transforme em inquérito administrativo, que se tornará ação afirmativa com possível punição aos bancos”, disse Furlan na ocasião.

A Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain entrou com o processo no dia 1º de junho. Assim como no processo judicial a Atlas requereu uma decisão liminar, a ABCB pediu ao Cade “a imediata concessão de medida preventiva” para que os bancos e demais instituições financeiras se abstenham de encerrar contas que possibilitem “o acesso  ao sistema financeiro as operadoras de criptomoedas (corretoras, exchanges, fintechs, etc.)”, bem como reabram imediatamente “todas as contas encerradas dessas operadoras do mercado de criptoativos”.

Além da medida preventiva, a associação requereu em especial que o Banco do Brasil seja condenado a pagar multa de 20% do valor de seu faturamento bruto no ano de 2017 em face da prática de condutas anticompetitivas.

A advogada Emília Malgueiro Campos, que também representa a ABCB, explicou ao Portal do Bitcoin que a Associação só teria legitimidade para atuar junto a Cade caso houvesse problema com alguma empresa associada: “Foi essa ação do Banco do Brasil que deu legitimidade para a associação poder se manifestar”.

A advogada esclareceu que apesar de existir duas associações (ABCB e ABCripto), a decisão do Cade vai abranger qualquer companhia do segmento de criptomoedas.

“Se o Cade entender que essa é uma medida efetivamente anticompetitiva, ele vai resolver o assunto para todo mundo – para quem é membro da associação e para quem não é membro da associação”.

Banco do Brasil na Justiça

A ação judicial começou com um pedido de liminar negado pelo juiz Gustavo Coube de Carvalho. Ele sustentou que o Banco do Brasil agiu dentro da legalidade ao cancelar unilateralmente o contrato de conta corrente e por esse motivo não vislumbrava “a probabilidade do direito”, um dos requisitos essenciais para que a tutela antecipada seja concedida.

“O contrato de conta corrente, via de regra, tem vigência indeterminada, podendo ser denunciado a qualquer tempo pelas partes, tendo, o banco, o dever de notificar o titular na forma regulada pela Resolução 2.747/2000 do Banco Central do Brasil, o que parece ter sido feito”.

Como a decisão liminar não é a resposta definitiva de um juiz como é a sentença; a pessoa que teve seu pedido negado pode levar a questão para ser analisada pelo tribunal que vincula diretamente o juízo que negou o pedido liminar, através de um recurso chamado agravo de instrumento e foi isso que fez a Altas nesse processo.

“A gente agravou para o tribunal (TJSP). No tribunal, o relator do agravo concedeu o efeito ativo do agravo (em outros termos, o relator além de suspender a decisão dada pelo juiz da 5ª Vara Civel do TJSP , concedeu a liminar que fora negada) e a tutela de urgência para manter a conta aberta” relata a Emília Campos.

A liminar foi concedida pelo TJSP sob a fundamentação de que, mesmo que os bancos não sejam obrigados a manter contas correntes de alguns clientes, não devem utilizar desse direito para exercer práticas abusivas anticoncorrenciais:

“Há indícios de rejeição orquestrada pelas instituições financeiras quanto às corretoras de criptomoedas com potenciais reflexos anticoncorrenciais, o que caracteriza o exercício abusivo do direito reconhecido pela jurisprudência (…)”.

Da justiça para o Cade

A ação judicial individual da Atlas contra o BB, por exemplo, se abstém a “dizer o direito” naquele caso em si e não resolve o problema que envolve os bancos e as chamadas plataformas de inovações financeiras. Caso a decisão liminar seja convertida em algo definitivo, a solução será apenas entre os envolvidos naquele imbróglio.

Por outro lado, o procedimento levado ao Cade, explica Campos, irá resolver a questão em si, mesmo que o motivo tenha sido do cancelamento da conta corrente por parte do Banco do Brasil.

“O procedimento no Cade vai abranger todas as empresas do segmento e todos os bancos. Para evitar que qualquer banco faça o mesmo tipo de prática anticompetitiva contra qualquer empresa de segmento de criptomoeda”.

Assim como o judiciário terá de analisar a defesa por parte do Banco do Brasil, o próximo passo do Cade será também de ouvir a instituição financeira.

Procurado, o Banco do Brasil, por meio de sua assessoria de imprensa, disse que não foi notificado e que caso seja prestará esclarecimentos ao órgão responsável.

A fome dos bancos

“O mundo mudou. O dinheiro também”. O slogan da Atlas parece dizer muito sobre o interesse dos bancos no universo de moedas criptografadas. Isso é traduzido na sua voracidade.

Desde 2015, as instituições financeiras vêm cancelando as contas correntes de corretoras brasileiras que trabalham com moedas criptografadas, o que tem forçado as exchanges incorrerem em verdadeiras batalhas judiciais.

Em nota enviada pelo escritório Malgueiro Campos, a advogada relata que “a decisão do Banco do Brasil configura uma prática abusiva, uma vez que as plataformas de inovações financeiras, como as fintechs e as corretoras de criptomoedas, precisam do acesso ao sistema financeiro tradicional para sobreviverem.”

A prática, contudo, não tem ocorrido só no Brasil. Há dois meses, a corretora chilena Buda teve de recorrer ao Tribunal de Defesa de Livre Concorrência para que não tivesse usas contas correntes fechadas em cinco bancos diferentes.

 

BitcoinTrade

A BitcoinTrade é a melhor solução para compra e venda de criptomoedas.
Negocie Bitcoin, Ethereum e Litecoin com total segurança e liquidez.
Acesse agora ou baixe nosso aplicativo para iOs ou Android:
https://www.bitcointrade.com.br/ 



Associação Brasileira de Táxi Aéreo manifesta apoio aos caminhoneiros – 27/05/2018 – Mercado


Empresas de Táxi Aéreo e de Manutenção de aeronaves entram no movimento dos caminhoneiros contra a política de impostos e reajuste dos combustíveis.

Por meio de nota, a Associação Brasileira de Táxi Aéreo e empresas de Manutenção (Abtaer) justificou o apoio por representar a categoria que também presta serviços de transporte e está sujeita aos mesmos impostos que incidem sobre os combustíveis.

De acordo com a Associação, o serviço de táxi aéreo não se resume ao atendimento de executivos, mas funciona como alternativa ao transporte em localidades mais distantes, com prestação de serviço aeroespecializado, como registro de imagens ou inspeção, e transporte de cargas. Esse tipo de serviço de aviação chega a mais de 3.000 municípios, segundo dados da Abtaer.

Entre os serviços prestados pelas empresas de táxi aéreo, estão a manutenção e inspeção de linhas de transmissão, vigilância ao meio ambiente, apoio ao trabalho nas plataformas de petróleo, transporte de produtos especiais, como remédios e órgãos para transplante, até socorro para populações que vivem em áreas inacessíveis.

O presidente da Abtaer Jorge Bitar Neto declarou que defende a redução do teto do ICMS sobre os combustíveis, proposta que foi recentemente discutida pelo Senado.