Economia argentina cresce 3,6% no primeiro trimestre – Notícias


Buenos Aires, 19 Jun 2018 (AFP) – A atividade econômica na Argentina cresceu 3,6% no primeiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período do ano anterior, antes da crise cambial, informou nesta terça-feira o instituto estatístico estatal Indec.

Segundo a estimativa provisória do instituto, o Produto Interno Bruto (PIB) se expandiu 1,1% no primeiro trimestre em relação ao quarto trimestre de 2017.

O governo tinha programado o orçamento considerando uma expansão anual de 3,5%. Mas a crise no mercado cambial e a perda de financiamento internacional levou o governo a recorrer a um acordo de ajuda urgente com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para receber auxílio financeiro.

Depois do acordo, foi fixada uma nova projeção de alta entre 0,4% e 1,4%, de acordo com o ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne.

Bolsa argentina despenca, mas queda do peso é controlada – Notícias


Buenos Aires, 18 Jun 2018 (AFP) – A Bolsa de Buenos Aires despencou mais de 8% nesta segunda-feira, um derretimento provocado pelas fortes quedas das ações de empresas de energia e dos bancos, no contexto da crise cambial que forçou o país a pedir auxílio ao FMI, embora a moeda tenha controlado sua queda.

O índice Merval da Bolsa de Buenos Aires caiu a 27.636 unidades, “pressionado pelas ações da companhias energéticas, que se desvalorizaram após a saída de Juan José Aranguren do Ministério de Energia”, informou o portal especializado ámbito.com.

A taxa de câmbio fechou em 28,40 pesos por dólar, uma valorização de 1,58%, na véspera de uma nova “super-terça” pela renovação da dívida do Banco Central, equivalente a quase um terço de suas reservas.

Se os investidores não renovarem a dívida, a pressão sobre a taxa de câmbio deve crescer devido ao aumento da demanda por dólares.

– Reajustes do mercado -“Como um governo com uma minoria parlamentar, o do presidente Mauricio Macri se propôs, desde que assumiu em 2015, enfrentar o déficit com um plano gradualista. Mas esse projeto se esgotou. Ele emprestou 70 bilhões no exterior e acabou o crédito externo da Argentina”, disse o economista Ramiro Castiñeira à AFP.

“A Argentina foi ao FMI para pedir mais crédito, e foi concedido, mas sob a condição de acelerar a redução do déficit fiscal, o mercado acionário está respondendo à realidade de que há menos crédito externo, os mercados estão se adaptando”, explicou.

Para enfrentar a pior crise de confiança desde que assumiu o cargo, Macri substituiu na semana passada o presidente do Banco Central, Federico Sturzenegger, pelo ministro das Finanças, Luis Caputo.

Surpreendentemente, neste sábado, ele também demitiu dois importantes membros do Gabinete – Aranguren, ex-presidente da Shell Argentina, e o ministro de Produção, Francisco Cabrera, vinculado a uma poderosa rede de farmácias.

Mas as ações dos bancos também caíram, frente às novas medidas do Banco Central, agora sob o comando de Caputo, que já foi do Deustsh Bank. Seu objetivo é limitar uma corrida cambial que fez o peso perder quase 35% de seu valor desde janeiro.

– Pessimismo na Bolsa -A queda da bolsa é “a primeira reação do mercado à designação de Javier Iguacel para a pasta de Energia, onde espera-se que ele leve à frente um processo moderado de ajuste de tarifas de serviços, diferentemente de seu antecessor, que impulsionou um forte salto dos quadros tarifários”, apontou a ámbito.com.

Para o Ministério de Produção foi nomeado Dante Sica, economista que trabalhou no governo peronista de Eduardo Duhalde (2002-2003).

A queda das ações dos bancos é ligada às medidas anunciadas pelo Banco Central nesta segunda-feira, que tendem a tirar liquidez do mercado, para que grandes investidores não continuem fugindo para o dólar.

Investidores esperam que o FMI entregue, nesta semana, o primeiro desembolso de 15 bilhões de dólares de um crédito “stand by” global de 50 bilhões a três anos, em troca de um plano de ajuste fiscal que leve a zero, em 2020, o déficit que foi de 3,9% do PIB em 2017.

As reservas monetárias perderam quase 15 bilhões de dólares desde janeiro, alcançando 48 bilhões devido à corrida. A inflação deste ano é calculada entre 27% e 32%, de acordo com o FMI.

dm/nn/tm/ll

ROYAL DUTCH SHELL PLC

Macri demite dois ministros influentes na Argentina – Notícias


Buenos Aires, 17 Jun 2018 (AFP) – O presidente da Argentina, Mauricio Macri, demitiu dois ministros influentes, anunciou no sábado à noite a agência estatal Télam.

A imprensa considera as demissões dos ministros Juan José Aranguren (Energia) e Francisco Cabrera (Produção) mais uma consequência da crise cambial e financeira que obrigou o país a pedir o auxílio do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Macri anunciou na quinta-feira a demissão do presidente do Banco Central, Federico Sturzenegger, e o substituiu pelo então ministro das Finanças, Luis Caputo. A pasta das Finanças foi absorvida pelo ministério da Fazenda, a cargo de Nicolás Dujovne, que negociou um crédito ‘stand by’ com o FMI de 50 bilhões de dólares a três anos.

Além da intenção de modificar o gabinete, a imprensa recordou que os dois ministros demitidos estão sob investigação judicial por conflitos de interesses, pois mantinham negócios privados supostamente incompatíveis com os cargos públicos.

Para o lugar de Aranguren, um acionista da petroleira anglo-holandesa Shell, o presidente escolheu o engenheiro Javier Iguacel.

O posto de Cabrera, acionista de uma grande rede de farmácias, será ocupado pelo economista Dante Sica, um especialista em Mercosul.

A Argentina receberá em 20 de junho uma primeira parcela de 15 bilhões de dólares do FMI. Em troca, o país deverá realizar um ajuste fiscal equivalente a 3,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em três anos.

Aranguren foi questionado na justiça por administrar as tarifas de gás e petróleo, vinculadas a seus interesses pessoais. Cabrera foi denunciado nos tribunais por tentativa de ampliar seus negócios farmacêuticos.

A Argentina está sofrendo uma corrida cambial que desvalorizou sua moeda em mais de 30% desde janeiro. O país perdeu 14 bilhões de dólares de reservas do Banco Central, cujas reservas caíram a 48 bilhões.

A projeção oficial de inflação para 2018 disparou para a margem de 27% a 32%, de acordo com um memorando de entendimento com o FMI.

Organizações sociais e centrais sindicais convocaram uma greve para o dia 25 de junho, um protesto contra a política econômica do macrismo.

Argentina venderá US$ 7,5 bilhões de crédito do FMI para reforçar orçamento – Notícias


Buenos Aires, 13 jun (EFE).- O Ministério de Finanças da Argentina comunicou nesta quarta-feira que anunciará “em breve” um programa de venda de “até US$ 7,5 bilhões” provenientes do empréstimo estipulado com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para “apoio orçamentário”.

“O programa consistirá em vendas diárias pré-anunciadas que serão executadas de um mecanismo de leilões realizados pelo Banco Central (BCRA) a pedido do Tesouro”, destaca um comunicado divulgado pela pasta.

A iniciativa procura suprir as necessidades de pesos argentinos do mercado cambial, que está marcado por uma forte queda da moeda nacional frente à moeda americana e ao euro.

No último dia 7, o ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, acompanhado do presidente do BCRA, Federico Sturzenegger, anunciou os detalhes do acordo em “stand by” por três anos com o FMI por US$ 50 bilhões, aos quais serão somados US$ 5,65 bilhões fornecidos por outros organismos, para diminuir a inflação, conseguir equilíbrio tributário e evitar uma crise.

Em entrevista coletiva, foi explicado que os fundos estarão disponíveis a partir de 20 de junho, quando se dará o primeiro desembolso, por cerca de US$ 15 bilhões que serão aplicados para reforçar as verbas orçamentárias e as reservas do Banco Central.

O governo tinha solicitado negociar um acordo com o FMI no início de maio, em meio às fortes turbulências financeiras que fizeram com que o peso argentino tenha caído quase 30% em relação ao dólar em dois meses, o que fez o BCRA perder mais de US$ 7 bilhões de reservas monetárias.

Apesar de ter destacado que o plano inclui manter um regime de taxa de câmbio flutuante, nesta terça-feira a entidade bancária teve que voltar a intervir vendendo no mercado de divisas US$ 695 milhões para conter a tendência de baixa do peso argentino que voltou a ser registrada desde a última sexta-feira, depois de serem divulgados os detalhes do acordo.

Ao mesmo tempo em que o governo tornava pública sua iniciativa de vender “até US$ 7,5 bilhões” do empréstimo para “apoio orçamentário”, a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, aplaudia em Washington os “ambiciosos objetivos fiscais” e “metas de inflação realista” do plano da Argentina para solicitar o resgate.

Lagarde informou que as autoridades argentinas solicitaram que “um terço” do apoio seja desembolsado com a aprovação do programa e que a metade desse montante (US$ 7,5 bilhões) esteja disponível para apoio orçamentário”, e que o resto seja tratado com caráter precautório.

Está previsto que o acordo entre a Argentina e a organização seja aprovado formalmente em 20 de junho.

Autoridades buscam na Argentina pesqueiro desaparecido com 9 tripulantes – Notícias


Buenos Aires, 9 jun (EFE).- As autoridades da Argentina comunicaram neste sábado que estão buscando “intensamente” uma embarcação pesqueira com nove tripulantes a bordo, que deixou de emitir sinais na sexta-feira no sul do país, onde registraram condições meteorológicas ruins.

Fontes da Prefeitura Naval da Argentina (PNA), o órgão do Ministério de Segurança encarregado da proteção de todas as vias navegáveis do interior e do mar argentino, detalharam à Agência Efe que, no momento do último contato com a embarcação, “as condições meteorológicas não eram boas, com ondas de cinco metros de altura e os ventos de 30 a 40 quilômetros por hora”.

O pesqueiro “Rigel” está sendo procurado por um avião e dois helicópteros, outros seis pesqueiros que se encontravam nas proximidades estão oferecendo colaboração e dois navios da guarda costeira já estão se dirigindo para a região de sua última posição reportada, cerca de 220 quilômetros a sudoeste da cidade de Rawson, na província de Chubut, na Patagônia.

A imprensa local informou que, antes da perda de contato, o “Rigel” emitiu um sinal de emergência.

A embarcação desaparecida tinha zarpado de Mar del Plata, no leste da província de Buenos Aires, em 5 de junho, e a PNA detalhou que mede 27 metros de comprimento, 6,10 de largura e 3,10 de altura.

Argentina e FMI chegam a acordo de 36 meses no valor de US$ 50 bilhões – Notícias


A Argentina e o Fundo Monetário Internacional (FMI) fecharam nesta quinta-feira um acordo stand-by para o empréstimo de US$ 50 bilhões ao país por um período de 36 meses. De acordo com a diretora-gerente da instituição, Christine Lagarde, os termos ainda serão submetidos ao conselho executivo do órgão.

Com o acordo, a Argentina modificou suas metas de resultado primário e de inflação. Segundo o governo argentino, “para assegurar uma rápida convergência do equilíbrio fiscal”, a meta do déficit primário deste ano passou a ser de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) e de 1,3% do PIB em 2019. Segundo Lagarde, o pacto prevê que o país alcance superávit primário até 2020.

“Para reduzir a inflação, o plano reforça o esquema de metas com tipo de câmbio flutuante e fortalecimento da autonomia do Banco Central da República da Argentina (BCRA)”, disse nota do Ministério da Fazenda argentino. Agora, as metas de inflação passam a ser de 17% no próximo ano, de 13% em 2020 e de 9% em 2021.

De acordo com o Ministério da Fazenda argentino, “o programa é inovador, já que protege especialmente os setores mais vulneráveis. Em efeito, se inclui explicitamente o monitoramento de indicadores sociais e, pela primeira vez na história em um programa do FMI, uma salvaguarda que permite aumentar o gasto social se o governo argentino considerar necessário”.

ONGs latino-americanas embarcam em turnê para promover o Bitcoin na Argentina


 ONGs latino-americanas embarcam para promover o Bitcoin na Argentina "title =" ONGs latino-americanas embarcam para promover o Bitcoin na Argentina "/> </a></div>
</p></div>
<p>                 Mercados Emergentes<br />
              </p>
</p></div>
<p><strong> “Bitcoineta”, um programa de conscientização de criptomoeda concebido por organizações sem fins lucrativos, Bitcoin Argentina e Bitcoin Americana foi iniciado. A campanha incluirá uma minivan usando o logotipo do bitcoin embarcando em uma viagem pela Argentina e América Latina com o objetivo de disseminar o conhecimento e promover a adoção do bitcoin. </strong></p>
<p><em><strong> Também Leia: </strong></em> <em><a href= Trocas de criptomoedas estão se afogando em fichas

ONGs da América Latina se unem para lançar a Campanha de Conscientização Bitcoin

 ONGs da América Latina embarcam para promover o Bitcoin na Argentina Organizações não-governamentais Bitcoin Argentina e Bitcoin Americana começaram ' Bitcoineta ' – uma viagem de minivan pela Argentina projetada para reforçar a conscientização e a adoção do bitcoin. A turnê fará a van visitar várias aldeias e pequenas cidades da Argentina, com o tour procurando enfatizar os casos de uso de bitcoin em um nível de base. Depois de viajar pela Argentina, a Bitcoineta espera embarcar em uma campanha de conscientização em toda a América Latina.

O projeto busca atingir uma demografia social díspar que pode se beneficiar de uma maior adoção de criptomoedas. Gabriel Kurman, um dos fundadores do projeto Bitcoineta, declarou: “É um sonho trazer a tecnologia bitcoin e blockchain para a América Latina para aquelas pessoas que não têm acesso ao conhecimento. O [goal] da Bitcoineta é chegar a todas as cidades pequenas da Argentina, e depois do resto da América, ensinando às pessoas como elas podem se beneficiar dessa tecnologia. ”

As duas organizações compraram a minivan juntas e equiparam o veículo com as comodidades necessárias, e instalou um projetor que será usado para a exibição de filmes educacionais.

Semeando as sementes da adoção do Bitcoin

 ONGs da América Latina embarcam para promover o Bitcoin na Argentina viagem em 1 de junho. O primeiro destino da campanha é Chascomús, uma pequena cidade localizada a 123 quilômetros ao sul da capital da Argentina, Buenos Aires. Depois de Chascomús, a Bitcoineta está programada para visitar Las Toninas, Tandil, Necochea, Três Arrollos, Villa Ventana, Bahía Blanca, Pergamino, Junín, Chacabuco e Chivilcoy em Buenos Aires, e vários destinos nas províncias de La Pampa, Santa Fé e Córdoba

Julian Drangosch, professor universitário da Universidade Tecnológica Nacional da Argentina, elogiou o projeto Bitcoineta, dizendo: “As primeiras vezes que você ouve sobre essas tecnologias, é difícil entender todas as implicações que você tem hoje. e no futuro, e para começar a semear esta semente blockchain nas diferentes comunidades nos permitirá coletar as frutas em poucos anos. ”

Você acha que o bitcoin terá ampla adoção em toda a América Latina? nos próximos anos? Participe da discussão na seção de comentários abaixo


Imagens cedidas pela Shutterstock, Infobae


Deseja obter uma lista completa das 500 maiores criptomoedas e ver seus preços e a avaliação geral do mercado? Confira Satoshi Pulse para toda essa ação do mercado!

Comitiva de Macri é resgatada na Argentina – Notícias


Buenos Aires, 2 Jun 2018 (AFP) – Os membros da comitiva do presidente Mauricio Macri cujo helicóptero teve que fazer um pouso de emergência na tarde desta sexta-feira foram resgatados hoje em uma zona montanhosa do noroeste argentino, anunciou o governo.

Sete das 13 pessoas que estavam no helicóptero foram levadas em outro aparelho para a cidade de Santiago del Estero, enquanto as demais “descem a pé, mas bem equipadas”, segundo um comunicado da presidência.

“Foi uma noite dura”, declarou à imprensa o porta-voz presidencial, Iván Pavlovsky, ao chegar neste sábado em Buenos Aires depois de ser resgatado com seus companheiros de voo.

“A noite foi eterna. Entre o frio, a fome, o desconforto, o não saber quando poderiam nos resgatar, pensamos nos nossos entes queridos”, contou.

Três patrulhas de resgate participaram da operação, sob a temperatura negativa, as nevascas e os fortes ventos que dificultaram a chegada ao local, que fica a 3500m de altitude, em Andalgalá.

O helicóptero que transportava a comitiva presidencial teve que realizar na tarde de ontem um pouso preventivo, devido ao “perigo de congelamento de peças vitais do aparelho”.

Do helicóptero, informaram por ligação via satélite que todos se encontravam “em boas condições, aquecidos e suficientemente abastecidos de alimentos e água”.

O aparelho havia saído de Cachi e seguia para Termas de Río Hondo, onde Macri deu continuidade hoje às atividades previstas, informou a presidência.

Por razões climáticas, Macri usou ontem um avião no lugar de um helicóptero para um de seus traslados, dentro de seu giro pelo norte do país. Parte dos funcionários permaneceu no povoado de Cachi para seguir diretamente de helicóptero até Termas de Río Hondo, sem participar da escala em Salta.